Pular para o conteúdo principal

Foto aérea de Belo Horizonte
Foto: Divulgação PBH

PBH intensifica combate à fraude previdenciária e economiza R$25,5 milhões

31/07/2020 | 17:43 | atualizado em 31/07/2020 | 18:49

Para coibir e identificar fraudes no pagamento de benefícios previdenciários, a Prefeitura de Belo Horizonte ampliou e intensificou nos últimos anos mecanismos de controle. Por meio desse trabalho, foram cancelados 684 pagamentos irregulares de aposentadorias e pensões de 2017 até julho de 2020, gerando uma economia de R$ 25,5 milhões para os cofres municipais nesse período.


A maior parte desse resultado se deve ao cruzamento da base de dados do Município com diversos sistemas de outros entes, que identificaram 634 pagamentos irregulares e economizaram quase R$ 23,5 milhões. Por meio dessa iniciativa, a Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, visualiza rapidamente situações em que o beneficiário já está falecido, mas a família não comunicou o óbito para suspensão do pagamento, por exemplo.


A Prefeitura também tem atuado para identificar acúmulos ilícitos (recebimento de mais de uma aposentadoria em desconformidade com a lei) por meio do compartilhamento de dados com o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) e com o Cadastro de Agentes Públicos do Estado e dos Municípios de Minas Gerais do Tribunal de Contas de MG (CAPMG-TCE).


Com essas rotinas, o Município conseguiu suspender, até o momento, os benefícios de 30 pessoas e economizar cerca de R$1,5 milhão.


Prova de vida


Iniciada em agosto de 2017, a prova de vida é mais uma rotina implementada pela administração para coibir fraudes. Os aposentados e pensionistas que recebem seus salários pela Prefeitura de Belo Horizonte devem comparecer, anualmente, no mês de aniversário, em uma das agências do banco Bradesco para confirmar sua situação de beneficiário.
 

Por meio desse procedimento, foram identificados 20 casos em que não houve, por parte da família, o comunicado de óbito e o pagamento continuava a ser depositado. Apenas com a suspensão desses pagamentos, a Prefeitura deixa de gastar, anualmente, R$ 558 mil.


Para evitar pagamentos indevidos a aposentados e pensionistas falecidos, a Subsecretaria de Gestão Previdenciária orienta os familiares a comunicarem imediatamente a morte do beneficiário encaminhando cópia da certidão de óbito para previdenciacomunica@pbh.gov.br, uma vez que as atividades presenciais na Prefeitura e o procedimento da Prova de Vida estão temporariamente suspensos em razão da pandemia.


A retomada do processo ocorrerá futuramente, mediante comunicado prévio da Secretaria Municipal de Planejamento.

 

 Recuperação de crédito e outras ações


A administração municipal ainda realiza o trabalho de recuperação de crédito junto aos bancos, referente a pagamentos de aposentadorias já realizados, mesmo após a morte do beneficiário. Entre 2019 e 2020, a Prefeitura conseguiu recuperar R$ 390 mil de estornos de créditos em razão do falecimento de 188 beneficiários.


Além de todas essas medidas, a Prefeitura tem intensificado ações complementares para detectar recebimentos indevidos, entre elas, visitas domiciliares aos beneficiários quando surge alguma suspeita. A administração também realiza, a cada dois anos, um trabalho de reavaliação pericial de todos os aposentados e pensionistas inválidos.


Últimas Notícias

Imagens da região da Comunidade Dandara durantes a urbanização PBH leva urbanização e melhorias na qualidade de vida à Comunidade Dandara

A Comunidade Dandara possui hoje cerca de 1,35 mil famílias morando nas mais de 20 ruas transversais.

12/08/2020 | 16:43
Imagens aérea do centro de Belo Horizonte PBH cria Comitê de Acompanhamento da Implementação da Lei Aldir Blanc

O comitê é composto por 23 integrantes, sendo 11 do executivo municipal e 11 da sociedade civil, além de um representante técnico da UFMG.

12/08/2020 | 16:43