Pular para o conteúdo principal

Músico da Banda da Guarda Municipal de BH tocando flauta
Foto: Divulgação ABFIP

Guarda Municipal de BH é homenageada por entidade paulista

11/10/2017 | 10:39 | atualizado em 21/03/2018 | 14:23

O comandante da Guarda Municipal de Belo Horizonte (GMBH), Rodrigo Sérgio Prates, e o guarda municipal de 1ª Classe, José Paulo Siuves, foram homenageados pela Associação Brasileira das Forças Internacionais de Paz (ABFIP), durante solenidade que aconteceu no dia 5 de outubro, em São Paulo. Eles foram agraciados com a “Medalha de Honra ao Mérito das Guardas Civis Municipais do Brasil”, premiação concedida a agentes e instituições civis e militares que trabalham para garantir a ordem pública e a preservação de um ambiente de paz na sociedade.

 

Criada em 1985, a ABFIP é uma entidade paulista que reúne ex-combatentes brasileiros que atuaram em conflitos internacionais como integrantes de missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU). A associação busca preservar a história e transmitir às novas gerações o valor das Forças Armadas Brasileiras.

 

Mérito da tropa

Para Rodrigo Sérgio Prates, que está no comando da Guarda Municipal de BH desde 2015, a instituição é uma importante engrenagem para a manutenção da paz. Ele considera que o reconhecimento do trabalho da GMBH por parte de uma organização como ABFIP é motivo de grande alegria. O comandante faz questão de dividir os méritos com toda a tropa. “Ninguém comanda sozinho. Reparto com cada integrante da Guarda Municipal esse prêmio, porque, em grupo, avançamos muito”, enfatizou.

 

Na avaliação do guarda municipal José Paulo Siuves, que atua há 11 anos na GMBH, o prêmio representa o reconhecimento pelo trabalho sério e responsável que é desenvolvido pela instituição, que carrega em seu próprio DNA a vocação para a paz. “Temos como patrono da Guarda Municipal de BH o embaixador o Sérgio Vieira de Mello, um herói que perdeu a vida defendendo os Direitos Humanos”, destacou.

 

A Guarda Municipal de Belo Horizonte foi criada no ano de 2003, e a escolha do embaixador Sérgio Vieira de Mello como patrono se deu devido à sua história de vida e de sua atuação com alto das Nações Unidas para os Direitos Humanos. O surgimento da GMBH coincidiu com o ano de seu falecimento em uma missão, quando ele e outras 21 pessoas foram foi assassinadas em um atentado com um caminhão bomba no Iraque.