Pular para o conteúdo principal

 Prefeitura realiza blitz educativa para marcar Campanha de Combate ao Trabalho Infantil
Foto: Divulgação/PBH

PBH realiza blitz educativa para marcar Campanha de Combate ao Trabalho Infantil

criado em 21/06/2021 - atualizado em 21/06/2021 | 15:49

O trânsito agitado da avenida Presidente Carlos Luz deu lugar à arte circense e chamou a atenção de quem passava pelo bairro Caiçara, na tarde da última quinta-feira, 17 de junho. A intervenção artística, acompanhada de conscientização, marcou o mês de enfrentamento do trabalho infantil na Regional Noroeste de Belo Horizonte. A ação foi realizada pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania. 

 

Com o objetivo de fomentar reflexões sobre o combate ao trabalho infantil, arte-educadores vestidos de “palhaços tristes” carregavam guarda-chuvas coloridos com fotos retratando, de um lado, crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil e, do outro, estudando e brincando. Motoristas e pedestres foram envolvidos na ação, em uma blitz no semáforo, lugar onde frequentemente cenas de trabalho infantil são vistas nas cidades. 

 

A atividade foi proposta pela equipe de referência do Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS), em especial pelos arte-educadores, com o apoio dos técnicos e educadores pares, que integram o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) da Regional Noroeste. Janaina Bastos é arte-educadora e atuou na ação. Ela explica como a performance foi preparada. 

 

“Nossa performance é planejada para sensibilizar e provocar as pessoas para que fiquem atentas a qualquer sinal de violação de direitos contra as crianças e adolescentes. Os guarda-chuvas tem a ideia de proteção. Já a figura dos palhaços tristes carregando as fotografias tem o objetivo de  impactar e mobilizar  a população”, explica. 

 

A intervenção também integra as ações sistemáticas de sensibilização, mobilização e conscientização do SUAS/BH no enfrentamento às formas de violência e violação de direitos contra crianças e adolescentes. José Crus, secretário Adjunto e subsecretário de Assistência Social, destaca  a importância das iniciativas voltadas à proteção integral de crianças e adolescentes. 

 

“A integralidade de proteção social depende de políticas públicas e sociais, ações articuladas e cooperadas para o enfrentamento deste fenômeno presente nas cidades. Lugar de crianças e adolescentes é na escola, na família, nas estratégias de convivência que geram mais proteção social integral”, afirmou. 

 

Até o fim do mês, outras atividades serão realizadas em todas as regionais da cidade. Para acompanhar a programação, acesse este link