Pular para o conteúdo principal

Aluno com deficiência visual é monitorado por estudo durante atividade no Superar
Foto: Divulgação/PBH

Programa Superar é destaque em congresso científico no Ceará

05/09/2018 | 16:27 | atualizado em 05/09/2018 | 16:32
O programa Superar será referência no XVII Congresso de Ciências do Desporto e Educação Física dos Países de Língua Portuguesa, a ser realizado em Fortaleza, no Ceará, no período de 25 a 28 de setembro próximo.

Desenvolvido pela Prefeitura de Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Smel), o Superar promove a inclusão social da pessoa com deficiência por meio do esporte. O programa vai ganhar destaque no congresso em Fortaleza por conta de estudos de casos que se tornaram quatro artigos acadêmicos produzidos pela Smel.  

Os autores dos artigos são três servidores municipais que integram a equipe do Superar: Thamyris Rodrigues Costa, Ingrid Ludimila Lôbo e Marcelo de Melo Mendes.Feitos em parceria com a Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), os estudos de casos sobre o Superar resultaram no compartilhamento, em forma de texto, do conhecimento agregado à vivência no programa.

“Teremos uma grande oportunidade de apresentar nossa experiência para grandes autoridades do meio acadêmico”, afirma Marcelo Mendes, gerente de paradesporto da Smel. Um dos artigos é intitulado “Experiência de uma política pública de esportes e lazer para pessoas com deficiência: Programa Superar”.  O texto relata a história do programa e aponta a importância dele no desenvolvimento de políticas públicas em Belo Horizonte, tanto em ações de fomento do paradesporto quanto de formação e capacitação de pessoas para atuação com o público de pessoas com deficiência.

Outro artigo que será apresentado no congresso traz o título “Formação dos alunos da educação infantil na perspectiva da educação física inclusiva”. Esse texto acadêmico relata a parceria entre o Superar e a Unidade Municipal de Educação Infantil (UMEI) Carlos Prates, em que os alunos da UMEI realizam atividades físicas nas unidades do Superar auxiliados pelos professores do programa. 

Um dos resultados expostos nesse texto é o aprendizado dos alunos que não possuem deficiência em como lidar com alunos com condições peculiares – gerando, assim, maior inclusão e compreensão para com todas as crianças com necessidades especiais.

O artigo “Relação entre a satisfação com a imagem corporal e a prática de atividade física” expôs resultados que indicaram que pessoas fisicamente ativas apresentaram uma aproximação entre a percepção da imagem corporal e suas dimensões corporais reais. 
 
Já o texto “Comportamento motor de sujeitos com cegueira: estudo de caso” teve como objetivo descrever o desempenho de uma tarefa manual por sujeitos com cegueira, estudando movimentos específicos de dois homens com cegueira congênita, um cego há 15 anos e outro há 30. 

Todos os artigos foram produzidos a partir de pesquisas e análises sobre os alunos do Superar, que assinaram uma autorização para a realização dos estudos, utilizando aparelhos do próprio Programa. “Os artigos que serão apresentados no congresso serão de extrema valia para aumentar a divulgação do programa em outras cidades, a fim de ampliar ações que possam ajudar o maior número de crianças possíveis”, afirma Ingrid.

O congresso em Fortaleza é uma realização do curso de educação física da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e do Conselho Regional de Educação Física do Ceará. Terá como tema “Cuidar da Casa Comum: da Natureza, da Vida, da Humanidade. Oportunidades e responsabilidades do desporto e da educação física.”
 

O programa

O Superar atende a alunos com deficiência física, visual, intelectual, auditiva, múltipla e com autismo. Atualmente, são 936 alunos atendidos. A meta de chegar a 850 atletas até o fim do ano, portanto, já foi superada. 

O programa conta com dois centros de referência (CREPPD e Escola Municipal de Ensino Especial Frei Leopoldo) e sete núcleos regionalizados - Colégio Marconi, Clube Palmeiras e escolas estaduais de ensino especial Amaro Neves, Sandra Risoleta e João Moreira Salles, além da Associação de Deficientes Visuais de Belo Horizonte e da Associação de Surdos.

Ao todo, 16 modalidades são oferecidas: atletismo, basquetebol, bocha regular, bocha paralímpica, dança, futsal, goalball, judô, natação, patinação, rúgbi em cadeira de rodas, tênis de mesa, voleibol sentado, parataekwondo, funcional e percussão.  

Um dos requisitos para ingressar no Superar é ter idade superior a seis anos, além de apresentação de laudo de deficiência e a existência de vagas. Os contatos para se ingressar no programa são pelo e-mail superar@pbh.gov.br e pelos fones 3277- 4546 e 7681.