Pular para o conteúdo principal

Fotos, vestimentas e imagens da exposição NDÊ! Trajetórias Afro-brasileiras em Belo Horizonte.
Foto: Ricardo Laf/PBH

No mês de aniversário, Belo Horizonte ganha seis novas exposições

05/12/2018 | 15:38 | atualizado em 07/12/2018 | 09:41

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, inaugura durante o mês de dezembro uma série de exposições artísticas e culturais na capital mineira. As mostras celebram os 121 anos de Belo Horizonte retratando temas singulares da história da cidade.

 

O público poderá conhecer as influências dos povos africanos na construção da cidade e a história de três quilombos urbanos, revisitar as belezas dos jardins de Burle Marx, rememorar a atuação da TV Itacolomi, a primeira emissora de TV do Estado, admirar um trabalho singular de arte contemporânea desenvolvido pelo artista Paulo Nazareth, além de conhecer como se construiu e desenvolveu o Teatro Marília, um dos mais importantes da capital. A programação especial acontece no Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB), no Museu da Imagem e do Som (MIS-BH), no Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado, na Casa do Baile, no Museu de Arte da Pampulha (MAP) e no Teatro Marília. Todas as exposições têm entrada gratuita e indicação classificativa livre.

 

“O conjunto de exposições que estamos inaugurando é fruto de um trabalho contínuo realizado ao longo do ano, sempre com a perspectiva de promover o acesso e de reconhecer e valorizar as manifestações artísticas e culturais. As temáticas são importantes para a cidade e instigam o visitante a frequentar cada vez mais os museus e os equipamentos culturais de Belo Horizonte. Aliás, convido a todos e a todas a realizar um circuito, passeando pelas seis exposições que estamos inaugurando”, comenta o secretário municipal de cultura, Juca Ferreira.

 

 

NDÉ! TRAJETÓRIAS AFRO-BRASILEIRAS EM BELO HORIZONTE

Local: Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB)

Avenida Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim – 3277-8573

Abertura: já aberta ao público

Visitação: de terça a domingo, das 10h às 17h; quartas e quintas, das 10h às 18h30

 

Tendo estreado na última semana, a exposição “NDÉ! Trajetórias Afro-brasileiras em Belo Horizonte” retrata a multiplicidade e a diversidade de contribuições africanas e afro-brasileiras para a construção da história de Belo Horizonte. A mostra marca um importante momento de diálogo e de valorização da cultura negra, além do reconhecimento pela contribuição cultural na formação da sociedade belo-horizontina. O conjunto apresentado constitui-se de imagens e vozes de mulheres e homens de origem africana, captados em situações diversas: de trabalho, lutas políticas, insurgências, religiosidades, vida familiar, tudo isso em diferentes temporalidades. Os objetos textuais, iconográficos e audiovisuais, de uso familiar ou público, convidam a perceber a presença forte e fundamental da população negra neste território, produzindo-o e sendo dele, no entanto, alijada.

 

O projeto da exposição deriva da aparente contradição entre a preponderância da população afrodescendente no local e de sua invisibilidade nas narrativas historiográficas e na construção de memórias. As trajetórias e experiências afro-brasileiras aqui suscitadas tecem a trama desta exposição, que evidencia Belo Horizonte alicerçada em um território negro. Evocadas por meio dos acervos compartilhados com diversos parceiros negros da cidade, essas trajetórias dialogam e complementam outras vozes trazidas à luz a partir da acolhida do MHAB à proposta de revisitar seus acervos.

 

 

FACA CEGA

Local: Museu de Arte da Pampulha (MAP)

Av. Otacílio Negrão de Lima, 16.585, Pampulha – 3277-7996

Abertura: dia 8 de dezembro, sábado, às 16h

Visitação: até 31 de março de 2019, terça a domingo, das 9h às 18h

 

No Museu de Arte da Pampulha (MAP) será inaugurada no próximo sábado, dia 8 de dezembro, a exposição “Faca Cega”, do artista brasileiro Paulo Nazareth. Serão expostas obras site-specific e outros trabalhos do artista que dialogam com o território da Região Metropolitana de Belo Horizonte e com a história do Museu. Trata-se de uma exposição inédita, constituída com obras provocativas, criadas ou reunidas especialmente para o contexto do MAP.

 

A exposição Faca Cega ocupará diversos espaços do Museu de Arte da Pampulha: seus jardins, o próprio espaço expositivo e a biblioteca. São mais de 40 obras em vários formatos, como desenhos, vídeos, coleções de objetos encontrados, fotografias e instalações. Em sua produção artística, Paulo Nazareth nos faz refletir sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo, sobretudo quando à aproximação do público com a arte, a dessacralização do espaço museal e dos objetos de arte.

