Pular para o conteúdo principal

PBH e municípios da RMBH promovem produção de alimentos saudáveis

31/10/2018 | 11:55 | atualizado em 03/12/2018 | 12:55
O prefeito Alexandre Kalil e o secretário-executivo do ICLEI para a América do Sul, Rodrigo Perpétuo, receberam nesta terça-feira, dia 30, prefeitos e representantes de municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) para discutir ações voltadas à promoção da produção e comercialização de alimentos sustentáveis na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).  O encontro foi realizado na sede da Prefeitura da capital mineira. 
 

Durante a reunião, a Prefeitura de Belo Horizonte assinou protocolo de intenções que estabelece a Cooperação Institucional para o Fortalecimento da Agroecologia da RMBH. “Não posso discutir hortas comunitárias e agroecologia da Grande BH porque não sou especialista, mas posso colocar meu olhar humano e entregar tudo isso pra quem conhece. Precisamos ter um olhar muito atento para essa população que precisa tanto de gestos tão simples e que, pelo que estou assistindo hoje, todos nós damos muito importância”, ressaltou o prefeito de Belo Horizonte. 

 

O encontro teve como objetivo definir ações integradas, a serem desenvolvidas pela capital mineira e pelos demais municípios da RMBH, com apoio de órgãos  estaduais  e federais, para a construção de um Plano de Ação Comum voltado ao fortalecimento da implantação de experiências de produção agroecológica na Região Metropolitana.

 

“A compra da agricultura familiar e dos produtos agroecológicos tem um sentido muito importante. Além de trazer alimentos saudáveis para a alimentação das crianças da rede municipal e para os idosos que fazem parte dos nossos serviços de acolhimento institucional, tem o importante papel de gerar renda para os pequenos agricultores da região metropolitana”, definiu a secretária municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, Maíra Colares.

 

A importância da iniciativa para incentivar a inclusão socioprodutiva foi assinalada pelo secretário-executivo do ICLEI para a América do Sul, Rodrigo Perpétuo. “Essa política, que é uma pauta internacional, tem o componente fundamental de inclusão social e produtiva porque permite de fato uma autonomia e um acesso ao mercado por parte desses que são pequenos produtores, produtores familiares e que atuam em forma de cooperativa, e devolve à população o direito de acessar o alimento saudável e produzido a partir de sua característica regional, da identidade cultural”, definiu.


Maior conscientização

De acordo com a subsecretária de Segurança Alimentar e Nutricional, Darklane Rodrigues, a ideia é estimular os municípios da RMBH para que a apoiem produção e a comercialização de alimentos agroecológicos. Belo Horizonte é o município com o maior mercado consumidor de alimentos e, portanto, com um grande potencial de consumo de produtos orgânicos e agroecológicos, salientou, e não dispõe de área rural. 

 

“A cada dia aumenta a conscientização sobre a importância de uma alimentação saudável. É essencial esse estímulo à produção por meio do fomento à agricultura urbana, mas principalmente pela aquisição de alimentos da agricultura familiar de outros municípios, em especial as cidades do entorno”, destacou a subsecretária. 

 
Feira de Orgânicos

A agricultura familiar tem papel importante para a produção, para o desenvolvimento econômico  dos municípios, para promoção  da saúde e para a gastronomia como estratégia de turismo.

 

Em Belo Horizonte, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional, a Prefeitura mantém 12 pontos de venda de produtos orgânicos, que comercializaram cerca de 63 mil kg apenas de janeiro a agosto deste ano. De acordo com a secretária, a expectativa é que nos próximos meses seja aberto um chamamento público elevando para 30 o número de pontos de venda espalhados na cidade.