Pular para o conteúdo principal

Parque das Águas no Parque das Mangabeiras
Foto: Arquivo/FPM

BH em Pauta: Riqueza hídrica nos Parques Municipais

11/09/2017 | 17:10 | atualizado em 18/01/2018 | 10:56

Belo Horizonte conta com uma quantidade expressiva de cursos d’ água. Ao todo, são cerca de 910 quilômetros de extensão. Parte deles encontra-se em áreas de preservação ambiental, como os parques municipais. Esta é uma importante estratégia para a conservação dos recursos naturais e da biodiversidade, que contribuem para uma melhor qualidade de vida de todos na cidade. A maioria dos parques da capital – atualmente são 75 administrados pela Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica (FPMZB) – apresenta nascentes, espelhos d’água, córregos e lagos.

São inúmeros os benefícios que justificam e incentivam a preservação dessas áreas, que recebem, a cada dia, um número maior de visitantes: os recursos hídricos naturais contribuem para a manutenção de níveis de umidade relativa do ar saudáveis ao homem, influenciam na temperatura global, contribuem para a manutenção de fontes de água potável, entre outros inúmeros ganhos para a vida humana e animal. “A boa qualidade da água contribui para a conservação da fauna e flora dos parques e a boa permeabilidade do solo em parques também contribui para o abastecimento de mananciais. É importante que a população conheça esses aspectos e nos ajude a conservar essas áreas”, explica Sérgio Augusto Domingues, presidente da FPMZB. 

Exemplos de recuperação e conservação ambiental são os parques Nossa Senhora da Piedade, que possui um córrego que é afluente do Onça; o Parque Primeiro de Maio, por onde passa o córrego Primeiro de Maio, afluente do Pampulha, que deságua no Onça e Baleares; e o Parque José Lopes dos Reis, conhecido como Baleares, onde está localizado o córrego Baleares, que deságua no Vilarinho e se une ao Isidoro até chegar no Onça. Esses parques foram implantados por meio do Programa Drenurbs/Nascentes e são administrados pela FPMZB. Por meio de investimentos da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e com a participação efetiva das comunidades do entorno, esses espaços, que possuíam córregos cheios de lixo e esgoto, hoje são agradáveis áreas para recreação e descanso, com recursos hídricos sob o constante acompanhamento da PBH.


Recuperação e conservação
 

Diversas ações do ser humano podem afetar diretamente a qualidade das águas localizadas em nascentes, córregos, lagos e rios. A entrada de sedimentos e resíduos, o lançamento de esgoto e o desmatamento das margens são algumas das principais ações que interferem na qualidade das águas e, consequentemente, na biodiversidade dos cursos d’água.


Dentre os benefícios de se preservar nascentes e cursos d´água em parques estão:
 

- Contribuição para o controle de inundações na cidade, uma vez que nos parques a entrada de sedimentos em cursos d’água é reduzida, devido à presença da vegetação natural nas margens, conhecida como vegetação ciliar. Além disso, nos parques a infiltração de água no solo é muito significativa, devido à boa representatividade de áreas com solo permeável, fazendo com que os mananciais sejam abastecidos.

- Conservação da biodiversidade: diversas formas de vida dependem de uma boa qualidade da água, condição que em áreas urbanas é geralmente encontrada apenas em áreas preservadas. É também nos parques que a vegetação ciliar está presente, uma vez que na cidade a maior parte dos cursos d’água é canalizada e possui as margens impermeabilizadas.

- Incentivo à população para prática de contemplação da natureza. Parques com rios preservados são geralmente locais agradáveis devido ao barulho da água e ao clima fresco. Além disso, são locais onde podem ser apreciados vários tipos de animais, especialmente invertebrados, peixes, anfíbios e aves.

- Possibilidade de execução de atividades de educação ambiental voltadas para a conservação dos recursos hídricos.


Os parques e suas águas


Cerca de 30 parques da cidade abrigam córregos, nascentes e lagos. Conheça alguns deles: 
 

Parque Municipal Roberto Burle Marx - (Av. Ximango, 809, Bairro Flávio Marques Lisboa)

Localizado na região do Barreiro, o parque tem a água como marca de paisagismo. Não é à toa que é conhecido como Parque das Águas. Fontes no meio dos jardins, caminhos abertos para a passagem de água corrente por entre o gramado, lagos e quedas d’água deixam o espaço ainda mais atraente e agradável. As diversas nascentes formam o Córrego do Clemente, afluente do ribeirão Arrudas, que integra a bacia do rio São Francisco. Este percorre 2.830 km no território brasileiro.
           
