Pular para o conteúdo principal

Idosa con touca no cabelo em imagem em preto e branco. Cena do documentário Estamira.
Foto: Divulgação

MIS Cine Santa Tereza tem programação voltada para documentários em abril

10/04/2019 | 19:10 | atualizado em 16/04/2019 | 20:10

A Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura realizam a partir de quinta-feira, dia 11 de abril, a mostra Cine Documenta, no MIS Cine Santa Tereza, reunindo diversos documentários emblemáticos do cinema nacional e internacional. A mostra também recebe filmes de itinerância do 22ª fórumdoc.BH. Ao todo serão exibidas 27 obras, entre curtas e longas-metragens. Toda a programação é gratuita e os ingressos são distribuídos 30 minutos antes das sessões.

 

Na programação, filmes colocam em destaque trajetórias biográficas de grande relevância na história e na cultura brasileiras. Entre eles, destaca-se Vlado - Trinta Anos Depois (2005), de João Batista de Andrade, um documentário sobre o jornalista morto pela ditadura militar Vladimir Herzog, e Guarnieri (2017), que traz a vida, a obra e implicações da luta política de Francesco Guarnieri, um dos nomes mais importantes da história do teatro brasileiro.

 

Ícones da música nacional também serão lembrados na sessão de curtas musicais com os filmes Rock da Paulista (1998), de Anna Muylaert; Mutantes (1970), de Antônio Carlos da Fontoura; e Tom Zé ou Quem Irá Colocar uma Dinamite na Cabeça do Século? (2000), de Carla Gallo. Também será exibido o filme Bruta Aventura em Versos (2011), de Letícia Simões, que resgata a trajetória da poetisa e tradutora brasileira Ana Cristina Cesar.

 

A mostra conta ainda com duas obras de Eduardo Coutinho, considerado um dos maiores documentaristas do cinema brasileiro e que deixou um grande legado. Será exibido Edifício Master (2002), que registra o cotidiano dos moradores do Edifício Master, em Copacabana, e Cabra Marcado para Morrer (1989), filme que resgata a história de vida e morte de João Pedro Teixeira, um líder camponês da Paraíba, assassinado em 1962, e que representa um marco histórico fundamental na trajetória do cinema documental brasileiro.

 

Filmes que discutem temas históricos e urgentes que afligem a sociedade, como o racismo e a desigualdade social, também integram a programação. A Negação do Brasil (2000), de Joel Zito Araújo, traça um panorama da história da telenovela no Brasil e o papel nela atribuído aos atores e atrizes negros, que sempre representaram personagens estereotipados e negativos. Em Audre Lorde - The Berlin Years 1984 to 1992 (2012), a diretora Dagmar Schultz trata da relação da escritora feminista Audre Lorde com a diáspora negra alemã e suas influências literária e política no desenvolvimento de um movimento afro-alemão e origens do movimento antirracista no país. A ampliação da exploração econômica pelo capitalismo em sua forma neoliberal é tema tratado por outro gigante do cinema documental, Silvio Tendler, em Dedo na Ferida (2017).

 

O emblemático Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado, que completa 30 anos mantendo-se atual ao discutir a desigualdade que marca a estrutura social no Brasil, também ganhou lugar na mostra. Ele será apresentado ao lado de outro filme produzido pela Casa de Cinema de Porto Alegre, Ventre Livre (1994), de Ana Luiza Azevedo, que discute o aborto, a história dos direitos sexuais e reprodutivos no Brasil e a relação da questão com a pobreza vivida por mulheres no Brasil. Já o Corpo Delito (2017), de Pedro Rocha, mostra a dificuldade de reinserção social de um homem preso a uma tornozeleira eletrônica.

 

 

Mostra de extensão forumdoc.bh

A mostra também vai contar com a itinerância do 22ª Fórum Doc, que acontece entre os dias 17 e 21 de abril. Na programação estão filmes documentários e etnográficos do Brasil, França, República Democrática do Congo, Alemanha, dentre outros lugares. O forumdoc.bh – Festival do Filme Documentário e Etnográfico, fórum de antropologia e cinema – foi criado em 1997 pela Filmes de Quintal com o objetivo de compartilhar filmes aos quais não se tinha acesso em salas de cinema convencionais e promover reflexão e formação crítica de público, fomentar a pesquisa e a qualificação da produção audiovisual.

