Pular para o conteúdo principal

Imagem do Viaduto Angola durante o dia. Abaixo, carros passam pela avenida Antônio Carlos.
Foto: Divulgação PBH

Viaduto Angola passará por obras de manutenção

26/02/2018 | 19:01 | atualizado em 27/02/2018 | 14:28

O viaduto Angola, situado na avenida Antônio Carlos, próximo ao Hospital Odilon Behrens, passará por manutenção a partir desta terça-feira, 27/2. Os trabalhos terão duração aproximada de 40 dias e serão realizados das 23h às 5h. Durante esse período o viaduto ficará fechado. A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Sudecap e da BHTrans, acompanhará o andamento das obras e oferecerá suporte à logística de trânsito.

 

O que será feito

Em vistoria periódica, foi constatada a necessidade de troca dos aparelhos de apoio da estrutura. A manutenção será executada pelo Consórcio Andrade Gutierrez/Barbosa Mello, responsável pela construção do viaduto, sem ônus para os governos municipal e estadual.

 

Entenda o que são os aparelhos de apoio

Os aparelhos de apoio são dispositivos que fazem a transição entre a superestrutura, a mesoestrutura e infraestrutura de uma construção. A sua utilização é necessária porque quando duas peças estruturais se apoiam uma sobre a outra, elas podem girar (rotação) ou deslizar (translação) uma em relação à outra. Esses movimentos nem sempre podem ser absorvidos pelas peças e por isso é preciso um elemento intermediário entre elas, que é o aparelho de apoio. O uso dos aparelhos entre vigas e pilares possibilita a movimentação natural existente entre estes dois elementos, absorvendo os esforços horizontais e de rotações e transmitindo aos pilares os esforços verticais.

 

O viaduto Angola

O viaduto Angola está localizado entre a rua Gonçalo Alves e a avenida Antônio Carlos, próximo ao conjunto IAPI entre os bairros Lagoinha e São Cristóvão. O Angola possui 87,79m de comprimento e foi inaugurado em 2010 pelo Governo do Estado de Minas de Gerais, como parte das obras de duplicação da avenida Antônio Carlos. A intervenção na avenida, concluída em 2010, executadas pelo Consórcio Andrade Gutierrez/ Barbosa Mello.