Pular para o conteúdo principal

Muitas árvores do parque Primeiro de Maio; à direita, uma passarela durante do dia
Foto: Adão de Souza/PBH

BH em Cantos: Parque Primeiro de Maio, preservação e lazer

28/09/2017 | 16:21 | atualizado em 28/09/2017 | 20:02
Um símbolo de preservação ambiental e da importância de parcerias entre poder público e sociedade civil contribui, há nove anos, para a melhoria de vida de parte da população da região Norte de Belo Horizonte. É o parque Primeiro de Maio, que, com 33,7 mil m² de área verde, auxilia no controle de enchentes e é um importante instrumento para o entretenimento e preservação ecológica, beneficiando diretamente mais de três mil moradores do bairro Primeiro de Maio.
 
O que antes era uma área com esgoto a céu aberto, com uma considerável quantidade de lixo acumulado e sofrendo uma ocupação territorial desordenada, hoje é um espaço de convivência, lazer e prática de atividades físicas. “Venho sempre ao parque. Seja para caminhar ou para desfrutar da área verde. Aqui é muito bom, acho tudo bonito demais, tanto as plantas quanto os bichos. Nossa comunidade melhorou demais depois que fizeram o parque. Não tínhamos lugar tão bom de diversão para nós, idosos, e nem para os meninos”, afirma Maria do Carmo Jesus, de 57 anos, moradora na região há mais de 30.
 

O Parque Primeiro de Maio, localizado à Rua Joana D’Arc, 190, no bairro de mesmo nome, surgiu a partir da parceria entre a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A parceria previa o tratamento de fundos de vale e recuperação ambiental em áreas de nascentes e investiu R$ 5,9 milhões na construção do espaço, divididos entre intervenções, desapropriações e remoção de famílias.


Segundo o gerente operacional de parques das coordenadorias de atendimento das regionais Norte, Nordeste e Venda Nova, Robson Machado, o parque tem a cara da comunidade, pois teve a participação da população local desde o projeto. “Os moradores opinaram sobre o que queriam dentro do parque, desde a praça esportiva até o lago, que seria uma bacia seca. Ou seja, o lago foi uma escolha da comunidade. Este legado da participação foi adiante porque nós continuamos nos reunindo com a população para a gestão do parque. Aqui nós temos uma comissão gestora que se reúne para ser consultada. Com isso, houve uma maior apropriação do espaço e participação de todos”, explica Robson.

Alunos da Escola Integrada e da Academia da Cidade usam o parque frequentemente como espaço apropriado para a prática de atividades esportivas e de formação. A área de lazer e de preservação é referência na cidade em relação à recuperação de espaços e mostra que é possível concretizar ações importantes com planejamento e organização. Referência no projeto de revitalização de áreas, o parque recebe anualmente diversas turmas de alunos e profissionais de áreas como Meio Ambiente, Biologia, Arquitetura e Geografia.


Espaço


O Parque Primeiro de Maio é uma área de lazer ambientalmente preservada, com pista de caminhada de 500 metros de extensão, quadra poliesportiva, mesa de jogos, brinquedos infantis, equipamentos de ginástica e sanitários públicos, além de uma arena. Nove nascentes fazem parte do parque, mas apenas cinco delas podem ser vistas pelo público. Aproximadamente 30 espécies de árvores estão distribuídas por toda área, entre elas pau-brasil, pau-ferro, ipês, pata de vaca, sibipiruna e quaresmeira. Existem, ainda, espécimes frutíferos como a amoreira e o cajá-manga. Além disso, a área verde do parque recebeu uma complementação de 650 mudas diversas. A fauna também é diversificada. Há tartarugas, peixes, preá e micos, além de aves como pica-pau, saracura, frango d’água e biguá, este também chamado de pato selvagem.


Herbanário


Imagine uma horta na qual a própria comunidade faz uso e ajuda a manter plantas sempre cuidadas como o manjericão e a hortelã: no parque Primeiro de Maio, isso é uma realidade. Segundo histórias de antigos moradores da região, uma senhora cuidava do canteiro com mudas de plantas medicinais e, quando necessário, os habitantes do bairro buscavam folhas para produção de chás e pastas medicamentosas. Após a implantação do parque, o espaço foi mantido e a própria comunidade continua utilizando a vegetação para tratamento de eventuais doenças. A área recebe suporte de alunos do curso de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), sob a coordenação da professora Maria das Graças Lins Brandão, do Departamento de Produtos Farmacêuticos da Faculdade de Farmácia da UFMG.


Saúde, conhecimento e arte


Diversos grupos usam o espaço do parque para a promoção de saúde, arte e conhecimento. No local, a Academia da Cidade realiza atividades, como caminhadas orientadas em grupo e exercícios com bolas e bambolês. Outras alternativas de atividades são as oferecidas pelo programa Escola Integrada, com ações complementares ao currículo escolar. Segundo o gerente Robson Machado, o espaço é também apropriado para a promoção de arte e cultura: “O bairro Primeiro de Maio é muito famoso pela efervescência cultural em todos os níveis e onde brotaram muitos valores artísticos. Aqui no parque temos uma estrutura adequada para receber eventos e manifestações culturais. Temos uma bela arena e a sala multimeios, além do parque esportivo, onde queremos que a população venha para práticas esportivas.”


Serviço


Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 8h às 18h
Localização: rua Joana D’Arc, 190 – Bairro Primeiro de Maio
Informações: (31) 3277-6649
Entrada gratuita
 
 

28-09/17/BH em Cantos Parque Primeiro de Maio.Adão de Souza