Pular para o conteúdo principal

Três funcionários, com capacete e macacão, instalam vigas de concreto que formam uma cerca alta no Abrigo Granja de Freitas, durante o dia.
Foto: Patricia Nogueira/PBH

Reforma em abrigos municipais garante segurança durante as chuvas

07/01/2020 | 11:51 | atualizado em 07/01/2020 | 17:40

Em busca de melhores condições de atendimento e segurança para os usuários das unidades de acolhimento institucional de Belo Horizonte, a Prefeitura da capital está investindo cerca de R$ 500 mil na reforma de três abrigos que atendem 550 pessoas: Pompeia, Granja de Freitas e Maria Maria. As ações foram iniciadas no último trimestre de 2019 e são executadas pela Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap).

 

Localizados na região Leste da capital, os abrigos Pompeia e Granja de Freitas receberam manutenções nas partes elétrica e hidráulica e reforma nos telhados. Além dessas intervenções, no abrigo Pompeia foi realizada pintura interna e externa e instalações de forro nos telhados, promovendo conforto térmico, acústico e estético. Está em execução no abrigo Granja de Freitas a troca do alambrado da quadra esportiva e a intervenção nas estruturas do muro e no sistema de drenagem.

 

Os moradores do Granja de Freitas já sentiram a melhoria no equipamento e como isso pode impactar no processo de superação da situação de rua. O montador de móveis Juliano Nascimento, de 47 anos, e a cozinheira Alaen da Silva, de 46 anos, moram há oito meses no abrigo Pompeia. “Com a reforma tudo está mais bonito e limpo. Mas o melhor de tudo foi a troca do telhado, que agora não faz barulho com a chuva nem é muito quente com o sol. Ficamos mais de cinco anos em situação de rua e ao sermos encaminhados para o abrigo, recebemos a oportunidade de recomeçar nossas vidas. Trabalhamos com artesanato utilizando garrafas recicláveis e duas vezes na semana trabalhamos na horta do próprio abrigo”, afirma Juliano.

 

No período chuvoso, o muro e a falta de estrutura no sistema de drenagem do abrigo traziam riscos para os usuários. A reforma já conta com o alteamento do muro e o novo planejamento da rede pluvial. Para a coordenadora do abrigo, Alessandra Kelly Belmonte, as intervenções são ações de segurança necessárias. “Sem um sistema de drenagem adequado, a rede não comportava a coleta das águas pluviais e com isto a água escoava para os cômodos do abrigo. Estamos caminhando para a resolução deste problema”, acrescenta. A segunda etapa a ser licitada contará com mais melhorias, além de adequações de acessibilidade, de acordo com as normas vigentes.

 

Os dois abrigos para famílias foram inaugurados na década de 1990 e apresentavam demanda de reforma e manutenção. Já o abrigo Maria Maria, dedicado ao público feminino, inaugurado em junho de 2000 na região da Floresta, é a terceira unidade em obras. As melhorias previstas na estrutura física têm previsão de conclusão em três meses.

 

 

Resgate de direitos

Os Serviços de Acolhimento Institucional integram o Sistema Único da Assistência Social da Prefeitura de Belo Horizonte. A especificidade desses serviços está na oferta de proteção social integral que garanta condições de estadia, convívio e endereço de referência para acolher pessoas em situação de rua, migração e/ou vindas de áreas de risco geológico.

 

O secretário adjunto e subsecretário de Assistência Social, José Crus, destaca a importância do serviço de acolhimento. “As unidades de acolhimento institucional para pessoas adultas estimulam, fomentam e potencializam o convívio familiar e comunitário e o resgate de autonomia e superação da trajetória de vida nas ruas. A articulação com outras políticas públicas permite a proteção integral e redução das violações de direitos”, acrescenta o secretário adjunto.

 

O abrigo Pompeia possui capacidade para atender 32 famílias em cômodos individualizados. São dois complexos com 16 moradias em cada. O espaço individualizado é dividido entre quarto, banheiro e área com tanque. Cada família tem total independência para preparar suas refeições, pois são ofertados utensílios domésticos, fogão e geladeira. Os espaços contam com cama, colchões e até roupas recebidas de doações. O abrigo possui ainda uma quadra coberta para atividades de convivência, além de uma área para cultivo de hortaliças que ajudam na alimentação dos moradores.

 

Já o abrigo Granja de Freitas acolhe 102 famílias. São 82 vagas destinadas às famílias em risco geológico e 20 vagas para famílias em risco social. O abrigo Maria Maria é um acolhimento com capacidade para 40 mulheres, entre 18 e 59 anos, em situação de vulnerabilidade social e com trajetória de vidas nas ruas. 

 

Além da moradia provisória, os abrigos oferecem acompanhamento socioassistencial e encaminhamento para outras políticas públicas no Município. Os espaços estimulam a reconstrução dos projetos de vida e consequente superação da situação de rua.

 

 

 

07/01/2020. Abrigo Pompéia . Fotos: Patricia Nogueira


Últimas Notícias

Agentes da Defesa Civil em atendimento na Vila Biquinhas Prefeitura atende 474 chamados em razão das chuvas nas últimas 36 horas

Assim como no dia anterior, moradores do Barreiro foram os que mais acionaram a Defesa Civil, totalizando 53 chamados nesta sexta-feira.

24/01/2020 | 19:10
Ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, o procurador-geral de Justiça Antônio Sérgio Tonet e o prefeito Alexandre Kalil Ministra Cármen Lúcia visita gabinete do prefeito no COP

O encontro foi realizado no Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH), para onde o prefeito transferiu seu gabinete.

24/01/2020 | 14:23