Pular para o conteúdo principal

Nascente do córrego na Vila Acaba Mundo.
Foto: Leo Faria/PBH

Prefeitura preserva nascente da Vila Acaba Mundo

06/11/2017 | 14:53 | atualizado em 20/11/2017 | 10:40

Das mil nascentes cadastradas em um estudo feito pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, 102 se encontram na região Centro-Sul do município. Uma delas está na Vila Acaba Mundo, situada entre os bairros Sion, Mangabeiras, Anchieta e Belvedere.


Com uma população superior a duas mil pessoas, a Vila Acaba Mundo, com área de 33,3 mil metros quadrados, é uma das comunidades mais antigas da cidade, surgida por volta dos anos 1940 com as atividades de uma mineradora. 


Graças a um conjunto de ações da PBH e de parceiros, a nascente, que faz parte da sub-bacia do rio Arrudas, é preservada pela comunidade. A conscientização dos moradores sobre a importância da preservação do meio ambiente é feita pela Equipe de Saúde da Família, do Centro de Saúde Nossa Senhora de Fátima. O time é composto por um médico generalista, um enfermeiro, dois auxiliares de enfermagem e quatro agentes comunitários de saúde.


Há cinco anos, a equipe possui um espaço físico para atendimento médico e atividades em grupos – chamados de grupos operativos. Fazer melhorias e qualificar os espaços para que a população possa desfrutar, aproximar-se e cuidar desta nascente são uma constante no trabalho da equipe.


“É necessário fazer uma reflexão sobre o que tem a ver saúde e meio ambiente. Às vezes o homem não consegue demonstrar com o meio ambiente a capacidade evolutiva que ele vem adquirindo. Este é o ponto principal da nossa reflexão: estamos em total ligação. Todos com todos e com o meio ambiente”, afirma João Márcio de Faria, médico da Equipe da Saúde da Família que atua no local.


As ações de conscientização feitas pela equipe são bem assimiladas pelos moradores, que nutrem pela nascente um sentimento de carinho e proteção que é como um valor passado de geração a geração. “Eles viveram a vida inteira aqui tomando dessa água. Esta nascente vem sendo preservada há muito tempo. Quem usa, cuida”, afirma Laerte Gonçalves Pereira, de 50 anos, eletricista, morador e presidente da Associação dos Moradores da Vila Acaba Mundo. 


 
Espaço de Convivência

Em um pequeno espaço próximo à mina foi promovido, no dia 11 de outubro passado, o encontro intersetorial e multidisciplinar “Viva nossa Água Viva”, com o apoio da Associação de Moradores da Vila Acaba Mundo e do programa Saúde da Família do Centro de Saúde Nossa Senhora de Fátima, entre outros parceiros. 


Foram realizadas discussões e rodas de conversa com a participação de moradores, acerca de temas sobre o meio ambiente e o aquecimento global – além da pintura de dois painéis alusivos ao local feitos pela artista plástica Ana Gobel, com a participação de crianças da comunidade. 


O pequeno local é chamado de “Espaço de Convivência”. Além dos painéis pintados no dia do encontro, há livros em uma prateleira para empréstimos e doações, bem como um cantinho de leitura e pesquisa. Mas o que torna o local especial é a quietude, o som da água e dos pássaros e o verde que, por alguns instantes, fazem esquecer o agito da capital. Neste ambiente, moradores se reúnem para conversar e refrescar-se à beira d’água.


Mais uma demonstração de laços com o local é o projeto “Arte Cultura Beco a Beco”. Criado há três meses, é uma intervenção artística contínua com tema ambiental que mobiliza moradores, inclusive crianças que dão cor à comunidade, pintando vários locais para embelezar e tornar a Acaba Mundo cada vez mais uma vila bonita e alegre. 

 

 

06/11/2017. Moradores da Vila Acaba Mundo preservam nascente em Belo Horizonte. Fotos: Divulgação/PBH