 

Confira a programação a seguir:

 

Programação

Dia 10, quarta-feira, às 19h30

Estamira (Marcos Prado | Brasil | 2006 | Documentário | 121 min)

Estamira e um grupo de amigos vivem em um lixão da cidade do Rio de Janeiro. Ela tem problemas mentais e filosofa sobre problemas sociais (como o destino dado ao lixo nas grandes metrópoles) e como viver em condições lamentáveis.

Classificação indicativa:14 anos

 

Dia 11, quinta-feira, às 19h30

Dedo na Ferida (Sylvio Tendler | Brasil | 2017 | Documentário | 91 min)

Abordando o sistema financeiro e suas contradições, o documentário faz um questionamento a respeito do discurso das autoridades financeiras de que não podemos gastar mais do que arrecadamos. Por meio de entrevistas, é composto um panorama de como o capital influencia a política, os governos e a vida cotidiana das pessoas.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 12, sexta-feira, às 19h30

Vlado, Trinta Anos Depois (João Batista de Andrade | Brasil | 2005 | Documentário | 90 min)

Documentário sobre a história do jornalista Vladimir Herzog, o Vlado, torturado e assassinado na prisão em 1975, durante o regime militar brasileiro. Depoimentos de pessoas que conviveram com ele.

Classificação indicativa: 14 anos.

 

Dia 14, domingo, às 17h /Curtas Musicais

- Rock Paulista (Anna Muylaert | Brasil | 1988 | Documentário | 12 min)

Um “clip documental” que reúne algumas bandas de rock mais expressivas do rock paulista na década de 1980.

 

- Mutantes (Antônio Carlos da Fontoura | Brasil | 1970 | Documentário Experimental | 7 min)

Uma brincadeira mutante improvisada por Arnaldo Batista, Sérgio Dias e Rita Lee, integrantes da banda Os Mutantes.

 

- Tom Zé ou Quem Irá Colocar uma Dinamite na Cabeça do Século? (Carla Gallo | Brasil | 2000 | Documentário | 48 min)

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 14, domingo, às 19h

Edifício Master (Eduardo Coutinho | 2002 | Brasil | Documentário | 110 min)

O filme registra o cotidiano dos moradores do Edifício Master, em Copacabana, e apresenta um rico painel de histórias. Com 276 apartamentos e 12 andares, o local serve de moradia aos entrevistados, que revelam dramas, solidões, desejos e vaidades.

Classificação indicativa: 12 anos

 

Dia 17, quarta-feira, às 19h30

- Abá (Raquel Gerber | Brasil | 1992 | Documentário | 4 min)

Abá significa esperança de paz espiritual. Significa, também, encontro. A crença na luz e a chegada ao estado de contemplação.

 

- Ori (Raquel Gerber | Brasil | 1989 | Documentário | 91 min)

Um painel sobre a cultura africana no mundo e a luta dos negros na construção de sua identidade: o papel dos quilombos, as raízes negras, a luta pelo poder.

Sessão comentada por Ewerton Belico.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 18, quinta-feira, às 19h30

- Pessoas do Lago (Gens Du Lac | Jean-Marie Straub | Suíça | 2018 | Documentário | 18 min)

Um homem recorda sua juventude passada ao lado de uma família de pescadores na costa vaudoise, do lago Léman, as trocas clandestinas que ocorriam ao longo do lago durante a Segunda Guerra Mundial, assim como os reveses políticos que se seguiram imediatamente após o fim da guerra.

 

- Braguino (Clement Cogitore | Finlândia | 2017 | Documentário | 49 min)

Na floresta siberiana, longe da civilização, uma disputa opõe duas famílias cujas casas são separadas por um rio. No meio do rio fica uma ilha, onde as crianças das duas famílias encontram-se à revelia dos adultos.

