Pular para o conteúdo principal

Três atletas do programa superar em um tatami e trajando kimono.
Foto: Marcelo Machado/PBH

Atendimento no Colégio Marconi é modelo piloto de atendimento do Superar

12/06/2018 | 15:03 | atualizado em 12/06/2018 | 15:04
Estudante com deficiência visual, Gabriel Gomide, de 14 anos, frequenta as aulas de judô, natação e atletismo. Autista e com deficiência intelectual, Lucas Ribeiro, 14, faz natação e atletismo. Já Andrielle Gomes, 13, é adepta de natação, judô e funcional. Todos eles são alunos do Colégio Marconi, da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, e participam do novo núcleo do Superar, um programa desenvolvido pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Smel).

Iniciado em maio passado, o Núcleo Marconi, no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul de Belo Horizonte, é um modelo novo de atendimento do Programa Superar e funciona como um complemento ao chamado AEE (Atendimento Educacional Especializado) - um conjunto de atividades e recursos pedagógicos e de acessibilidade organizados para atender exclusivamente alunos com algum tipo de deficiência, no contraturno escolar.
 
“Após participarem das atividades do AEE no Marconi, esses alunos fazem as atividades do Superar no próprio colégio. É um trabalho-piloto e tem sido extraordinário, com o reconhecimento dos pais e das crianças e adolescentes. Todos estão felizes com o colégio e o Superar”, afirma Thamyres Rodrigues, coordenadora do Superar no Núcleo Marconi.
 
Atualmente, 24 estudantes com idade entre 5 e 17 anos participam do Superar no Marconi, totalizando 59 atendimentos, já que muitos optam por mais de uma modalidade. As aulas do Superar no Marconi acontecem às segundas (8h às 14h30), terças (8h às 17h), quartas (8h às 15h) e sextas-feiras (8h às 15h). 
As modalidades oferecidas pelo programa no colégio são natação, judô, tênis de mesa, funcional e atletismo (corridas de 100 e 200 metros, além de salto em distância), esta praticada na escola e também na pista de atletismo da Delegacia de Investigações, no bairro Prado. 

No Marconi, a coordenadora e educadora física Thamyres conta com o auxílio de estagiários de Educação Física. As aulas de judô ficam a cargo de Marcelo Mendes, coordenador do Superar no Centro de Referência Esportiva para Pessoas com Deficiência (CREPPD).
“Para muitos alunos com deficiência, o Superar é responsável pela primeira vivência esportiva e pelas primeiras experiências corporais. Portanto, é um trabalho que oferta oportunidades de habilidades motoras, além de socialização”, destaca Marcelo Mendes.

Alunos do Superar no Marconi já começam a se destacar como atletas. Gabriel Gomide vai disputar os 100 metros rasos e o salto em distância nos Jogos Escolares de Minas Gerais 2018, em setembro, em Uberlândia. O nadador Lucas Ribeiro vai participar dos 50m peito e 100m livre na mesma competição. Já em novembro, os judocas Daniel Batista, Gabriel Gomide e Andrielle Gomes disputarão em São Paulo as Paralimpíadas Escolares 2018.    
 

Ampliação

Com a finalidade de promover a inclusão social da pessoa com deficiência por meio do esporte, o Superar atende a alunos com deficiência física, visual, intelectual, auditiva, múltipla e com autismo.
Com a criação de seis novos núcleos de atendimento no mês passado, o programa ampliou de 700 para 936 o número de alunos atendidos. A meta de chegar a 850 atletas até o fim do ano, portanto, já foi superada.  
Além do Colégio Marconi, os novos núcleos são as escolas estaduais de ensino especial Amaro Neves, Sandra Risoleta e João Moreira Salles, mais a Associação de Deficientes Visuais de Belo Horizonte e da Associação de Surdos. Esses novos espaços somam-se ao CREPPD, à Escola Municipal de Ensino Especial Frei Leopoldo e ao Clube Palmeiras. 

O Superar oferece 16 modalidades: atletismo, basquetebol, bocha regular, bocha paralímpica, dança, futsal, goalball, judô, natação, patinação, rúgbi em cadeira de rodas, tênis de mesa, voleibol sentado, parataekwondo, funcional e percussão.  

Um dos requisitos para ingressar no Superar é ter idade superior a seis anos, além de apresentação de laudo de deficiência e a existência de vagas. 
 
Os interessados em participar do Programa Superar podem entrar em contato pelo e-mail superar@pbh.gov.br ou pelos fones 3277- 4546 e 3277-7681.
 
 

12/06/2018. Superar-Núcleo Marconi. Fotos: Marcelo Machado/PBH