Pular para o conteúdo principal

Paciente deitado em maca de Centro de Saúde.
Foto: Naara Dias/PBH

Centros de Saúde oferecem tratamentos com homeopatia, acupuntura e antroposofia

26/06/2018 | 14:54 | atualizado em 03/07/2018 | 08:50
Também conhecidas como práticas complementares em saúde ou medicinas alternativas, a homeopatia, a acupuntura e a antroposofia são tratamentos que os pacientes belo-horizontinos podem encontrar nas nove regionais da Rede do Sistema Único de Saúde da capital (SUS-BH).
 
As três modalidades têm como ponto em comum a estimulação da energia vital e como propósito a recuperação da saúde, estabelecendo uma reação curativa e harmonizando todo o corpo. A oferta do tratamento com homeopatia, acupuntura e antroposofia, nos centros de saúde da Prefeitura de Belo Horizonte, segue as diretrizes e recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares.
 
Os pacientes são encaminhados pelos médicos dos centros de saúde aos especialistas em homeopatia, acupuntura e antroposofia quando são identificadas as necessidades por cada tratamento. 
 
Para Laurita Maria Soares, usuária do Centro de Saúde Marco Antônio Menezes, no bairro Sagrada Família, região Leste da capital, o tratamento homeopático provocou uma grande melhora da qualidade de vida. “Eu sentia muitas dores e usava muitos remédios para tratar as enfermidades. Com o tratamento homeopático, consegui reduzir os remédios da artrite e parei de usar todos os da osteoporose. Isso foi ótimo para mim, pois eu sofria com alguns efeitos colaterais desses medicamentos” revelou.
 
De acordo com o médico homeopata Thales Onofri, a modalidade trata desde doenças agudas como quadros alérgicos, transtornos emocionais, psiquiátricos até doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, tireoide, problemas asmáticos, ósseo-articulares e problemas no aparelho digestivo. “Como estamos falando de uma ciência médica, essa terá o seu alcance terapêutico e suas limitações relacionadas a uma série de fatores, desde a vitalidade do paciente, sua reserva orgânica até a reação ao uso do medicamento homeopático”, explica.
 
O princípio da semelhança é a base principal da homeopatia, pois individualiza o tratamento, trabalhando o terreno que essa doença está se manifestando, com o objetivo de tratar o doente e não a doença. “Esse princípio consiste na ideia de que os semelhantes se curam pelos semelhantes. Em outras palavras, para tratar uma pessoa doente é necessário aplicar um medicamento que reproduza os mesmos sintomas que o indivíduo apresentar”, afirma Thales.
 
Assim como o medicamento homeopático, o antroposófico também é constituído da extração de substâncias da natureza, resultante dos reinos mineral, vegetal e animal, e são feitos através de uma farmacotécnica própria que imprimem uma ação dinâmica a esses medicamentos.
 
A acupuntura também é oferecida no Centro de Saúde Clóvis Boechat de Menezes, no bairro Pompeia, na região Leste de BH. Segundo o médico acupunturista Amir Attoni, a acupuntura é um método terapêutico que se caracteriza pela inserção de agulhas na superfície corporal. “O objetivo é tratar diversas doenças, como dores articulares, depressão, fibromialgia e ansiedade. O atendimento vai além de ‘inserir agulhas no corpo do paciente’, pois é realizada a anamnese, entrevista com o paciente para estabelecer o diagnóstico preciso, verificar sua história e suas principais queixas para definir a conduta terapêutica mais adequada”.
 
Geraldo Carvalho, morador da região Leste, fez uso da acupuntura durante três meses e meio para combater um problema de esofagite, doença no aparelho digestivo. “O resultado foi excelente. A esofagite aguda era de grau três e com o tratamento reduziu para o grau dois. Consequentemente, tive um grande alívio das dores e dos sintomas da esofagite, o que contribuiu para a diminuição do uso dos medicamentos”.
 

26/06/2018. Homeopatia-Acupuntura e antroposofia. Fotos: Naara Dias/PBH