Pular para o conteúdo principal

Maurício Tizumba se apresenta no palco
Foto: divulgação/Tambor Mineiro

Teatro Raul Belém Machado recebe musical de Maurício Tizumba

10/12/2019 | 17:44 | atualizado em 10/12/2019 | 19:14

O musical “Galanga, Chico Rei”, do artista Maurício Tizumba, é a atração do Espaço Cênico Yoshifumi Yagi/Teatro Raul Belém Machado nesta quarta-feira, dia 11, às 20h. Com sonoridade que remete às raízes musicais afro-brasileiras, sobretudo a do congado de Minas Gerais, o espetáculo homenageia a história de Galanga, um rei africano escravizado no Brasil e que comprou a própria liberdade, além de libertar centenas de outros escravos.

A peça musical foi selecionada por meio do edital CenaPlural 2019, promovido pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, e tem entrada gratuita.

“Galanga, Chico Rei” é o principal e mais recente trabalho musical da carreira de Maurício Tizumba. O disco, que foi gravado e lançado em 2015, traz 11 faixas, todas compostas por Paulo César Pinheiro, um dos mais consagrados compositores brasileiros, sendo três delas fruto da parceria de longa data com o cantor, violonista e produtor musical Sérgio Santos e duas com o próprio Tizumba. O álbum recebeu o Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-Brasileiras.

A narrativa sonora, resultado de extensa pesquisa empreendida por Paulo César Pinheiro, foi criada originalmente para a peça homônima escrita por ele, dirigida por João das Neves e protagonizada por Tizumba, que estreou em 2011.  A partir do texto, do roteiro da peça e dos arranjos do disco, Mauricio Tizumba traz um espetáculo em formato reduzido.

Na peça, Tizumba apresenta a coroação de um rei do Congo, com cantos, danças, levantamento de mastros e muita música, mesclando cultos católicos com africanos. Estes rituais são dedicados à protetora tradicional dos negros no Brasil, Nossa Senhora do Rosário, e vários santos negros, especialmente São Benedito e Santa Efigênia.

"Galanga, Chico Rei" revê, então, a história tradicional do país e da cultura sob o prisma da identidade afro-brasileira. E faz um resgate sob o ponto de vista do povo negro como vencedor – e não somente como sofredor, como muito já foi feito –, configurando-se como importante ato de resistência política e cultural por destacar os heróis que a história oficial tenta sempre apagar.


CenaPlural

O CenaPlural foi criado pela Prefeitura de Belo Horizonte com o objetivo de fortalecer e potencializar a produção artística nos espaços públicos, promover uma programação cultural diversa e qualificada para a população belo-horizontina, além de premiar e difundir o trabalho de artistas, coletivos e grupos locais.

Os grupos selecionados vêm se apresentando nos teatros Francisco Nunes, Marília e Raul Belém Machado, além dos centros culturais da Fundação Municipal de Cultura, ou integrando a programação de projetos especiais como o “Terça da Dança” e o “Música de Domingo”.