 

Da programação constam diversas ações artísticas, a apresentação de obras inéditas realizadas ao longo do período expositivo, tais como performances, situações e experiências em que o público é convidado a fruir e a interagir. Do programa educativo também constam atividades de mediação relacionadas à exposição. Um dos exemplos de intervenção no espaço externo do MAP é “Brasília - Jogos de Azar”. Paulo adapta, no jardim projetado por Burle Marx, um modelo amarelo ouro de um automóvel que foi um dos carros-chefes do “milagre econômico”, duas máquinas de jogos eletrônicos e uma de música que podem ser usadas pelos visitantes. Importante viés da obra do artista são as imbricações entre o animal e seu uso econômico. O que poderá ser vivenciado na obra “Escuta”, uma instalação que entrelaça nas colunas de inox do prédio um emaranhado de fios com dezenas de orelhas de porcos defumadas penduradas, e também no vídeo “Capando Porcos”, que poderá ser visto pelo público no auditório.

 

Paulo Nazareth é natural de Governador Valadares e possui uma sólida carreira nacional e internacional. Sua biografia se entrelaça com revisionismos históricos, identitários e culturais. Em 2005, o artista integrou o Programa Bolsa Pampulha, projeto de formação e residência do próprio MAP destinado a jovens artistas. Desde então, o museu tornou-se uma referência em suas percepções. O retorno de Nazareth ao Museu ,doze anos depois dessa primeira experiência, ganha, portanto, um sentido especial na sua trajetória, perfazendo um ciclo.

 

 

TV ITACOLOMI – A PIONEIRA DE MINAS

Local: Museu da Imagem e do Som (MIS-BH)

Av. Álvares Cabral, 560, Centro – 3277-4131

Abertura: dia 11 de dezembro, terça-feira, às 19h

Visitação: até dezembro de 2019, de segunda a sexta, das 9h às 18h; terças, das 9h às 21h

 

No MIS-BH apresenta a exposição “TV Itacolomi – A Pioneira de Minas”. A mostra viaja pela rica trajetória da primeira emissora de televisão do Estado, reunindo fotografias, depoimentos, objetos e registros audiovisuais. Será retratado o contexto histórico, artístico e da comunicação da TV, explorando, em cada ambiente do casarão, uma linha de produção de modo interativo, contemplativo e informativo.

 

A história da TV Itacolomi é marcada pelo pioneirismo em diversas frentes. Em termos tecnológicos, foi considerada à época como uma das emissoras mais modernas da América Latina, sendo uma das primeiras no Brasil a trazer cores para a televisão, a partir de 1972. No que diz respeito à programação, sua cobertura inovou ao abordar os mais diversos assuntos, como política, cultura, esporte, entretenimento, e ainda, por criar formatos inovadores, como a revista eletrônica, através do programa “A Noite na Guanabara”. Foi também responsável pelas primeiras transmissões ao vivo de jogos de futebol em Minas Gerais e pela introdução da programação no horário da manhã com programas infantis, enquanto as demais transmissões no Brasil eram realizadas somente no período da tarde.

 

A exposição no Museu da Imagem e do Som oferece ao público um espaço interativo e de imersão, no qual o visitante pode se conectar com cenários e personagens que marcaram a história da emissora, e reviver imagens que ainda hoje permanecem vivas na memória. Durante todo o período da mostra, serão realizadas ações educativas inserindo o público no ambiente e moldes da exposição.

 

 

TEATRO EM CONSTRUÇÃO: O MARÍLIA NOS SEUS PRIMEIROS 20 ANOS

Local: Teatro Marília

Avenida Prof. Alfredo Balena, 586 – Santa Efigênia – 3277-4697

Abertura: dia 12 de dezembro, quarta-feira, às 19h

Visitação: até 3 de março de 2019, de segunda a quinta, das 10h às 18h; sexta a domingo, das 10h às 20h

 

O Teatro Marília, um dos mais emblemáticos palcos da capital mineira, terá sua história retratada pela pessoa que inspirou seu nome. Marília Salgado, filha do ex governador Clóvis Salgado (1906-1978) assina a curadoria da exposição “Teatro em Construção: o Marília nos seus primeiros 20 anos”. A exposição conta a história do teatro por meio de textos curtos, imagens e lembranças de alguns daqueles que estiveram envolvidos no fazer teatral, enriquecendo a memória da cidade de Belo Horizonte.

 

A narrativa da mostra é baseada em três aspectos fundamentais da construção do teatro. O aspecto físico, no qual se destaca a construção do primeiro espaço destinado às artes cênicas. O aspecto artístico, ressaltando-se os grupos e artistas mineiros que se dedicaram a estudar, pesquisar e levar espetáculos de alta qualidade ao palco do Marília. Além do aspecto político, no qual destaca-se a importância do teatro para a construção de uma resistência ao regime militar.

