Pular para o conteúdo principal

Novo sistema de radiocomunicação digital da PBH integrará Guarda Municipal
Foto: Divulgação/PBH

Novo sistema de radiocomunicação digital integrará Guarda Municipal

criado em 17/05/2022 - atualizado em 17/05/2022 | 16:35

A Prefeitura de Belo Horizonte adotará um sistema de radiocomunicação digital que permitirá a integração das redes de diferentes instituições, como a Guarda Municipal, a Subsecretaria de Fiscalização (SUFIS) e o SAMU, além de permitir a comunicação também com a BHTrans, que já possui sistema semelhante. Um contrato para a prestação do serviço de locação do novo sistema foi assinado e prevê tanto o fornecimento dos equipamentos, quanto os serviços de instalação e programação dos mesmos. Inclui ainda a manutenção, o licenciamento junto à Anatel e o treinamento dos operadores. A previsão é de que o novo sistema já esteja em funcionamento a partir de julho. 

De acordo com o gerente de Voz e Imagem do Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH), Marcelo Martins, atualmente os equipamentos utilizados pela Guarda Municipal são analógicos, sendo a segurança das transmissões de mensagens a principal vantagem da troca para o sistema de radiocomunicação digital. “Os novos equipamentos terão criptografia, não permitindo que a mensagem seja captada por terceiros que não pertençam à PBH ou que não façam parte do grupo, como parceiros. Cada instituição terá a sua frequência própria, no dia a dia. Mas, em situações especiais, será possível aos agentes da Guarda Municipal, SAMU, SUFIS e BHTrans integrar os canais de transmissão, seja em grandes eventos ou diante de fenômenos climáticos extremos, como os períodos de chuvas intensas, por exemplo”, explica. 

O novo sistema proporcionará também uma ampla cobertura de radiocomunicação digital em todos os pontos da cidade e na Região Metropolitana para o SAMU, com clareza nas comunicações. O contrato assinado tem validade de 36 meses, representando um investimento de R$ 12,3 milhões por parte da Prefeitura. Em contrapartida, as instituições municipais não precisarão arcar com investimentos em infraestrutura física de comunicação, tais como torres, antenas ou repetidores, nem em equipamentos de rádio ou baterias. Toda essa logística, assim como o gerenciamento da rede, será de responsabilidade exclusiva da empresa contratada. E todos os equipamentos terão GPS integrado, permitindo fazer uma melhor gestão de viaturas e dos agentes em campo.