Pular para o conteúdo principal

A Estudante Luísa Camargos, de 9 anos, se tornou escritora e está sentada no colo da bibliotecária, na biblioteca de sua escola. Ao fundo, dois colegas de Luísa estão sentados à mesa.
Foto: Kênia Camargos/PBH

Projeto de escola municipal da PBH inspira estudante de 9 anos a escrever livro

17/04/2018 | 17:00 | atualizado em 13/06/2018 | 17:36
Para a estudante Luísa Camargos Raimundo, nove anos, os locais preferidos na escola são a sala de aula e a biblioteca. “A sala de aula é onde a gente aprende coisa nova todo dia. E a biblioteca é porque de lá saiu minha inspiração para escrever meu primeiro livro”, conta. Ela se refere ao livro “As aventuras da sereia Luísa e do pirata traiçoeiro”, escrito e ilustrado por ela, fruto do projeto Conto e Reconto da Escola Municipal Francisca Alves, região da Pampulha.


Desenvolvido para os estudantes do 1º ao 3º ano do 1º ciclo, o projeto Conto e Reconto tem o objetivo de desenvolver o hábito e o gosto pela leitura, a criatividade e a oralidade da criança. Além disso, proporciona a oportunidade de se fazer uma aula integrada com o espaço da biblioteca e com a bibliotecária da escola. O projeto está inserido no Programa Leituras em Conexão da Rede Municipal de Educação e no Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) de Língua Portuguesa do Ministério da Educação e Cultura. 


Lançado em maio de 2017, o programa Leituras em Conexão é uma das principais propostas pedagógicas realizadas pela Secretaria Municipal de Educação. Desenvolvido com o objetivo de difundir e ampliar projetos e ações de leitura e escrita nas escolas municipais e instituições parceiras, o programa busca fortalecer atividades já existentes, além de incentivar a criação de outras práticas ao longo de toda trajetória estudantil, do Ensino Infantil à Educação de Jovens e Adultos (EJA). Para cada etapa da Educação Básica foram definidos eixos de trabalho específicos.



Incentivo à leitura e participação da família


Professora das disciplinas de Língua Portuguesa, Literatura, Matemática e Artes, Ticiana Brandão Salles foi quem coordenou o projeto na turma da Luísa. Ela explica que as crianças escolhem um livro na biblioteca para ser lido em casa. Elas devem fazer o reconto das histórias lidas e preparar uma lembrancinha relacionada com a história para ser entregue aos colegas no dia da apresentação. O reconto é feito para toda a turma, utilizando o microfone e, ao final, cada criança entrega aos colegas a lembrancinha confeccionada por ela e sua família. “Para o sucesso do projeto, é muito importante a colaboração das famílias no sentido de incentivar as crianças a lerem os livros, cuidar bem deles e devolvê-los no dia correto, além de incentivar o reconto da história e ajudar a criança na confecção da lembrancinha para os colegas”, explicou.


O interesse de Luísa pela leitura logo ficou evidente para a professora durante as contações de histórias em sala. Para Ticiana, o projeto teve uma importância fundamental no desenvolvimento escolar da estudante. “Acredito que o projeto Conto e Reconto suscitou o desabrochar da imaginação, da criatividade, desenvolveu a habilidade da produção textual, a concentração, a leitura de diferentes gêneros textuais e o conhecimento de mundo que as histórias nos proporcionam. Além disso, despertou o prazer da leitura, de uma maneira lúdica e alegre!”, disse.


Os resultados do projeto vão além do desenvolvimento das crianças em sala de aula. “Na E.M. Francisca Alves, procuramos trabalhar os valores humanos e as virtudes, concomitantemente às disciplinas pedagógicas. Selecionamos histórias que contemplam o desenvolvimento de valores universais como amor, responsabilidade, ação correta, paz, solidariedade, respeito às diferenças, entre outros. Assim, indireta e propositalmente, todas as crianças e suas famílias são levadas a discutir, refletir e colocar em prática esses valores em suas vidas”, ressaltou a professora.



