Pular para o conteúdo principal

HOmem de calça e sem camisa na rua, ao lado de quadros grandes e coloridos com mulheres e locais de BH.
Foto: Divulgação PBH

Mostra “Rua é Pop” revela trabalho de artistas em situação de rua

26/11/2019 | 19:20 | atualizado em 27/11/2019 | 07:59

Pinturas, desenhos, fotografias e artesanatos produzidos por artistas em situação de rua serão apresentados na quarta-feira, dia 27 de novembro, durante o “Rua é Pop, uma Mostra Artística da Margem ao Centro”. O evento, promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, será realizado das 13h30 às 17h30 no Centro de Referência da Juventude de Belo Horizonte (rua Guaicurus, 50, Praça da Estação).

 

O Rua é Pop terá ainda a participação de grupos de artes cênicas formados por pessoas em situação de rua, além de dançarinos, músicos e poetas das nove regionais de Belo Horizonte, mágicos, atores e contadores de histórias. Coordenada pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), a Mostra vai trazer à sociedade a riqueza artística produzida pela população em situação de rua, que tem como características a sensibilidade, a percepção estética de sua realidade, a criatividade e a capacidade de expressão por meio da arte.

 

A partir do trabalho social desenvolvido pelo Serviço Especializado em Abordagem Social do Creas Centro-Sul, a Rua é Pop pretende promover momentos para a apresentação e valorização dos artistas como uma nova possibilidade de trabalho e renda.

 

Trata-se de um instrumento lúdico de empoderamento e autonomia, que possibilita à pessoa em situação de rua a exibição e expressão de suas artes, mas também de comercialização dos produtos construídos ao longos das oficinas. Ainda dentro da programação, a Prefeitura promove rodas de conversa que visam estimular a reconstrução dos projetos de vida e consequente saída da vida nas ruas.

 

A programação segue no dia 4 de dezembro no Museu da Moda com o 1° desfile DASRU(A) buscando valorizar as identidades coletivas e individuais das mulheres cis, trans e travestis em situação de rua em Belo Horizonte, e promover a discussão com a sociedade das violações sofridas por elas.

 

 

Saída das ruas

Confira os programas desenvolvidos pela Prefeitura de Belo Horizonte para a população em situação de rua:

 

• Programa Estamos Juntos - que oferece cursos de qualificação profissional e vagas em postos de trabalho para população em situação ou com trajetória de vida nas ruas no próprio executivo municipal e também por meio de parcerias com a sociedade civil.


• Serviço especializado em abordagem social - atua nas 9 regionais de Belo Horizonte, nos turnos de manhã, tarde e noite. Conta com técnicos sociais, arte-educadores de nível superior e educadores pares (pessoas com trajetória de vida nas ruas) que trabalham na criação de vínculos, encaminhamento de demandas e suporte para a criação de novos projetos de vida.   

 

• Centro Integrado de Atendimento à Mulher (CIAM), inaugurado na região da Lagoinha, inaugurado em novembro de 2018. O Centro é um equipamento intersetorial e atua no atendimento de mulheres em situação de vulnerabilidade social, com trajetória de vidas nas ruas, em uso prejudicial de álcool e outras drogas e em situação de violência doméstica.  


• Unidades de Acolhimento Institucional - Abrigo, albergue ou república. Atualmente são oferecidas 1.066 vagas de acolhimento institucional, em 10 unidades, para o atendimento de diferentes tipos de público. Em 2017, foram criadas duas novas unidades de acolhimento institucional, que somam 120 vagas masculinas. Em 2018, outras duas repúblicas, uma masculina e uma feminina, que somam 12 vagas, para jovens egressos do acolhimento institucional que não possuem vínculo familiar foram abertas.    

      
• Serviço de Atendimento ao Migrante - Criação da nova sede do serviço de atenção ao migrante, com cerca de 4 mil atendimentos e retorno de mais de 3 mil pessoas ao convívio familiar em outras cidades de Minas Gerais e outros estados. 

 

• Bolsa Moradia - Benefício oferecido a famílias em condições precárias de moradia (em função de risco, calamidade, habitação precária, em ocupação clandestina ou irregular) ou sem casa, habitando rua e viaduto do Município para aluguel.    

 

• Centros Pop Rua - A Prefeitura conta com dois Centros de Referência para a População em situação de Rua, um na Região Leste e um na Região Centro-Sul, com atendimento durante todos os dias da semana. Oferece local para higienização pessoal, para lavagem de roupas e para guarda de pertences. Além disso, também oferece alimentação, telecentros e atendimento socioassistencial.  


•  Programa Família Extensa Guardiã - Apoio a famílias em situação de vulnerabilidade para permanecerem com suas crianças e adolescentes no convívio da família extensa ou ampliada e evitem a ida para as ruas.


•  47 entidades socioassistenciais que acolhem crianças e adolescentes em abrigos municipais.


• Restaurantes populares, que oferecem refeições gratuitas à população em situação de rua. 


• Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e Centros de Referência Especializados em Assistência Social (CREAS) - principal porta de entrada nos demais serviços da Assistência Social.


Últimas Notícias

Guardas fechando vias durante as chuvas. Guarda Municipal atuou em mais de cem ações desde o início das fortes chuvas

O efetivo cedido diariamente para o plano emergencial, colocado em prática pela Prefeitura de Belo Horizonte, é de 300 guardas municipais.

26/01/2020 | 19:38
Prefeito Alexandre Kalil durante visita à Vila Bernadete Prefeito vai à Vila Bernadete, na região do Barreiro, após deslizamento

Após percorrer o terreno, o prefeito fez um apelo à população para estar atenta a trincas em paredes, empoçamentos e rachaduras no solo.

25/01/2020 | 17:14