Sessão comentada por Carla Italiano.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 19, sexta-feira

• Às 17h

Egungun (Carlos Brajsblat | Brasil | 1982 | Documentário | 99 min)

Na ilha de Itaparica, uma comunidade de descendentes Nagô recria, há 200 anos, os costumes e valores dos antepassados. Vive da pesca e da coleta em um espaço que está sendo ocupado pela indústria imobiliária e pelo turismo. Os homens de maior destaque são os Ojé, sacerdotes que detêm o segredo da sociedade Egungun, o poder de invocar os mortos e conduzi-los no mundo dos vivos.

Sessão comentada por Carla Italiano.

Classificação indicativa: 14 anos.

 

• Às 19h30|

- Tekoa Ha’ e Tetã (Alberto Álvares | Brasil | 2018 | Documentário | 18 min)

O curta-documentário Tekoha Ha’e Tetã narra a vida do Wera Kuaray em busca de um novo rumo ao caminhar com o seu olhar atento de sabedoria guarani entre dois mundos.

 

- Bimi, Shu Ikaya (Isaka Huni Kuin / Siã Huni Kuin / Zezinho Yube | Brasil | 2018 | Documentário | 52 min)

O filme mergulha na trajetória de vida de Bimi, mestra artesã que se tornou liderança política da Aldeia Segredo do Artesão/Tarauacá-Acre. O filme dá voz e visibilidade aos anseios e desejos das mulheres indígenas, permitindo um novo olhar e debate sobre a feminilidade indígena e suas formas de protagonismo.

Sessão comentada pelo diretor Alberto Álvares.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 20, sábado, às 19h

- Nome de Batismo – Alice (Tila Chitunda | Brasil | 2017 | Documentário | 25 min)

Alice, a única filha brasileira de uma família angolana que encontrou refúgio no Brasil, decide ir pela primeira vez a Angola, em busca das histórias que motivaram seus pais a lhe batizarem com esse nome.

 

- Noir Blue - Deslocamentos de Uma Dança (Ana Pi | Brasil / França | 2018 | Documentário | 27 min)

No continente africano, Ana Pi se reconecta às suas origens por meio do gesto coreográfico, engajando-se num experimento espaço-temporal que une o movimento tradicional ao contemporâneo.

 

- Maré (Amaranta César | Brasil | 2018 | Documentário | 22 min)

Em um quilombo de Cachoeira, na Bahia, a força ancestral do mangue e da maré regem os ciclos da vida: partir, ficar, morrer, viver, recomeçar.

Sessão comentada pela diretora Tila Chitunda.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 21, domingo, às 17h

Espécies Selvagens (Wild Relatives | Jumana Manna | Alemanha / Líbano / Noruega | 2018 | Documentário | 70 min)

O filme tem como ponto de partida um evento de interesse mundial: em 2012, um centro de pesquisa internacional de agricultura foi obrigado a se deslocar de Aleppo para o Líbano por causa da Revolução Síria transformada em guerra. Começou, assim, um processo para replantar as coleções do Cofre Mundial de Sementes da Noruega. Seguindo os passos dessa transação de sementes, uma série de encontros revela a intersecção entre vidas humanas e não humanas nesses dois lugares distantes da terra.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 21, domingo, às 19h

Kinshasa Makambo (Dieudo Hamadi | República Democrática do Congo / França / Suíça / Alemanha / Noruega | 2018 | Documentário | 75 min | Legendado)

Christian, Ben e Jean-Marie lutam por mudanças políticas no poder e eleições livres em seu país, a República Democrática do Congo. O presidente em exercício, no entanto, recusa-se a renunciar. Como mudar o curso dos acontecimentos? Kinshasa Makambo nos faz mergulhar no combate desses três ativistas, um combate que nem os tiros, a prisão ou o exílio parecem capazes de interromper.

Sessão comentada por Tatiana Carvalho Costa.

Classificação indicativa: 18 anos.

