Pular para o conteúdo principal

Fachada da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte durante o dia.
Foto: Breno Pataro

Kalil prioriza negociação salarial para menores salários

27/06/2017 | 18:29 | atualizado em 28/06/2017 | 19:05
O prefeito Alexandre Kalil afirmou nesta segunda-feira, dia 26, na sede da Prefeitura de Belo Horizonte, ao grupo de representantes dos Agentes de Combate a Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e do Sindicato dos Servidores Públicos de Belo Horizonte (Sindibel) que as categorias com menores salários terão prioridade nas negociações.
 

“Após a verificação de receitas, vamos nos reunir com todas as categorias de servidores para mostrar as contas da Prefeitura. Com esse número em mãos vamos saber qual o percentual de aumento que poderemos proporcionar. Mas garanto: vamos começar pelos que ganham menos”, disse o prefeito.
 

Também participaram da reunião o vice-prefeito e secretário de Governo, Paulo Lamac; os secretários de Planejamento, Orçamento e Informação, André Reis; e de Saúde, Jackson Machado; além da secretária adjunta de Recursos Humanos, Fernanda Neves.
 

Reuniões periódicas

Encontros contínuos têm sido realizados pela administração municipal com entidades representativas dos servidores para efetivar a política de transparência nas contas municipais. O objetivo é promover o alinhamento entre o interesse dos servidores e a sustentabilidade fiscal para o pagamento de salários e benefícios, por meio da avaliação do comportamento de receita e despesa.
 

Benefícios já garantidos

Em 2017, a Prefeitura concedeu quinquênios e progressões (por mérito e por escolaridade), já incluídos na folha, que correspondem a R$ 145 milhões, o que equivale a um aumento na despesa de pessoal na ordem de 3,42%.
 

Outros benefícios estão em processo de implantação, como a regularização dos passivos trabalhistas; início das publicações das progressões por escolaridade; regulamentação do ensino à distância; continuidade das publicações de progressão por mérito e concessões de quinquênios; além de pagamento de férias-prêmio para casos especiais e nomeações de aprovados em concurso para suprir carência de alguns órgãos.