Pular para o conteúdo principal

Universitário em piscina com raia olímpica, acompanhado por rapaz fora da piscina, durante o dia.
Foto: Vilma Tomaz/PBH

Parceria da PBH com a UFMG aprimora programa Superar

30/08/2019 | 20:22 | atualizado em 30/08/2019 | 20:23

Prática gratuita de treinamento funcional e natação com técnicas especializadas para pessoas com deficiência. Desde o inicio de agosto, 20 estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) usufruem desses benefícios no Centro Esportivo Universitário (avenida Coronel Oscar Paschoal, s/nº, bairro São Luís, região da Pampulha). Esse cenário é proporcionado pelo Superar, programa desenvolvido pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, e que promove a inclusão social de pessoas com deficiência por meio de atividades físicas e culturais.

 

A nova ação do Superar, exclusiva para universitários com deficiência, foi implantada pela Prefeitura de Belo Horizonte em parceria com a UFMG, por meio do Departamento de Esportes da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. As atividades são realizadas pelos alunos de educação física da UFMG, sob a supervisão da equipe técnica do Superar.

 

As aulas individuais ou em grupo de ginástica e natação têm duração de 40 minutos e são realizadas as terças e quintas-feiras, das 8h às 19h, nas dependências do Centro Esportivo Universitário. Uma nova etapa de inscrições deverá ser aberta até o próximo semestre para estudantes matriculados na UFMG.

 

 

Importância

O novo núcleo do Superar amplia o intercâmbio de conhecimento entre a Prefeitura e a UFMG, além de possibilitar aos alunos de educação física o aprimoramento da formação acadêmica na área de inclusão social e a oferta de atividades físicas com benefícios à saúde e qualidade de vida.

 

Para a equipe técnica do programa municipal, o novo núcleo é uma experiência pioneira. “Nossa atuação junto a este novo perfil de usuários nos instiga a ampliar nossos conhecimentos e nossa forma de trabalhar com novas síndromes”, afirma Ingrid Lobo, que integra a equipe de coordenação do programa.

 

Um dos matriculados no núcleo é Valber Taveira, de 33 anos, aluno do 7º período do curso de matemática. “Achei muito bom a implantação do núcleo, que me propicia fazer as aulas com especialistas, assim tenho certeza de que a prática desse esporte terá mais eficácia na promoção da melhoria da força muscular e função motora”, considerou.

 

Outra usuária do núcleo é Yaçane Lima, mestranda em engenharia mecânica. Desde nascença, ela possui síndrome de Charcot Marie Tooth, que enfraquece os músculos. “Se não fosse pelo Superar, não poderia praticar natação, um dos melhores esportes para ganhar força muscular, uma vez que não poderia disponibilizar cerca de R$ 700, que é o preço praticado nas academias particulares para aulas de natação especializada”, salientou a aluna.

 

Além da gratuidade das aulas, ela aponta outra importância do programa. “As aulas são realizadas por equipe especializada, o que me dá segurança, pois, recentemente, tive problemas de saúde por ter frequentado aulas de atividade física com professores sem capacitação no atendimento às pessoas com deficiência”, disse.

 

 

O programa

Com 16 modalidades esportivas e ocupacionais, o Superar atende 900 alunos com deficiência física, visual, intelectual, auditiva, múltipla e com autismo. As modalidades oferecidas são atletismo, basquetebol, bocha regular, bocha paralímpica, dança, futsal, goalball, judô, natação, patinação, rúgbi em cadeira de rodas, tênis de mesa, voleibol sentado, parataekwondo, funcional e percussão.

 

O programa conta com dois centros de referência (Centro de Referência para a Pessoa com Deficiência e a Escola Municipal de Ensino Especial Frei Leopoldo) e sete núcleos regionalizados - Colégio Marconi, Clube Palmeiras e escolas estaduais de ensino especial Amaro Neves e João Moreira Salles, além da Associação de Deficientes Visuais de Belo Horizonte, da Associação de Surdos e da UFMG (em implantação).

 

Os requisitos para participar do Superar são idade superior a seis anos e apresentação de laudo de deficiência. O ingresso é condicionado à disponibilidade de vagas. Mais informações pelo e-mail superar@pbh.gov.br e pelos telefones 3277-4546 e 3277-7681.

 

 

30/08/2019. Fotos: Superar UFMG. Foto: Vilma Tomaz/PBH