Pular para o conteúdo principal

Duas alunas do Programa Pão Escola posam ao lado de professor. Foto ilustrativa.
Foto: Adão de Souza/PBH

Programa de qualificação da PBH certifica mais de 300 alunos

16/11/2017 | 18:24 | atualizado em 17/11/2017 | 16:06

Cerca de 350 alunos do Programa Pão Escola (PPE) recebem nesta sexta-feira, dia 17 de novembro, os certificados de conclusão dos cursos que ocorreram durante o ano de 2017. A solenidade, que terá a presença de familiares e amigos dos formandos, será realizada no Mercado da Lagoinha (rua Formiga, 140, Lagoinha), a partir das 18h. 

O Pão Escola é um programa da Prefeitura de Belo Horizonte, mantido pela Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação. Por meio dele, jovens e adultos matriculados na Rede Municipal de Educação podem se qualificar em cursos técnicos ligados às áreas de panificação e cozinha. 

Neste ano, foram ofertados oito cursos diferentes: Auxiliar de Panificação Industrial; Auxiliar de Confeitaria Industrial; Auxiliar de Cozinha; Salgadeiro; Pizzaiolo; Doces para Festa; Bolos Decorados; e Confeitaria Caseira e Quitandas. Segundo o coordenador do Programa Pão Escola, Elair Sanches Dias, o PPE formou 33 turmas de março a outubro deste ano, e outras seis turmas irão finalizar os estudos até o mês de dezembro. Ainda segundo o coordenador, mais de 800 certificados deverão ser entregues, nesta sexta-feira, pois muitos alunos optam por fazer mais de uma modalidade. 



Mais de 11 mil alunos

O Pão Escola já formou mais de 11 mil alunos. O objetivo do programa é dar oportunidade aos estudantes do ensino fundamental e da Educação de Jovens e Adultos (EJA), em paralelo aos estudos regulares, de complementação do seu ensino, a partir do aprendizado de um curso técnico. Os cursos acontecem nos períodos da manhã e tarde e têm duração variável de 20 a 60 horas. 

Segundo Elair Sanches, grande parte dos alunos que se formam no Pão Escola já ingressa direto no mercado de trabalho que está sempre à espera de mão de obra qualificada. “Hoje temos alunos que se formaram aqui e estão em empresas grandes. Mas muitos também saem para o empreendedorismo, o que também é muito positivo”, avalia.