Pular para o conteúdo principal

OIto integrantes da equipe de judô do Programa Superar posam para foto.
Foto: Divulgação PBH

Judocas do Superar intensificam treinos para conquistar novas medalhas

20/12/2018 | 17:52 | atualizado em 20/12/2018 | 17:56
Se depender do empenho dos atletas e do técnico, a equipe de Judô do programa Superar irá conquistar várias medalhas nas competições do próximo ano. Os treinos serão realizados diariamente em janeiro, mês oficial de recesso das atividades do programa Superar. 

Pelo calendário das competições que terão inscrições dos judocas do Superar, as próximas disputas ocorrerão no Gran Prix Internacional de Judô Paralímpico, em março. O evento é considerado a maior competição da modalidade no Brasil e com grande potencial de revelar talentos. “Considero as atividades de janeiro como um ‘plus’ nos treinos dos judocas para possibilitar a conquista de medalhas que contribuem para a melhoria da autoestima deles e de seus familiares”, diz Marcelo Mendes Melo, técnico e coordenador do programa que atende 975 atletas em dois centros e sete núcleos de atendimentos.

Os treinos com 13 judocas normalmente são realizados nas segundas, das 18h às 20h, terças e quintas-feiras, das 14h às 15h30, nas dependências do Centro de Referência da Pessoa com Deficiência (avenida Nossa Senhora de Fátima, 2.228, bairro Carlos Prates), na região Noroeste. No mês de janeiro os treinos acontecerão de segunda a sexta-feira, das 9h às 10h30.


 
Equipe campeã

Realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, o programa Superar promove inclusão social da pessoa com deficiência por meio do esporte, atividades físicas e lazer. Das 16 modalidades esportivas oferecidas, o judô detém lugar de destaque na conquista de medalhas pelos alunos do programa. Um exemplo é a atleta Deane Silva de Almeida, de 35 anos, medalhista de prata na Paralimpíada de Pequim, em 2008. A atleta com deficiência visual foi promovida recentemente à faixa preta pela Federação Mineira de Judô. 

Outro campeão é o Daniel Batista Santos Pereira, 13 anos, com deficiência visual e auditiva. Ele é colecionador de medalhas de várias competições, a mais nova – de bronze – refere-se às disputas nas Paralimpíadas Escolares, realizadas em São Paulo, no mês de novembro.

Andrielli Ribeiro Gomes, deficiente visual, desponta no cenário de alunos medalhistas do Superar. Com seis meses de aulas de judô, conquistou no mês passado a medalha de bronze, nas Paralimpíadas Escolares. Sua mãe, Gleiciene Tosta Ribeiro Gomes, está entusiasmada com a atuação da filha judoca. “Com a implantação da unidade do Superar no Colégio Marconi, iniciada em maio, realizei meu sonho de matricular minha filha nas aulas de judô. A atividade trouxe melhorias para a coordenação motora e postura dela”, comemora.

Jussara Pereira é mãe de Daniel Batista Santos, um dos judocas do Superar com maior número de medalhas conquistadas. “A prática do judô aliada à vontade de obter vitórias nas disputas contribui para o Daniel controlar a alimentação, o que é muito importante para a saúde dele”, ressalta.

Outra pessoa que elogia o Superar é Maira Gomide, mãe de Gabriel Gomide da Cunha, deficiente visual e auditivo. “A prática do judô deu um imenso salto na autoestima do Gabriel. Com menos de três meses de aulas de atletismo e judô, ele fez sua primeira viagem sozinho. Viajou com a comissão técnica do Superar para Uberaba em junho e voltou com medalhas de ouro e bronze”, comemora.


Aulas de judô

As aulas são realizadas no Centro de Referência da Pessoa com Deficiência (região Noroeste), Escola Municipal de Ensino Especial Frei Leopoldo (região Oeste) e na unidade do Superar que funciona no Colégio Marconi (região Centro-Sul).

Para se inscrever para a prática do judô e outras modalidades esportivas, o interessado deve ter idade superior a seis anos e laudo de deficiência. Os contatos para o programa são pelo e-mail superar@pbh.gov.br e pelos fones 3277- 4546 e 7681.

 

Superar

O Superar atende a alunos com deficiência física, visual, intelectual, auditiva, múltipla e com autismo. Ao todo, 16 modalidades são oferecidas: atletismo, basquetebol, bocha regular, bocha paralímpica, dança, futsal, goalball, judô, natação, patinação, rúgbi em cadeira de rodas, tênis de mesa, voleibol sentado, parataekwondo, funcional e percussão.
 
 

20/12/2018. Treinos intensificados de judô - Superar. Fotos: Vilma Tomaz/PBH