 

Dia 23, terça-feira, às 19h30

Guarnieri (Francisco Guarnieri | Brasil | 2017 | Documentário | 71 min)

Gianfrancesco Guarnieri foi um dos nomes mais importantes da história do teatro brasileiro. Além de ter sido um grande ator na televisão, ele foi uma imagem-síntese do artista brasileiro engajado. Porém, seus filhos atores, escolheram por distanciar arte, trabalho e política em suas vidas. Agora, seu neto e diretor Francisco busca compreender o lugar de sua geração na história, nas artes e no mundo.

Classificação indicativa: 12 anos.

 

Dia 24, quarta-feira, às 19h30

Corpo Delito (Pedro Rocha | Brasil | 2017 | Documentário | 74 min)

Acompanhe a rotina de Ivan, um homem inconformado que, mesmo depois de ganhar o direito de sair da cadeia, continua preso a uma tornozeleira eletrônica.

Classificação indicativa: 10 anos.

 

Dia 25, quinta-feira, às 19h30

A Negação do Brasil (Joel Zito Araújo | 2000 | Brasil | Documentário | 92 min)

O documentário é uma viagem na história da telenovela no Brasil e, particularmente, uma análise do papel nelas atribuído aos atores negros, que sempre representam personagens mais estereotipados e negativos. Baseado em suas memórias e em fortes evidências de pesquisas, o diretor aponta as influências das telenovelas nos processos de identidade étnica dos afro-brasileiros e faz um manifesto pela incorporação positiva do negro nas imagens televisivas do país.

Classificação indicativa: 10 anos.

 

Dia 26, sexta-feira, às 19h30

Bruta Aventura em Versos (Letícia Simões | Brasil | 2011 | Documentário | 75 min)

O documentário resgata a trajetória da poetisa e tradutora brasileira Ana Cristina Cesar, suas pulsões, a vida e o processo de criação. Artistas, amigos e estudiosos relembram a trajetória da escritora ícone da poesia marginal dos anos 1970, que se matou em 1983, aos 31 anos.

Classificação indicativa: livre.

 

Dia 27, sábado, às 19h 

Cabra Marcado Para Morrer (Eduardo Coutinho | Brasil | 1989 | Documentário | 120 min)

Em 1962, o líder da liga camponesa de Sapé (PB), João Pedro Teixeira, é assassinado por ordem de latifundiários. Um filme sobre sua vida começa a ser rodado em 1964, com a reconstituição ficcional da ação política que levou ao assassinato e direção de Eduardo Coutinho. As filmagens são interrompidas pelo Golpe Militar de 1964. Dezessete anos depois, em 1981, Eduardo Coutinho retoma o projeto e procura Elizabeth Teixeira e outros participantes do filme interrompido.

Classificação indicativa: 10 anos.

 

Dia 28, domingo

•Às 17h:  Sessão de curtas

- Ilha das Flores (Jorge Furtado | Brasil | 1989 | Documentário | 15 min)

Um tomate é plantado, colhido, transportado e vendido num supermercado, mas apodrece e acaba no lixo. O filme mostra sua trajetória até seu verdadeiro final e então fica clara a diferença que existe entre tomates, porcos e seres humanos.

 

- Ventre Livre (Ana Luiza Azevedo | Brasil | 1994 | Documentário | 47 min)

A partir de histórias de mulheres que enfrentaram o tema do aborto, o documentário discute direitos reprodutivos no Brasil. A diretora relaciona a questão da desigualdade econômica aos valores católicos e à própria posição da mulher na cultura brasileira.

Classificação indicativa: 14 anos.

 

• Às 19h |

Audre Lorde - The Berlin Years 1984 to 1992 (Dagmar Schultz | Alemanha | 2012 | Documentário | 84 min)

O filme trata da relação da escritora feminista Audre Lorde com a diáspora negra alemã, sua influência literária e política no desenvolvimento de um movimento afro-alemão e as origens do movimento antirracista antes e depois da reunificação alemã.

Classificação indicativa: livre.

 

 

Mostra Cine Documenta

De 10 a 28 de abril

MIS Cine Santa Tereza

Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza – Praça Duque de Caxias

ENTRADA GRATUITA