Pular para o conteúdo principal

Fiscal da Vigilância sanitária verifica as condições de armazenamento dogelo com dois funcionários do setor de venda de alimentos e bebidas do Mineirão.
Foto: Karen Moreira/PBH

Vigilância Sanitária da PBH garante o consumo de produtos seguros no Mineirão

13/04/2018 | 16:46 | atualizado em 13/06/2018 | 17:08
Vestir a mesma camisa; assentar-se no mesmo lugar; segurar o amuleto da sorte. Esses são alguns dos rituais seguidos por quem é apaixonado por futebol em dias de jogos do time do coração. E, para o torcedor mineiro, até a gastronomia entra para a lista de “o que não pode faltar para um bom jogo”. Em Belo Horizonte, quem vai ao Mineirão segue a tradição de comer o prato mais famoso do estádio: o feijão tropeiro. E para garantir o que os torcedores consumam um produto seguro e de qualidade, a Vigilância Sanitária da capital realiza rotineiramente vistorias nos estabelecimentos do estádio. 


Segundo o Minas Arena, empresa responsável pela alimentação no estádio em dias de grandes jogos, são vendidos cerca de dez mil marmitex, além dos demais produtos oferecidos no cardápio. A última vistoria realizada pela Vigilância Sanitária foi no domingo, dia 8 de abril, durante a final do campeonato mineiro. Na operação, a Vigilância verificou se os locais estão cumprindo as normas sanitárias que garantem a qualidade dos produtos vendidos. Durante a ação, oito fiscais conferiram itens como procedência dos produtos utilizados, acondicionamento dos alimentos, higiene e demais normas que devem ser seguidas durante o processo de elaboração dos pratos. 


Esta foi a terceira intervenção realizada em 2018, quando 46 bares e sete ambulantes e foram vistoriados. Wagner Cândido da Silva, gerente da Vigilância Sanitária Pampulha, apresenta um balanço da ação. “No geral, não identificamos nenhum tipo de situação que coloque em risco a saúde pública. Encontramos situações irregulares em 16 estabelecimentos, mas que foram imediatamente corrigidas, como acondicionamento dos alimentos para temperatura ideal”, relata. 


A venda de produtos alimentícios no estádio sempre foi fiscalizada, entretanto, com o aumento na demanda e a reforma do local, a Vigilância teve a oportunidade de orientar sobre a criação de uma infraestrutura própria e adequada à produção de pratos mais elaborados, como o feijão-tropeiro.


Os torcedores também aprovaram a iniciativa. “Sempre que venho ao Mineirão eu compro o tropeiro e é bom saber que estou consumindo um produto de qualidade e que não vai me fazer mal”, disse a torcedora Gisele Santiago, de 23 anos.


O coordenador de nutrição do Minas Arena, Gustavo Samuel Cunha, reforçou que o trabalho contribuiu muito para a empresa. “Nós mantemos uma auditoria interna permanente e buscamos seguir todas as normas da Vigilância e acatar cada recomendação. Queremos oferecer sempre o melhor para o público do estádio”, disse.


O gerenciamento de risco permanece, sempre com o intuito de garantir a segurança do alimento que será oferecido à população. Com as ações preventivas realizadas, os comerciantes estão mais atentos, e sabem que o trabalho, feito adequadamente, é mais fácil e econômico. 

 

 

13/04/2018. Torcedor Protegido. Fotos: Karen Moreira/PBH

Últimas Notícias

No primeiro plano, de costas, um baterista toca. À sua frente, público assiste ao show na Praça da Savassi Apresentação musical e recreações infantis agitam BH é da Gente deste domingo

O programa é realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Smel).

19/07/2018 | 19:10
Foto de balcão de informação azul no aeroporto de Confins. Há uma turista fazendo sua consulta. Belotur inicia pesquisa para identificar perfil do turista que visita a cidade

Pesquisa de demanda turística será aplicada nos meses de julho, setembro e novembro de 2018, nos principais portões de entrada da cidade

19/07/2018 | 18:50