Pular para o conteúdo principal

Fachada do Centro de Apoio à Mulher Benvinda
Foto: Isabel Baldoni/Arquivo/PBH

Benvinda aumenta equipe de atendimento a mulheres

19/03/2018 | 15:15 | atualizado em 02/04/2018 | 09:35

Um dos principais equipamentos de enfrentamento das violências contra as mulheres da Prefeitura de Belo Horizonte, o Centro de Apoio à Mulher Benvinda, aumentou o seu corpo técnico em 2018. Sete novas servidoras, entre psicólogas e assistentes sociais, passaram a integrar a equipe da Casa. Ao todo, 16 profissionais trabalham no local onde foram realizados 520 atendimentos em 2017, e 70 nos dois primeiros meses de 2018.
 

“A ampliação da equipe multidisciplinar permite expandir as frentes de trabalho, as formas e as modalidades de atendimento, potencializando a qualidade do serviço no atendimento às mulheres e fortalecendo as ações de articulação em rede. Tudo isso visando à prevenção e enfrentamento da violência de gênero”, destaca Kate Rocha, gerente do Benvinda.

 

Interrupção do ciclo de violência

O Centro de Apoio à Mulher Benvinda está vinculado à Diretoria de Políticas para as Mulheres, órgão da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, e constitui-se como centro de referência para as mulheres em situação de violência. No local, as mulheres que vivenciaram/vivenciam situações de violência doméstica e familiar baseadas em gênero são atendidas, e recebem atendimento psicossocial, independentemente de ser essa violência considerada moderada ou grave.
 

“A violência de gênero pode se manifestar de várias formas e em diferentes níveis de intensidade, no dia a dia das mulheres. Em geral, ocorre no espaço doméstico e/ou familiar e se manifesta em proibições, controle, recriminações, chantagens, ameaças, até atos mais violentos que são facilmente reconhecidos”, explica Kate Rocha.
 

J. C. S., 27 anos, usuária dos serviços do Benvinda, conta que foi agredida fisicamente diversas vezes por seu ex-companheiro. A mulher buscou ajuda no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), próximo da sua casa, e foi encaminhada para o Benvinda.
 

“Muitas vezes eu deixei o meu ‘eu’ cair por terra e acabei passando por isso. Eu estava grávida, me sentia desolada, humilhada. Minha história começou a mudar no dia que eu encontrei o Benvinda. Sem essa ajuda, eu não sei o que seria de mim hoje”, se emociona. J.C.S. aconselha as mulheres que estão passando por situações de violência que busquem ajuda para superarem as agressões.
 

O principal objetivo do Centro é desenvolver ações de enfrentamento das violências domésticas e familiares baseadas em gênero, por meio de orientações e atendimentos que busquem o fortalecimento das mulheres e a superação dessas violências, além da articulação com a rede de serviços públicos para acompanhamento das mulheres.
 

A gestora ainda destaca a importância de procurar auxílio para intervir e cessar a violência. “O trabalho realizado no Benvinda busca promover meios para que as mulheres fortaleçam a autoestima e tomem decisões relativas à superação das situações de violência por elas vivenciadas”.

 

Como acessar

O Centro de Apoio à Mulher Benvinda recebe mulheres a partir de 18 anos, residentes em Belo Horizonte. Para serem atendidas, as mulheres podem realizar o agendamento pelo telefone ou comparecer diretamente no local. Os serviços prestados no Benvinda são atendimento psicossocial, atividades em grupo e encaminhamentos à rede especializada, tais como órgãos das Polícias Civil e Militar, Ministério Público, Defensoria Pública, Casa Abrigo Sempre Viva, entre outros. Não é necessário que ela tenha feito representação criminal ou boletim de ocorrência. O trabalho realizado é sigiloso e não gera qualquer tipo de denúncia.

 

Centro de Apoio à Mulher Benvinda

Rua Hermilo Alves, 34 – Santa Tereza (esquina com Avenida do Contorno)
Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8h às 18h
Telefones: (31) 3277-4380 / 3277-4379
E-mail: benvindacentrodeapoio@pbh.gov.br
Linhas de ônibus: 9103 / 9210 / SC01 / SC03