Parque Municipal Américo Renné Giannetti - (Av. Afonso Pena, 1377, Bairro Centro)

Os recursos hídricos que encontramos no Parque Municipal contribuem para um ambiente com mais qualidade de vida bem no centro de Belo Horizonte. O lugar é cortado pelo córrego Acaba Mundo, que deságua no ribeirão Arrudas, e que foi transformado em galeria pluvial. Atualmente, as galerias do córrego encontram-se em reformas por vários pontos da cidade, como a Avenida Nossa Senhora do Carmo e o próprio Parque. O local ainda possui três lagoas, quatro cascatinhas e vários olhos d’água.

Parque das Mangabeiras - (Av. José do Patrocínio Pontes, 580, Bairro Mangabeiras)
  
Localizado ao pé da Serra do Curral, o parque é patrimônio ambiental de Belo Horizonte. Abriga 60 nascentes, que contribuem para a origem de dois córregos pertencentes à bacia do ribeirão Arrudas: o Mangabeiras e o Serra. Estes formam o Recanto da Cascatinha e o Lago dos Sonhos, pontos turísticos do parque, que hoje se encontram em processo de revitalização por parte da FPMZB. Até mesmo a praça principal faz referência a essa riqueza natural com abundância no parque: ela é chamada de Praça das Águas.

Parque Jornalista Eduardo Couri - (Av. Artur Bernardes, 85, Bairro Vila Paris)
  
Conhecido como Barragem Santa Lúcia, possui uma grande importância para a cidade por contribuir com a contenção de inundações, provenientes da água das chuvas. Sua lagoa é formada pela água das três nascentes localizadas na Área das Nascentes da Barragem Santa Lúcia e pertence à bacia do córrego do Leitão, afluente do ribeirão Arrudas.

Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado - (Rua Desembargador Lincoln Prates, 240, Bairro Itapuã)

A grande atração do parque, localizado na região da Pampulha, é a Lagoa do Nado, de 22 mil metros quadrados. Além dela, a área verde conta com 12 nascentes e o córrego do Nado, afluente do córrego Vilarinho, que deságua no ribeirão do Onça, unindo-se ao rio das Velhas, integrante da bacia do rio São Francisco.


Outros parques com nascentes, espelhos d’água, córregos e lagos:

Parque Carlos de Faria Tavares (Vila Pinho) - (Avenida Perimetral, 800, Bairro Castanheira II, Vale do Jatobá)

Área das Nascentes da Barragem Santa Lúcia * - (Rua Laplace, s/n (em frente ao número 155), Bairro Santa Lúcia

Parque Julien Rien - (Av. Francisco Deslandes, s/n / Av. bandeirantes, 911, Bairro Anchieta)

Parque Mata das Borboletas - (Rua Assunção, 650, Bairro Sion) 

Parque Rosinha Cadar - Rua Rodrigues Caldas, 315,/Rua Matias Cardoso, 126, Bairro Santo Agostinho)

Parque Ecológico Santo Antônio - (Rua Engenheiro Copérnico Pinto Coelho (em frente ao número 461), Bairro Santo Antônio)

Parque Professor Guilherme Lage - (Rua Angola, 665, Bairro São Paulo)

Parque Ecológico e Cultural Vitória * - (Avenida Magenta, s/n, Bairro Vitória) 

Parque Ecológico e de Lazer do Bairro Caiçara - (Rua do Tico-tico, 100, Bairro Alto Caiçaras)

Parque Juscelino Kubitscheck (JK) - (Av. Bandeirantes, 240, Bairro Comiteco)

Parque do Bairro Planalto - (Rua São José do Jacuri, 100, Bairro Planalto)

Parque Aggeo Pio Sobrinho - (Av. Prof. Mário Werneck, 2691, Bairro Buritis)

Parque da Vila Santa Sofia - (Rua Alice, 197, Bairro Santa Sofia)

Parque Jacques Cousteau - (Rua Augusto José dos Santos, 366, Bairro Betânia) 

Parque Municipal Ursulina de Andrade Mello - (Rua Dr. Sylvio Menicucci, 640, Bairro Castelo)

Parque Cássia Eller - (Av. Tancredo Neves, 2010, Bairro Paquetá)

Parque do Confisco - (Rua K. 126, Bairro Conjunto Confisco)

Parque Ecológico e Cultural Enseada das Garças* - (Rua Professor Rivadávia Gusmão, s/n (em frente ao número 395), Bairro Trevo

Parque Ecológico do Brejinho* - (Rua Alcobaça, 43, Bairro São Francisco)

Parque Nossa Senhora da Piedade - (Rua Rubens de Souza Pimentel, 750, Bairro Aarão Reis)

Parque Primeiro de Maio - (Rua Joana D’Arc, 190, Bairro Primeiro de Maio)

Parque José Lopes dos Reis - (Rua Albânia, 17, Bairro Europa)

Parque Ecológico da Pampulha - (Av. Otacílio Negrão de Lima, 7111 – Pampulha)

 

*Parques Fechados à visitação/ áreas de preservação.