Pular para o conteúdo principal

Espetáculo “SAL” utiliza realismo fantástico para questionar imediatismo
Foto: Igor Cerqueira

Espetáculo “SAL” utiliza realismo fantástico para questionar imediatismo

criado em 13/05/2022 - atualizado em 13/05/2022 | 17:09

O Teatro Marília recebe nos dias 13, 14 e 15 de maio, sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 19h, a temporada de estreia do espetáculo “SAL”, nova criação do coletivo Margem, em parceria com Rita Clemente, que assina a direção e dramaturgia da peça. A narrativa conta a história de duas personagens que se encontram inusitadamente em alto mar, e que, a partir desse encontro, navegam juntas em direção a um lugar desconhecido no mapa em uma jornada de autoconhecimento. A iniciativa segue os protocolos de prevenção à Covid-19 vigentes em Belo Horizonte. O Teatro Marília fica na Avenida Alfredo Balena, 586, Santa Efigênia.

Os ingressos variam entre R$30 (inteira) e R$15 (meia) e podem ser adquiridos no site www.diskingressos.com.br ou na bilheteria do teatro com 2h de antecedência. Mais informações no www.portalbelohorizonte.com.br.  

A peça conta a história de uma personagem, às voltas com suas sacolas de compras, que salta do 18º andar de um transatlântico em alto mar e cai no veleiro de outra mulher. As personagens interpretadas pelas atrizes e integrantes do coletivo Margem, Gabriela Fernandes e Sâmylla Aquino, navegam sob um grande veleiro e um mar de sacolas plásticas para um lugar onde a terra para de girar por alguns segundos. Em uma jornada de reconhecimento delas mesmas, as duas buscam resgatar suas identidades e liberdade, mesmo que por um breve momento. 

O espetáculo conta com cenário e diálogo impactantes. O ato de navegar é sugerido por uma guitarra elétrica em cena, uma contribuição da também atriz Rita Clemente, reconhecida por pesquisar o diálogo entre teatro e música. A peça faz uso do realismo fantástico e aposta na inserção de elementos incomuns à realidade, estimulando a crítica através da comparação inevitável que o espectador faz com as questões cotidianas ligadas ao consumismo, a identidade fugaz e ao imediatismo. Espetáculo selecionado por meio do Edital de Chamamento para Uso e Ocupação dos Teatros Públicos Municipais.