Pular para o conteúdo principal

Instrutora apresenta trabalho de Grupo de Trabalho de Promoção da Saúde na Pampulha em uma sala com mais de 50 pessoas.
Foto: Andréa Moreira/PBH

Grupo de Saúde da Pampulha mostra trabalho sobre violência

21/03/2018 | 16:51 | atualizado em 21/03/2018 | 16:55

O Grupo de Trabalho de Promoção da Saúde na Pampulha (GTPS-P), criado em junho de 2017 com o objetivo de construir conhecimentos para a prevenção e o enfrentamento de situações de violência nas suas diversas formas, mostrou sua trajetória no dia 12 de março, no auditório do Centro de Saúde São Francisco. Um público de 56 participantes, entre trabalhadores, referências técnicas e gestores da área de saúde de outras regionais, assistiu a apresentação com as ações futuras e os temas discutidos nos seis encontros realizados em 2017.

 

Integrante do GTPS-P, a gerente do C.S. Dom Orione, Manayá de Souza Vieira, avaliou os resultados positivos que o grupo obteve até o momento. “A violência é um fenômeno comum no nosso dia a dia e temos a tendência a responsabilizar os outros por ela, quando o correto é nos corresponsabilizarmos. O trabalho proporcionou um visível amadurecimento pessoal e profissional para os integrantes do grupo. “Fortalecemos uns aos outros. É um grupo de empoderamento. Saímos do lugar de vítimas e partimos para construções coletivas e mais efetivas”, afirmou.   

 

Para a professora Elza Machado de Melo, coordenadora do projeto "Para Elas, por elas, por eles, por nós", da Faculdade de Medicina da UFMG, que participou de um dos encontros do projeto em 2017, o fenômeno da violência é sempre recíproco e não se restringe apenas a um grupo. “É importante levar a discussão para além dos muros da universidade. Quando encontramos os dois conhecimentos, estamos no caminho certo”, observou.

 

Gerente de Promoção da Saúde da SMSA/SUS-BH, Paulo César Machado Pereira, ressaltou que o GTPS-P mostrou uma visão de construção coletiva com muita sensibilidade e verdade sobre a questão da violência. “A Pampulha está de parabéns por este trabalho. Precisamos nos reconhecer dentro desse fenômeno a fim de nos qualificar, enfrentar e resolver os problemas”, disse.

 

A diretora Regional de Saúde na Pampulha, Elisane Rodrigues destacou que é importante falar de violência, tirando o tema da invisibilidade, de modo a romper com o senso comum. “Este trabalho foi construído por várias mãos. São profissionais e gestores envolvidos em torno de um problema comum, a violência. Nesse momento, o enfoque do projeto foi sobre os episódios de violência nos serviços de saúde e vimos que existem muitas ações dentro da governabilidade da própria equipe e da Regional que favorecem a prevenção e o enfrentamento deste problema”, finalizou.

 

 

 

Grupo de trabalho

O GTPS-P é formado por 20 profissionais, entre gestores e trabalhadores que atuam na Coordenadoria Regional e nas unidades de saúde da Pampulha. Estes profissionais se reúnem mensalmente e, em conjunto, construíram o projeto “Promoção de Saúde: um olhar sobre a violência” que está sendo desenvolvido na Pampulha através da discussão de textos, estudo de casos, produção de conhecimento e rodas de conversa sobre a temática da violência e suas implicações. O trabalho é acompanhado pelo gerente de Promoção da Saúde e coordenador do GTPS-SMSA, Paulo César Machado Pereira.