Pular para o conteúdo principal

Alune segura um passaporte para a leitura.
Foto: Lidiane Sant'Ana/PBH

Leitura e reflexão são estimuladas em escola do Barreiro

22/11/2017 | 14:36 | atualizado em 23/11/2017 | 18:21
“Os alunos aqui lêem muito”: ouvir isso de uma professora de adolescentes em época de tantos atrativos virtuais é animador. Rosely Guimarães, assim como a diretoria da Escola Municipal Professora Isaura Santos (rua Hoffman, 80, Miramar), é uma entusiasta na promoção da leitura. Incentivos aos jovens leitores não faltam. A criatividade e empenho da equipe em promover o hábito de leitura são surpreendentes.

Uma viagem que pode gerar muitos frutos – essa é a cara que a leitura tem na escola. Maria Eduarda de Almeida, do 5º ano, exibe o seu Passaporte Literário com as viagens registradas. O recurso criado pela escola propõe que a experiência proporcionada pela leitura de cada livro seja anotada no documento. Questões como a duração da viagem (tempo de leitura), o agente (autor), data de partida e chegada (início e término da leitura) e quem conheceram (personagens) são registradas após cada aventura. 
 
O empenho da equipe em incentivar a leitura de forma criativa tem outros aliados. A Mala Literária, com um livro escolhido pelo aluno e um caderno destinado ao registro da viagem, é levada para casa semanalmente por um aluno sorteado. A família também é envolvida no processo. Ao término da leitura, cada aluno faz uma apresentação da experiência para os demais colegas. 

O Circuito Literário inclui uma aula semanal na biblioteca. Os gêneros são os mais variados. “Estudamos músicas, receitas, crônicas, bulas”, enumera Maria Luiza Caetano, de 10 anos. A biblioteca conta com mais de 13 mil itens, entre livros, periódicos e gibis. São feitos cerca de 650 empréstimos por semana. Todas as turmas têm aulas na biblioteca. Com isso, aproximadamente metade deles visita a biblioteca duas vezes ao mês e a outra metade a frequenta semanalmente. “Temos vários alunos que vêm à biblioteca praticamente todos os dias”, afirma a bibliotecária Juliana Alves Moreira. “Mesmo quando estou com algum livro eu vou lá. Gosto de conversar com a bibliotecária, falar sobre o que estou lendo, pedir indicações. O melhor lugar da escola pra mim é lá”, afirma Sthefany Soares Calixto, 14, do 9º ano. 

Os frutos desse trabalho estão por todos os lados, seja na fluência dos alunos em citar obras e autores, nos versos estampados nas paredes da escola, ou bem no meio do pátio, pendentes nos cacaueiros. Rosely conta que as turmas do 5º ano escolheram alguns poemas. Eles foram plastificados e pendurados com fitas coloridas onde transitam todos os alunos. O efeito chamou a atenção de todos. “Um professor que trabalha em outra escola quis levar para lá. Ficamos muito felizes em compartilhar. Essa é a nossa ideia”, comemora a diretora Neide Teixeira.

Os alunos mais adeptos da leitura vão ser premiados com um passeio ao Museu do Futebol, no Estádio Mineirão, e ao Batalhão de Radiopatrulhamento Aéreo da Polícia Militar, no final do mês. “Nossa intenção é apresentar a eles o universo de algumas profissões ligadas à curadoria, tecnologia e segurança”, justifica a bibliotecária.