Pular para o conteúdo principal

Três caçambas com materiais diversos entregues por cidadãos
Foto: Pedro Antônio de Oliveira/PBH

Unidades da Prefeitura recebem gratuitamente lixo volumoso

criado em 30/01/2018 - atualizado em 09/02/2018 | 16:06
Muita gente ainda não sabe o que fazer com aquele sofá velho, com os resíduos de obra ou até mesmo com os pneus já gastos, retirados do automóvel. Uma coisa é certa: o destino deles não pode ser as ruas ou os lotes vagos da cidade. Em Belo Horizonte, materiais volumosos têm lugar apropriado para descarte. São as Unidades de Recebimento de Pequenos Volumes (URPVs) do município, cujo serviço de recebimento de entulho é gratuito nos 34 pontos de coleta, instalados nas nove regionais.


Pedro Assis Neto, chefe do Departamento de Serviços de Limpeza da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) explica que as URPVs são equipamentos públicos destinados a receber materiais que não podem ser eliminados na coleta domiciliar; tais como poda e terra, até o limite diário de 1m³ por viagem (o que corresponde a uma carroceria cheia de um veículo utilitário ou uma carroça), além de colchões e madeiras, por exemplo. “O serviço é direcionado ao pequeno gerador, aquele cidadão que limpou seu quintal e precisa jogar fora o que não serve mais, contudo o resíduo não pode ser considerado tóxico ou perigoso”, destaca o gestor. “Importante lembrar que as URPVs não aceitam lixo doméstico e de sacolão, resíduos industriais ou de serviços de saúde nem animais mortos”, salienta.


Todo o material recebido nas URPVs é separado em caçambas e recolhido regularmente pela Prefeitura. Após a triagem, parte dos rejeitos vai para o aterro sanitário e outra parcela para uma das Estações de Reciclagem de Entulho da SLU, onde os resíduos são transformados em agregado reciclado, que pode novamente ser reintroduzido na cadeia da construção civil.


Em um ano, são contabilizadas 300 mil viagens de resíduos até as URPVs, entre elas de caminhonete, carrinho de mão e carroça. Dessas, 160 mil viagens são de carroceiros, o que corresponde a 47% do total registrado. Em 2017, foram recolhidas nas unidades 142 mil toneladas de resíduos.


Alessandra de Fátima Goulart de Oliveira, funcionária da Diretoria Operacional da SLU que trabalha com a gestão das URPVs, faz questão de enfatizar que, quanto mais a população utilizar da forma correta esses equipamentos, menores as chances de deposições clandestinas pela cidade. “As URPVs permanecem abertas inclusive aos sábados para facilitar o acesso das pessoas que trabalham durante a semana”, observa. “O cidadão pode levar por conta própria os resíduos ou contratar um carroceiro, devendo sempre respeitar os horários de funcionamento e os resíduos permitidos”, alerta Alessandra.

 

Pilhas, baterias e eletroeletrônicos sem utilidade não podem ser encaminhados para as URPVs. De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pela Lei 12.305/10, eles devem ser objeto de logística reversa. “Isso significa que o fabricante, comerciante ou distribuidor precisa dar condições ao consumidor de devolver o bem em desuso, para que, em seguida, ele tenha uma destinação ambientalmente correta. É a chamada responsabilidade compartilhada”, conclui Alessandra. 


O aposentado Afonso Evangelista, morador do bairro Parque Riachuelo, região Noroeste da capital, já utilizou diversas vezes os serviços das URPVs e acredita que a solução está nas mãos da própria população. “Parece mais cômodo jogar o entulho de nossa casa em qualquer lugar, mas isso não é honesto. Precisamos pensar de maneira coletiva. O que a gente faz de bom ou ruim repercute na rotina do outro e na qualidade de vida da cidade”, afirma. 

 

Os endereços, horários de funcionamento e mais orientações encontram-se disponíveis na página Unidades de Recebimento de Pequenos Volumes (URPVs) .



Normas de funcionamento de uma URPV

- É recebido até 1m³ de resíduos, por descarga, ao dia;

- Veículos leves podem realizar uma descarga de resíduos por gerador, por dia;

- Os resíduos devem ser descarregados pelo transportador, por tipo de material, nos locais indicados pelo operador da URPV;

- Não é permitida a entrada de menores de idade e a permanência de pessoas estranhas na unidade.
 



O que é recebido em uma URPV

- Entulho (tijolo, telha, concreto, azulejo, entre outros resíduos);

- Terra limpa;

- Podas;

- Madeiras;

- Objetos volumosos (móveis, por exemplo);

- Pneus (dois por gerador, por dia).
 


O que não é recebido em uma URPV

- Restos de alimentos;

- Lixo doméstico;

- Animais mortos;

- Resíduos líquidos e pastosos (óleo, lama, ácidos, graxas);

- Resíduos de estabelecimentos de saúde e farmácias;

- Resíduos de pequenas fábricas;

- Carcaças e partes de veículos;

- Eletrodomésticos;

- Resíduos tóxicos em geral.

 

 

30/01/2018. URPVs. Fotos: Pedro Antônio Oliveira/PBH