Pular para o conteúdo principal

Orla da Lagoa da Pampulha vista de cima

Belo Horizonte recebe prêmio internacional como referência em sustentabilidade

21/09/2018 | 18:41 | atualizado em 24/09/2018 | 18:36

Pelo quarto ano consecutivo, Belo Horizonte foi escolhida a campeã do Desafio das Cidades pelo Planeta no Brasil, promovido pelo WWF Brasil e ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade (ICLEI). Concorrendo com municípios como Campinas, Curitiba, Joinville, Londrina, Niterói, Recife, São José dos Campos, Sorocaba e as finalistas Betim e Fortaleza, a cidade mineira demonstrou novamente papel de destaque e exemplo em políticas por um futuro de baixo carbono.
 

O prêmio será entregue nesta segunda-feira, dia 24, durante um almoço de trabalho promovido pelo ICLEI América do Sul e o SEBRAE MG, que reunirá os associados da Rede ICLEI em Minas Gerais e autoridades de entidades representativas do setor privado, parceiros e organizações relevantes para a agenda de desenvolvimento sustentável.
 

Na terça-feira, dia 25, a cidade sediará o workshop Acelerando a Ação Climática em Cidades Brasileiras, organizado pela Prefeitura de Belo Horizonte e pelo ICLEI e que acontece no âmbito da segunda fase do projeto Urban LEDs. A ação visa identificar estruturas existentes e barreiras para acelerar o financiamento de medidas de baixo carbono e resiliência na capital. O evento também procura articular, com base nas necessidades, fontes de financiamento adequadas ao contexto local.
 

“A cidade ainda tem grandes desafios na implementação de uma agenda de baixo carbono, que é o conjunto de ações que precisam ser efetivadas para reduzir as nossas emissões, aumentar nossa resiliência aos impactos climáticos e, sobretudo, garantir um presente e um futuro de qualidade para todos e cada um dos nossos cidadãos”, afirmou o secretário de Meio Ambiente, Mário Werneck.
 

O workshop, realizado na sede da PBH (avenida Afonso Pena, 1212), a partir das 9 horas, visa apoiar Belo Horizonte na condução de suas estratégias climáticas alinhadas ao Acordo de Paris.
 

O projeto tem por objetivo promover a cooperação entre governos locais e, a partir de suas experiências, demonstrar em fóruns globais o potencial existente para investimento em projetos climáticos das cidades. Na sua segunda fase, o Urban LEDS terá especial foco na geração de modelos de projetos financiáveis, escaláveis e replicáveis, a partir de estratégias, em setores como mobilidade, resíduos e energia.
 

“O ICLEI vai oferecer apoio técnico para que as cidades possam avançar em duas frentes complementares: a primeira é revisitar as políticas implementadas na primeira fase do projeto e, em outra frente, ajudar as cidades a identificar uma política pública e acelerar a implementação dessa medida gerando impacto positivo no território”, manifestou o secretário-executivo do ICLEI América do Sul, Rodrigo Perpétuo.

 

Belo Horizonte como referência

Durante a primeira fase do Urban-LEDS, entre 2012 e 2016, a Prefeitura de Belo Horizonte, com o apoio técnico do ICLEI América do Sul, disseminou boas práticas nacional e internacionalmente por meio de estudos de caso, sediando a 1ª Jornada Nacional sobre Cidades e Mudanças Climáticas, em 2014; e ainda participando nas Conferências das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (COPs) em 2012, 2014 e 2015, quando apresentou o Plano Municipal de Redução das Emissões de Gases de Efeito Estufa, o PREGEE . Vale destacar que, ao final da 1ª fase do Urban-LEDS foi instalada uma mini-usina fotovoltaica no Centro de Educação Ambiental do PROPAM que, além de gerar uma enorme economia nas contas de luz da edificação, tem servido para disseminar junto aos visitantes, muitos dos quais estudantes da rede pública de ensino, a importância do investimento em fontes renováveis de energia para um futuro ambientalmente mais seguro para todos.

 

Confirma a programação:

Programação Workshop Técnico

9h - Recepção

9h45 – Apresentação do Projeto Urban Leds

10h Apresentação do Workshop Nacional

10h20 – Revisão das estratégias da Fase I

11h – Intervalo

11h15 – Priorização de estratégias

12h10 – Almoço

13h30 – Identificação de estruturas existentes

14h10 – Identificação das necessidades para desenvolvimento

15h – Levantamento de dificuldades externas

15h45 – Intervalo

16h – Levantamento de ações para reverter o quadro de dificuldades (interno e externo)

16h55 – Avaliação de atividades

17h05 – Próximos passos e encerramentos