Pular para o conteúdo principal

Vista aérea da Praça da Liberdade, com destaque para árvores, palmeiras e passeios e a rua central na qual se pode ver, ao fundo, o Palácio da Liberdade. Ao redor, prédios de mais diferentes estilos no entorno da praça.
Foto: Renato Cobucci

Praça da Liberdade, onde arquitetura e cultura se encontram

16/05/2017 | 13:41 | atualizado em 01/06/2017 | 10:29

Espaço para atividades físicas e apresentações artísticas dos mais diversos estilos, a Praça da Liberdade é ponto de convergência de vários equipamentos culturais públicos e privados. Lembrada pelos passeios familiares aos domingos e durante período natalino, o lugar permite a contemplação e o contato com o verde em meio à vida agitada de Belo Horizonte.

 

Tão impressionantes quanto o os jardins são as edificações que contornam o local: estilos barroco, clássico, medieval, moderno e pós-moderno convivem em harmonia com elementos neoclássicos. O conjunto arquitetônico e paisagístico da Praça da Liberdade, que inclui toda a Praça e as fachadas das edificações do seu entorno, foi tombado em 1977 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG).

 

Feita em uma cidade que homenageia a liberdade da República conquistada com o fim da Monarquia, a Praça é, atualmente, um espaço aberto para todas as idades e estilos.

 

O propósito

A Praça foi construída na época da fundação da nova capital mineira, entre 1895 e 1897. Planejado para abrigar a sede do poder mineiro e suas secretarias, o local recebeu, ao longo dos anos, construções de diferentes inspirações. Entre 1950 e 1960, o Edifício Niemeyer e a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, ambos projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer, foram incorporados. Em 1980, foi inaugurado o prédio conhecido como Rainha da Sucata, onde atualmente funciona o Museu das Minas e do Metal, em estilo pós-moderno.

 

Com a construção da Cidade Administrativa, em 2010, no norte de Belo Horizonte, a Praça da Liberdade ganhou em seu entorno um Circuito Cultural, formado por espaços culturais que integram arte, cultura popular, conhecimento e entretenimento. O circuito é composto por 14 instituições, dentre museus, centros de cultura e de formação, que mapeiam diferentes aspectos do universo cultural e artístico e é gerido Iepha/MG desde 2015.

 

A rotina

Carros passam ao fundo, pessoas conversam ou leem nos bancos ou na grama, e a impressão é de se estar em uma bolha de calmaria. Dois carrinhos de pipoca são um convite aos passantes. Postes verdes com lanternas brancas convivem com belo-horizontinos despojados, vestindo seus shorts, bonés e turbantes. Atletas amadores usam a calçada da Praça como Pista de corrida e caminhada logo cedinho ou ao fim da tarde.

 

No coreto, onde já discursaram os ex-presidentes JK e Jânio Quadros, adolescentes descansam sentados, enquanto observam ao redor, flertam entre si ou conferem seus celulares. Aos fins de semana, partem do charmoso coreto notas musicais de instrumentos e vozes.

 

O espaço

Situada no encontro das avenidas Cristóvão Colombo, João Pinheiro, Brasil e Bias Fortes, a Praça da Liberdade é retangular e tem seu traçado e jardins inspirados no Palácio de Versalhes, em Paris. Uma rua central, direcionada ao Palácio do Governador, contornada por uma fileira de altíssimas palmeiras imperiais, divide o local no sentido do comprimento.

 

A Praça abriga um coreto, construído pelo empresário espanhol Aquelino Edreira Seara em 1923. Há também uma fonte, datada da década de 1940 e em estilo art déco, com revestimento em pó de pedra do Palácio Cristo Rei. Nos dias em que não é acionada, a água descansa num tranquilo lago em forma de cruz. Quando ligada, jatos de água oferecem um espetáculo único.

 

Entre as belas palmeiras imperiais, tendo ao fundo o Palácio da Liberdade, já circularam muitos carros. Prova disso é a existência do primeiro semáforo da capital, ainda em funcionamento, situado entre a Praça e a avenida João Pinheiro. Instalado em julho de 1929, época em que era chamado de pisca-pisca, o semáforo verde e preto tem quatro lados, mas suas luzes funcionam em apenas duas direções, dividindo a tarefa de sinalizar o trânsito com sinaleiros mais altos e modernos.

 

Fontes:

http://circuitoculturalliberdade.com.br/plus/

http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/noticia.do?evento=portlet&pAc=not&idConteudo=90460&pIdPlc=&app=salanoticias

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pra%C3%A7a_da_Liberdade_(Belo_Horizonte)