Pular para o conteúdo principal

Agente de saúde faz vistoria em caixa d'água
Foto: Leila Porto/PBH

Sábado foi dia de combate ao Aedes aegypti em Belo Horizonte

26/03/2018 | 19:51 | atualizado em 02/04/2018 | 01:47

Uma ação especial de caça aos focos do mosquito transmissor da dengue, Zika e Chikungunya foi realizada pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, no último fim de semana. Imóveis que ficam fechados durante a semana devido à ausência dos moradores receberam a visita dos profissionais da equipe de zoonoses da regional Nordeste.
 

A ação mobilizou oito profissionais da área de zoonoses, que percorreram cinco quarteirões do bairro União. A medida reduz o número de pendências em relação as vistorias feitas no combate ao vetor e foi planejada por causa do alto índice apresentado pela região no último Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti – LIRAa, realizado em janeiro de 2018.
 

O LIRAa da região atingiu 6%, percentual muito acima do apresentado pelo município de Belo Horizonte, que foi de 2,4%. Associado ao LIRAa alto, a região concentra um grande número de imóveis sem moradores durante a semana, quando são realizadas as vistorias pelos ACEs.
 

De acordo com a coordenadora de Zoonoses da regional Nordeste, Paloma Fonte Boa, a população precisa ficar atenta e criar o hábito de eliminar os possíveis focos do mosquito. “Nessa área ainda encontramos muita dificuldade de acesso às residências durante a semana e fizemos acordo com os envolvidos para evitar essas pendências. Viemos motivados a evitar velhos hábitos como a cultura dos pratinhos de plantas, que podem se tornar depósito dos ovos do mosquito”.

 

Vistorias  

As vistorias nos imóveis representam importante ação de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Durante o trabalho, os agentes identificam, eliminam ou aplicam biolarvicida nos criadouros que não podem ser eliminados. Além disso, eles orientam a população sobre os cuidados que devem ser tomados para se evitar a propagação da doença.
 

Na primeira casa abordada, a equipe de Agentes de Combate a Endemias (ACEs) foi muito bem recebida pela proprietária, a aposentada Alice Alves de Souza. “Esse trabalho em um sábado é muito importante, por que a gente fica fora durante a semana e nem sempre pode receber a Prefeitura. Eu faço minha parte em casa, minhas plantas não têm pratinhos e meus ralos ficam tampados”, afirmou.
 

O aposentado José Geraldo Batista divide o quintal da sua casa com outro morador e conta que cuida da sua parte, mas a área de responsabilidade do vizinho estava com água acumulada em um latão e larvas foram recolhidas para análise. “Essa ação foi perfeita, na hora certa. As pessoas têm que aprender a cuidar de sua casa. Não adianta eu fazer a minha se o outro também não faz”, alertou.
 

Denúncias e pedidos de vistoria para possíveis focos de Aedes aegypti devem ser feitos pelo telefone 156 (Central de Relacionamento Telefônico - BH Resolve) ou através do Sistema de Atendimento ao Cidadão - SACWEB.