Pular para o conteúdo principal

Warley Martins ministra a “Aula de Hip-Hop Dance e Improvisação”
Foto: Éder Junio/Divulgação

Dança abre programação virtual do Circuito Municipal de Cultura em 2021

04/01/2021 | 14:26 | atualizado em 04/01/2021 | 18:32

A dança é a linguagem artística que abre o ano de 2021 no Circuito Municipal de Cultura. Na primeira quinzena de janeiro, a programação traz três aulas virtuais, de diferentes estilos, que acontecem nos dias 6, 8 e 13, além de um bate-papo, também on-line, sobre processos artísticos.

 

No dia 11, será divulgado o resultado da primeira seleção da Batalha de Danças Urbanas, que vai se desenrolar durante todo o mês pelas redes sociais, coroando um grande vencedor no dia 30. O Circuito Municipal de Cultura é realizado pela Secretaria Municipal de Cultura (SMC) e Fundação Municipal de Cultura (FMC), em parceria com o Centro de Intercâmbio e Referência Cultural (CIRC).

 

A Cia Laia, importante grupo de danças urbanas de Belo Horizonte, é responsável por três ações da programação de janeiro. “Aula de Preparação Corporal e Alongamento” abre a programação nesta quarta-feira (6) às 19h. Ministrada por Maiara Martins, a oficina enfoca o trabalho de alongamento e aquecimento para a dança. Já no dia 13, também às 19h, Warley Martins ministra a “Aula de Hip-Hop Dance e Improvisação”, cujo foco são os passos sociais que se desenvolveram nas festas de Hip Hop. 

 

Fechando a programação da quinzena, no dia 15, às 19h, integrantes da Cia Laia compartilham com o público os processos de criação e desenvolvimento do espetáculo “Nada Mais É”. Gravado em vídeo, o bate-papo será exibido no YouTube da Fundação e no Facebook do Circuito.

 

Durante a conversa, os dançarinos estabelecem diálogos entre o teatro e as danças urbanas para tratar sobre os processos criativos do espetáculo, que estreou em 2017. Em “Nada Mais É”, a dança se estrutura a partir da desconstrução de três pilares sociais que alicerçam nossa formação enquanto indivíduos e que nos afetam desde a infância: o machismo, a crença religiosa (quando limita nossa liberdade) e o racismo.

 

Já no dia 8 (sexta-feira) é a vez da “Aula de House Dance”, com o dançarino e arte-educador Wallison Culu, que acontece no mesmo horário, abordando passos básicos da dança urbana norte-americana. Todas as aulas serão exibidas no YouTube da Fundação Municipal de Cultura.  

 


Batalha de Danças Urbanas

No dia 11, o Circuito Municipal de Cultura anuncia os nomes dos oito selecionados para a Batalha de Danças Urbanas, que será transmitida de forma virtual, pelas redes sociais, durante todo o mês. Até 3 de janeiro, todos que quiseram participar puderam publicar vídeos dançando em suas páginas pessoais no Instagram e no Facebook, seguindo as orientações do Circuito, e foram posteriormente submetidos à avaliação de um júri formado por integrantes da equipe do Circuito e do Centro de Referência da Dança (CRDança) da Fundação Municipal de Cultura.


Os oito selecionados serão convidados a gravar vídeos dançando no Teatro Marília, com imagens captadas e editadas pelo Circuito, que fornecerá técnicos, equipamentos e equipe audiovisual profissional. Todos os envolvidos na gravação seguirão os protocolos sanitários vigentes na cidade durante as filmagens, a fim de garantir a prevenção ao contágio da Covid-19. Os vídeos dessas apresentações serão publicados no YouTube da Fundação Municipal de Cultura.

 

A partir daí, serão duas eliminatórias, ambas decididas por voto popular: ganha quem tiver o maior número de curtidas no vídeo do YouTube ao final do prazo de votação. Na semifinal, nos dias 19, 20 e 21, serão selecionados como finalistas os quatro vídeos mais votados. O nome do vencedor, revelado no dia 30,  será aquele com mais curtidas entre todos, que levará um troféu da Batalha de Danças Urbanas. 

 

O vencedor, os três finalistas e os quatro semifinalistas receberão um prêmio em dinheiro como forma de incentivo à produção cultural, fortemente impactada em razão do necessário distanciamento social para a contenção da pandemia da Covid-19. Os resultados serão publicados no site do Circuito Municipal de Cultura e nos stories do Instagram e do Facebook.


Sobre o Circuito Municipal de Cultura

O Circuito Municipal de Cultura foi lançado em dezembro de 2019, junto às comemorações do aniversário de Belo Horizonte. Desde então, movimentou a programação da cidade com apresentações como a de Jorge Ben Jor, na Praça da Estação, e Rincon Sapiência e Tamara Franklin, no Viaduto Santa Tereza, ambos na Zona Cultural Praça da Estação. Foram planejadas mais de 150 atrações artísticas e formativas, locais, estaduais e nacionais, durante 12 meses, contemplando diversas linguagens e o público de diferentes faixas etárias. 

 

Com a pandemia da Covid -19, o projeto realizou o “Circuito em Casa”, com o intuito de dar vazão à programação que já estava prevista para acontecer durante o ano e fortalecer os esforços da Prefeitura de manter o distanciamento social, bem como de apoiar a cena artística de Belo Horizonte durante o isolamento.