Pular para o conteúdo principal

Arte feita pela Prefeitura
Foto: Arte/PBH

Dois campos de futebol da Região Leste de Belo Horizonte serão requalificados

criado em 17/09/2021 - atualizado em 17/09/2021 | 15:02

Mais dois equipamentos esportivos estão oficialmente incluídos no Várzea Viva, projeto desenvolvido pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer. Com a finalidade de viabilizar a revitalização e a requalificação de campos municipais, o Várzea Viva já contempla sete campos de várzea do município. 

 

Os campos do Jonas Veiga e do Mineirinho, ambos localizados na região Leste de Belo Horizonte, serão reestruturados com a instalação de grama sintética e iluminação de LED, além de reforma de vestiário e alambrado. A reestruturação será viabilizada por grupos investidores vitoriosos em processo de licitação. 

 

O Campo do Mineirinho ocupa uma área total de 7,5 mil m² no bairro Granja de Freitas (rua São Vicente, 601). Já a área do imóvel do Campo do Jonas Veiga tem 2.605 m², e fica no bairro de mesmo nome (rua Magnésio, 440). 

 

A homologação do vencedor na concorrência pelo Campo do Mineirinho foi publicada nesta sexta-feira (17) no Diário Oficial do Município (DOM). Já a parceria para investimento no Campo do Jonas Veiga está em fase ainda mais adiantada, com licitação também concluída e contrato assinado e a ser publicado no DOM.  

 

O contrato com os concessionários do projeto tem duração de 15 anos, podendo ser renovado pelo mesmo período. Além do investimento nas melhorias do equipamento, os investidores adeptos do Várzea Viva têm contrapartidas sociais, como horários definidos de utilização do campo por equipes locais. 

 

Os parceiros investidores têm, ainda, a obrigatoriedade de empregar recursos, cada um, na reestruturação de outro equipamento esportivo municipal a ser definido pela Secretaria Municipal de Esportes e Lazer. 

 

O secretário municipal de Esportes e Lazer, Elberto Furtado, explica que as contrapartidas sociais estabelecidas asseguram também à Prefeitura o direito de utilizar os campos para a execução de programas municipais voltados à população.  

 

Além disso, as escolinhas de futebol que funcionarem no campo deverão reservar 30% das vagas para crianças e adolescentes de famílias em situação de vulnerabilidade social.  

 

“O Várzea Viva já contempla sete campos da cidade e se torna um case de sucesso. Belo Horizonte passa a contar cada vez mais com campos de várzea com estrutura de ponta. São melhorias com custo zero aos cofres públicos e que permitem à população, por meio de programas da Prefeitura, usufruir de espaços esportivos reestruturados”, afirma o secretário. 

 

Várzea Viva 

 

O projeto Várzea Viva começou a ser elaborado em 2017, após a constatação de que os campos municipais de Belo Horizonte poderiam ser requalificados em parceria com investidores, beneficiando a população e as comunidades, e desonerando os cofres públicos. 

 

As melhorias nos campos incluídos no projeto Várzea Viva têm custo zero para a Prefeitura, visto que são realizadas com o aporte de investidores que vencem um processo de licitação pública e se credenciam a fazer o investimento. 

 

Quatro revitalizações de campos já foram concluídas por meio do Várzea Viva: Inconfidência, Santa Cruz, Reunidos e Arena Morro das Pedras. O Campo do Betânia está em obras, e os próximos a serem requalificados são o do Jonas Veiga e o do Mineirinho. 

 

O objetivo da Prefeitura é incluir o maior número possível de campos municipais no Várzea Viva. No total, Belo Horizonte tem cerca de 70 campos aptos ao projeto. 

 

Em média, da licitação que define o parceiro investidor à entrega do campo com revitalização concluída, o processo dura de seis meses a um ano, aproximadamente. O vencedor da licitação por um campo assina contrato de 15 anos, com possibilidade de renovação.