Pular para o conteúdo principal

Arte feita pela Prefeitura
Foto: Arte/PBH

Saúde mental em tempos de pandemia é tema de palestra para servidores

08/04/2021 | 14:42 | atualizado em 09/04/2021 | 15:34

A saúde mental foi tema de uma palestra virtual promovida pelo programa Movimenta PBH no último dia 1º de abril e que reuniu centenas de servidores. O impacto da pandemia e do isolamento na saúde mental, as estratégias de autocuidado e a manutenção da energia vital, bem como a conectividade entre as pessoas em tempos de isolamento e o luto pela Covid-19 e seus efeitos foram alguns dos assuntos abordados.  

 

A psicóloga e mestre em Psicologia da Saúde, Marta Batista de Souza, foi a convidada para o bate-papo virtual com os servidores. Ela abriu a palestra ressaltando que cada um reage à sua forma diante de situações estressantes. “Isso pode depender de sua formação, da sua história de vida, das suas características particulares e da comunidade em que você vive. O isolamento não está sendo fácil para ninguém. Antes, tínhamos uma rotina frenética e, hoje, temos que ficar isolados em casa. Vamos precisar de autoconhecimento para resistir e enfrentarmos as dificuldades”, explicou a psicóloga. 

 

A palestrante também destacou os desafios vividos neste momento, como o medo de adoecer e morrer. “Temos a preocupação com a obtenção de alimentos, remédios ou suprimentos pessoais. Nossa rotina foi alterada. Há perdas de renda e dificuldades em se chegar ao trabalho. Tivemos que adquirir novos hábitos, como lavar as mãos frequentemente, fazer uso do álcool em gel e máscaras. Por outro lado, abandonamos antigos hábitos que nos faziam bem, como abraçar ou beijar nossos amigos. E ainda lidamos com a incerteza de quando vamos poder voltar à nossa vida normal que tínhamos. Agora é tempo de nos reconhecermos e termos mais resiliência para vencer as adversidades”, afirmou Marta. 
O encontro também abordou as estratégias de autocuidado e a manutenção da energia vital. Marta apontou a necessidade de conseguir gerir o estresse, além de apontar outras medidas importante, como ter um bom sono, tentando métodos de relaxamento antes dormir, e uma boa nutrição. 

 

“Cuidar do ambiente dentro de casa ajuda também. Podemos fazer um pequeno jardim, por exemplo, que irá nos distrair e nos conectar com a natureza. Nossos relacionamentos também são estratégias. Podemos ligar para amigos, conversar com quem está em isolamento conosco, sem que a rotina prejudique nossa vida. Se eu estiver feliz comigo, poderei fazer com que o outro fique feliz também. Outro aspecto importante é cuidar de nossa espiritualidade. Devemos ter empatia com as crianças e pessoas idosas que estão neste isolamento conosco. Podemos contar histórias, cantar, desenhar juntos, que são coisas que nos aproximam dos jovens e crianças. Ouvir e conversar com os idosos também ajuda muito para enfrentarmos estes desafios”, aconselhou a profissional. 

 

Outro assunto tratado foi o luto pela pandemia. São cinco os estágios do luto: negação, raiva, negociação, depressão  e aceitação. “Várias pessoas partiram nesta pandemia e podemos oferecer apoio e cuidados práticos não invasivos. Devemos escutar as pessoas, sem pressioná-las a falar, e acolhê-las, respeitando o momento de cada um. As pessoas devem ter acesso a apoio social, físico e emocional. Este é um momento de apoio mútuo. Aprendemos lições como: que a família é o que temos de mais importante, que não somos donos do amanhã e que não temos o controle de nada. Vamos reaprender a brincar com os nossos filhos, e com a nossa criança interior, a passar mais tempo junto de quem amamos. Temos que olhar com carinho para os mais velhos e ter a escola e o hospital como os lugares mais importantes da cidade”, finalizou. 

 

“A psicóloga abordou os conteúdos com clareza e coesão. Apresentou exemplos práticos de fácil aplicação e sem custo financeiro. Esses exemplos apresentados pela palestrante, ao serem colocados em prática, farão a diferença no cotidiano nesse período de isolamento social. Ela demonstrou a importância de se preocupar com o outro e que um telefonema já é um grande apoio.  Apresentou o ponto da reflexão mais banal, que é fazer uma limonada com o limão do momento, ou seja, observar o contexto e buscar alternativas que o mudem e melhorem”, disse Márcia Antônia Dias , servidora da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.  

 

Aline de Freitas Oleto é técnica superior de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde e também participou do encontro. “É muito importante neste momento que estamos vivendo. É essencial termos esse local de fala para nos expressarmos. Estamos todos muito ansiosos e angustiados. É uma nova rotina de vida e uma nova maneira de viver diferente de tudo que estamos acostumados”. 

 

Todos os encontros promovidos pelo Movimenta PBH são gravados e ficam disponíveis na plataforma EAD da Prefeitura.