A abertura da exposição, no dia 12, contará com a exibição do documentário “Primeiro Sinal – A História Do Teatro de Belo Horizonte – Dos Primórdios até 1980”, dirigido por Chico Pelúcio e Rodolfo Magalhães.

 

 

MODERNO JARDIM BRASILEIRO

Local: Casa do Baile

Avenida Otacílio Negrão de Lima – 751 – Pampulha – 3277-7443

Abertura: dia 15 de dezembro de 2018, às 10h.

Visitação: até julho de 2019, de terça a domingo, das 9h às 18h

 

“Moderno Jardim Brasileiro” é uma produção da Casa do Baile, Centro de Referência de Urbanismo, Arquitetura e Design, com curadoria de Cássio Campos e apoio do Escritório Burle Marx. A exposição contextualizará o jardim moderno brasileiro a partir da reprodução de projetos paisagísticos em fac símile, como do jardim italiano da Villa Lante, de Giacomo Vignola; o jardim barroco francês, nos jardins do Palácio de Versailles, de André Le Nôtre; o jardim cubista, no Jardim de Água e Luz, de Gabriel Guévrekian.

 

Serão exibidos, pela primeira vez na cidade, projetos de Roberto Burle Marx e das fases posteriores de seu escritório. São projetos da Pampulha; da Praça de Casa Forte (Recife); Ministério da Educação e Saúde (RJ); Avenida Atlântica (RJ), Parque do Flamengo (RJ); Parque das Mangabeiras (BH); Residência Odette Monteiro (RJ); KLCC Parque (Malásia); Biscayne (Miami); Praça da Revolução Acre; Museu do Amanhã (RJ); Parque da Vila dos Atletas (RJ); Instituto de Resseguros do Brasil (RJ); e Unique Garden Spa (SP).  

 

Para a produção brasileira será apresentado o primeiro projeto de jardim público do Brasil, o Passeio Público do Rio de Janeiro, de Mestre Valentim e remodelado por Auguste Glaziou, paisagista do império que fez importantes jardins para o Rio de Janeiro, como a Quinta da Boa Vista e o Campo de Santana; o jardim da Casa da Rua Santa Cruz, de Mina Warchavchik; o jardim moderno de Roberto Burle Marx, José Tabacow, Haruyoshi Ono, Waldemar Cordeiro, Roberto Cardozo, Gustavo Leivas, Júlio Ono e Isabela Ono. Todos os projetos são reproduzidos em mesas, com breves textos explicativos.

 

A obra “Moderno Jardim de água e luz”, do artista Cássio Campos, faz referência ao cubista Jardim de Água de Luz, de Gabriel Guévrekian. Um cubo espelhado, dentro do lago do jardim da Casa do Baile, permitirá e provocará o multifacetamento das relações imagéticas entre arquitetura e paisagismo.

 

 

QUILOMBOS URBANOS E A RESISTÊNCIA NEGRA EM BELO HORIZONTE

Local: Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado

Rua Ministro Hermenegildo de Barros, 904 - Itapoã |3277-7420 | 3277-6746

Abertura: dia 13 de dezembro de 2018, às 16h.

Visitação: de terça a domingo, das 9h às 17h

 

A exposição “Quilombos Urbanos e a Resistência Negra em Belo Horizonte” traz o acervo de três quilombos urbanos de Belo Horizonte: Quilombo Manzo Ngunzo Kaiango, Quilombo dos Luízes e Quilombo de Mangueiras. A mostra celebra a marca de um ano do reconhecimento dos três quilombos como patrimônio imaterial da cidade, em dezembro de 2017.

 

São peças que registram o cotidiano das comunidades, suas manifestações religiosas, a exemplo dos santos de devoção das matriarcas, a bengala usada pelo pai Benedito, Preto Velho do Quilombo Manzo, tecidos bordados pela comunidade de Mangueiras, pilão, cangalha, atabaques, berimbau.

 

A exposição se coloca como espaço de problematização sobre o racismo e sobre o não-reconhecimento da cultura do outro, sendo, dessa forma, o coroamento das diversas agendas de valorização da cultura e arte negra que a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte tem realizado na cidade, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura.

 

A data de abertura da exposição, 13 de dezembro, também comemora o aniversário de quatro anos do Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado.

Ouça este conteúdo

Últimas Notícias

Fachada da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, durante o dia. PBH seleciona Organização da Sociedade Civil para ações do Circuito de Cultura

Para realizar ações do Circuito Municipal de Cultura, Prefeitura publica edital de seleção de Organização da Sociedade Civil.

16/07/2019 | 20:01
Atlético x Cruzeiro no dia 17/7, às 19h15. Jogo Atlético x Cruzeiro tem operação de transporte no Independência no dia 17/7

A linha especial 9033 começa a operar às 17h, com intervalo de 20 minutos entre as viagens ou de acordo com a demanda de passageiros.

16/07/2019 | 18:36