Pular para o conteúdo principal

Imagem de Isael Maxakali
Foto: Divulgação PBH

Semana de Artes Visuais traz atrações virtuais diversas

23/02/2021 | 17:34 | atualizado em 23/02/2021 | 17:34

A primeira edição da Semana de Artes Visuais do Circuito Municipal de Cultura traz, entre os dias 24 e 28 de fevereiro, uma programação totalmente gratuita e on-line em torno de artes visuais. Entre elas, audiovisual, performance, fotografia, moda e artes gráficas. As atrações são nacionais e incluem exibições de trabalhos, oficinas e bate-papo com os paraenses Berna Reale e Rafael Bquee, e os mineiros Isael Maxakali e Douglas Mendonça, entre outros. O Circuito Municipal de Cultura é realizado pela Secretaria Municipal de Cultura (SMC) e pela Fundação Municipal de Cultura (FMC), em parceria com o Centro de Intercâmbio e Referência Cultural (CIRC).

A Semana de Artes Visuais começa nesta quarta-feira, às 12h, com a exibição de dois trabalhos em vídeo no YouTube da Fundação Municipal de Cultura. Um deles é a videoarte “Yãmîys”, do premiado diretor de cinema mineiro Isael Maxakali. Gravado na Comunidade Maxakali de Aldeia Verde, em Ladainha (MG), o curta apresenta os yãmîys, “espíritos” do panteão Maxakali, como a onça, o quati e o javali, e fica disponível para visualização até 30 de abril.

No vídeo "Alice e o Chá através do Espelho [Chá Olímpico]”, Rafael Bqueer resgata a personagem Alice, interpretada pelo ator Jorge Lafond no desfile da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, assinado por Joãozinho Trinta, em 1991. O vídeo fica disponível para visualização por 30 dias após a publicação. No mesmo dia, às 20h, acontece a live “Diálogos em Trânsito”, um bate-papo entre Rafael Bqueer e o artista mineiro Mamutte.

No dia 28, quem fecha a programação é a live “Estado de presença: Uma partilha entre Berna Reale e Maria Eugênia Salcedo”. A premiada artista paraense conversa com a educadora e pesquisadora mineira às 20h, com exibição pelo YouTube da Fundação Municipal de Cultura e pelo Facebook do Circuito. Logo depois, haverá a exibição de um trecho da obra “Dançando na Chuva”, que conta com vídeos e fotos da artista dançando a música-tema do filme de Gene Kelly em um lixão.

 

Oficinas

Nos dias 25, 26 e 27 de fevereiro, acontecem as atividades formativas da programação. A primeira é a oficina virtual “Figurino em Ação num Carnaval Silencioso”, com Arianne Vitale (MG). O encontro virtual será às 15h, com duração de duas horas, voltada para qualquer interessado na criação e experimentação de figurinos carnavalescos. Para participar, é preciso ter acesso à internet e à plataforma Zoom, e possuir em mãos tesoura e materiais para fixar sobre o corpo, como roupas, tecidos, fitas e adornos. As vagas são limitadas e as inscrições vão até dia 24, pelo link da Sympla.

No dia 26, às 20h, é a vez de “Fotozine: Leitura e Apresentação de Publicações Independentes”, com o artista visual e fotógrafo Douglas Mendonça (MG). Trata-se de um recorte da pesquisa do palestrante sobre autoras e autores mineiros que possuem material publicado de forma independente por meio de fanzines e fotolivros. Douglas Mendonça investiga linguagens e narrativas imagéticas principalmente da fotografia de rua, dos retratos e da fotografia experimental. O vídeo será exibido no YouTube da Fundação Municipal de Cultura, e no Facebook e site do Circuito.

Já no dia 27, às 15h, acontece a oficina “Montando uma Exposição ‘na tora’”, do artista, pesquisador e produtor cultural Luiz Lemos (MG). A atividade se divide em duas partes: primeiro, a partir do dia 22, será disponibilizada no YouTube da Fundação Municipal de Cultura uma videoaula voltada para artistas e interessados das artes visuais, que busca, por meio de experiências do ministrante, facilitar a organização de mostras visuais desenvolvidas com baixo recurso e pouco apoio. No dia 27, o encontro com o ministrante pelo Zoom vai debater a videoaula e abrir espaço para a troca de ideias sobre montagens de exposições independentes. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas até o dia 26, pelo link da Sympla.

 

Sobre o Circuito Municipal de Cultura

Projeto estratégico da Prefeitura de Belo Horizonte, foi lançado em dezembro de 2019, com grande show de Jorge Ben Jor na Praça da Estação. Em maio de 2020, foi lançado o Circuito em Casa, como parte do Circuito Municipal de Cultura, criado para ampliar as opções culturais para a população que está em casa durante a pandemia da Covid-19. Suas ações integram a Política de Promoção das Artes do município.

Até o momento, já foram mais de 150 apresentações realizadas, alcançando um público de aproximadamente 400 mil pessoas. Desde o início do projeto, o Circuito Municipal de Cultura já contou com a participação de quase 800 trabalhadores da cultura, entre artistas, mestres da cultura popular, produtores e técnicos, reforçando seu importante papel de fomento ao setor em Belo Horizonte. Toda a programação do Circuito Municipal de Cultura é gratuita, contemplando as diversas linguagens artísticas e faixas etárias.

 

Nas redes

YouTube da Fundação Municipal de Cultura.
Facebook do Circuito Municipal de Cultura.
Instagram do Circuito Municipal de Cultura.
Site do Circuito Municipal de Cultura.