Pular para o conteúdo principal

cerca de vinte mulheres dançando em um grande salão
Foto: Vilma Tomaz/PBH

Dança Sênior é uma das atrações do programa Vida Ativa

05/10/2018 | 16:07 | atualizado em 05/10/2018 | 16:37
“Para não chegar atrasada à primeira aula e correr o risco de perder minha inscrição, acelerei a realização das minhas tarefas domésticas e deixei meu marido tomando conta do netinho de três anos. Cuido dele desde que nasceu”, afirma Maria de Lourdes do Nascimento.

Salgadeira aposentada, 80 anos, ela participou da aula de Dança Sênior que marcou a atividade de estreia da implantação do 46º núcleo do Programa Vida Ativa, no Centro Poliesportivo, no bairro Dom Bosco, no dia 19 de setembro passado.

O programa da Prefeitura de Belo Horizonte é desenvolvido pela Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Smel) e oferecido aos adultos com idade superior a 50 anos e aos idosos.

Lourdes tem explicação para a ansiedade em garantir a vaga na aula de dança. A atividade é uma forma de reavivar a paixão dela, do tempo de solteira, pela dança: “Com essas aulas tenho o privilégio de curtir a dança e cuidar da minha saúde. Foi uma excelente ideia da Prefeitura de misturar ginástica e dança.”

Outra aficionada pela dança é Marlene Tosatti, moradora do bairro Glória, 70 anos, casada, dois filhos. Ela e o marido são bancários aposentados e residem nas proximidades do Centro Poliesportivo. “A aula é interessante e de muita utilidade, uma vez que possibilita a prática de exercícios físicos de maneira prazerosa e auxilia na concentração.”

Maria Efigênia Neri, 80, faxineira aposentada, cinco filhos, gosta de curtir a vida com atividades saudáveis e conta com orgulho que é conhecida pelo apelido de Bonitinha nas atividades físicas promovidas pela PBH que frequenta: “Gostei da aula de dança sênior, faz a memória da gente ficar esperta e movimenta o corpo.”

Gessi Vieira Lana, 75, quatro filhos e dez netos, é professora aposentada. Ela diz que gostou tanto da aula que vai enfrentar o desafio de trazer o marido, motorista de caminhão aposentado que não gosta de dançar. “Adoro a dança porque ela faz a gente mexer o esqueleto e complementa as atividades físicas que faço, também pela Prefeitura, de Lian Gong e Academia da Cidade”, relata.
 

Dança Sênior

Márcia Assumpção Soares, profissional de educação física, especialista em dança sênior e professora da equipe do Vida Ativa, explica que a aula é uma atividade física que utiliza a dança: “A dança sênior estimula a mobilidade das articulações, proporcionando uma melhor coordenação motora e maior segurança através do domínio do corpo. A atividade melhora a flexibilidade, o equilíbrio, a consciência corporal e espacial e, assim, auxilia na prevenção de quedas.”

As aulas são ministradas em dois núcleos: um no Centro Poliesportivo do Dom Bosco, às quartas-feiras, das 14 às 15 horas, e outro no Centro de Referência da Pessoa Idosa (avenida Dom Pedro II, 3.250, Caiçara), às terças e sextas-feiras, às 15 horas. As inscrições podem ser feitas presencialmente no local de realização das atividades ou pelo e-mail vidaativa@pbh.gov.br.
 

Vida Ativa

O programa busca estimular a vivência de práticas corporais diversas e, por meio das atividades desenvolvidas, colaborar para a promoção da saúde, da autonomia e da integração social dos participantes. 

As principais formas de atuação do programa são por meio de atendimento semanal em 46 núcleos regionalizados, com a realização de aulas coletivas de ginásticas, jogos, brincadeiras e danças. As atividades são planejadas e orientadas por educadores físicos, atendendo a aproximadamente três mil alunos por mês.

O Vida Ativa também presta atendimento a cinco Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI’s), com a realização semanal de atividades físicas e recreativas adaptadas, além de passeios externos com programação em cinemas, teatros e shows.
 

05/10/2018. Vida Ativa. Fotos: Vilma Tomaz/PBH