Orgulho para toda a família

 

Além de Luísa, Kênia Camargos é mãe de Júlia (sete) e de Victor (cinco), que também estudam na EMFAL. Muito participativa nas atividades da escola, ela acompanhou de perto os desafios e avanços que a filha Luísa conquistou. Ela conta que, quando entrou para a EMFAL, Luísa teve dificuldade de adaptação, ficava muito isolada e muitas vezes não queria nem ir à escola, o que causava muita tristeza para a família. 

 

Mesmo gostando de estudar, a pequena não tinha o hábito de leitura. O projeto Conto e Reconto foi um incentivo quanto ao uso da biblioteca, que trabalhou não só a responsabilidade dos alunos e cuidados com os livros, mas também a parte técnica na produção de um livro. Para Kênia, participar do projeto trouxe nova perspectiva para a menina. “O projeto mudou a forma da Luísa enxergar a escola e a si mesma. Depois desta experiência, ela encontrou o seu espaço na escola”, disse. A própria Luísa reconhece as mudanças. “Hoje eu tenho muitos amigos na escola, não só na minha sala, mas em outras também. Na biblioteca, eu fiz amizade com a bibliotecária e converso com ela todo final de aula. ”

 

A mãe conta que a estudante já escreve pequenos livrinhos de maneira artesanal há algum tempo, mas “As aventuras da sereia Luísa e do pirata traiçoeiro” foi o primeiro livro com conteúdo mais sistematizado, pois reflete os conflitos vivenciados pela estudante quando começou a estudar na escola. “Esse trabalho marcou a vida da minha filha”, explicou Kênia. E por esse motivo, se sentiram incentivados a publicar o livro.


A família conseguiu patrocínio da editora para a publicação de 500 exemplares. O pré-lançamento da obra aconteceu na escola no dia 16/12/2017. Para a Luísa, ver o livro pronto foi como realizar um sonho. Ela contou que, ao ser elogiada pelos colegas e professores, ficou muito animada. “Me senti melhor porque foi uma coisa especial que me aconteceu. Fiquei muito feliz porque agora a pessoa que comprar meu livro pode ler a história que eu escrevi com tanto carinho. Quando você é uma criança e tem o sonho alto de ser uma escritora e acha que só quando você crescer que você pode, é como um sonho, só que acordada! ” 


O lançamento oficial do livro está marcado para o dia 22/04, das 14 às 16h, no Teatro Raul Belém Machado, à Rua Leonil Prata, s/nº, no bairro Alípio de Melo. Haverá apresentação da esquete teatral “A pequena escritora” em que é contada a história da criação e produção do livro “As aventuras da sereia Luísa e do pirata Traiçoeiro”. 


Para Kênia Carmargos, o lançamento do livro será um momento marcante para toda a família: “Queremos contar a nossa experiência e mostrar que ainda existem pessoas que fazem a diferença no serviço público. O livro da Luísa mostrou a questão do respeito e o poder de transformação por meio do amor. É uma história sobre perdão”, afirmou, orgulhosa.

 

Entrevista com Luísa Camargos Raimundo, a pequena escritora

- O que você quer ser quando crescer? 
- Eu ainda não me decidi muito bem. Mas por enquanto eu quero ser uma moça que escreve filmes. Eu vou fazer os filmes inspirados nos livros que eu quero escrever. E assim eu vou ter o livro e o filme.



- Qual foi a sua inspiração para fazer esta história? 
- Minha família que sempre me ajudava nos momentos ruins e nos bons.



- O que você queria mostrar com essa história? 
- Eu queria mostrar que amizade não é só assim, você faz alguma coisa que o outro queira. O pirata queria a amizade da sereia, mas ele maltratou a sereia. E mesmo assim a sereia perdoou o pirata. E você não pode ser como o pirata. Você tem que ser como a sereia, que perdoou o pirata. Ele acabou mudando porque percebeu que não precisa de alga mágica para mudar alguém, só precisa que a pessoa veja algo bom em você para ela parar de maltratar o outro. Então esta história é sobre amizade e perdão.

 

 

17/04/2018. Estudante de escola municipal publica livro de história. Fotos: Andréa Moreira/PBH