Pular para o conteúdo principal

Cerca de dez adolescentes com sofrimento mental participam do programa do Centro de Educação Ambiental Centro-Sul, no do Parque Municipal Professor Amílcar Vianna Martins.
Foto: Divulgação PBH

BH em Pauta: Inclusão pela natureza

22/09/2017 | 18:15 | atualizado em 26/09/2017 | 10:03

Inaugurado há menos de um ano dentro do Parque Municipal Professor Amílcar Vianna Martins, no bairro Cruzeiro, o Centro de Educação Ambiental (CEA) Centro-Sul já vem colhendo frutos dos bons trabalhos. Com ações e agenda voltadas a públicos e faixa-etária distintos, o espaço vem se consolidando rapidamente como uma referência para a população de bairros da região Centro-Sul de Belo Horizonte.

“Desde o início do ano procuramos criar uma série de atividades que trouxessem a população para dentro do CEA e, consequentemente, possibilitassem ficar em contato com a natureza. Nós temos atividades com crianças de dois anos até idosos. É legal ter esse retorno da população e das pessoas que estão participando. Nós fazemos com muito carinho”, afirma Laiena Dib, servidora da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Além de educadora ambiental, Dib tem no currículo o título de bióloga, mestre em ecologia, psicóloga e ecoterapeuta. Toda essa formação acadêmica faz com que a educadora alinhe projetos de educação ambiental à formação da personalidade de crianças e adolescentes com sofrimento mental, além de jovens que estão cumprindo medidas socioeducativas.

Adolescentes com sofrimento mental participam semanalmente de atividades no Centro de Educação Ambiental. O objetivo é a inclusão por meio da vivência com a natureza pelos sentidos.

“A primeira coisa é a formação de vínculo com a natureza. Nós só amamos aquilo que conhecemos, e muitos desses adolescentes que vêm até o parque nunca tiveram contato com a natureza. Na Páscoa deste ano fizemos uma ação com coelhos, e uma das alunas que tinha hipersensibilidade ao toque conseguiu se soltar e acariciar voluntariamente o animal”, relata Dib, emocionada com o resultado.

No primeiro semestre, alunos da Escola Municipal Santo Antônio fizeram parte do projeto. Adolescentes com diferentes transtornos e deficiências, como deficiência intelectual e Transtorno do Espectro do Autismo, fizeram uma série de atividades com animais, plantas e aproveitaram o contato com a natureza. No mês passado, o trabalho foi com a Escola Estadual de Ensino Especial Dona Argentina.

“Todos os trabalhos são acompanhados por professoras, terapeutas ocupacionais e pessoas que já trabalham com os alunos na própria escola. É um trabalho de educação ambiental multidisciplinar e transversal. E o melhor é ver a evolução deles. É o verdadeiro sentido da educação ambiental”, explica Dib.


Parceria


Jovens que estão cumprindo medidas socioeducativas também participam semanalmente de ações do CEA Centro-Sul, em uma parceria entre a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) e as secretarias de Estado de Educação (SEE) e de Segurança Pública, por meio da Subsecretaria de Atendimento Socioeducativo (SESP/SUASE).

“A Secretaria Municipal de Meio Ambiente tem dado muita ênfase no trabalho da educação ambiental. Hoje, temos sete centros de educação ambiental em funcionamento. A ideia sempre é ampliar esse projeto em todas as regionais. Ver um trabalho como esse ganhando forma e mudando a vida das pessoas é muito satisfatório”, pontua Mário Werneck, secretário municipal de Meio Ambiente.


Parque Amílcar Vianna Martins


Um mirante com vista para a cidade, brinquedos, academia a céu aberto e áreas de convivência são opções de lazer do Parque Municipal Professor Amílcar Vianna Martins, no bairro Cruzeiro. Implantado em 2000, o parque possui uma área de aproximadamente 18 mil m² e abriga o primeiro reservatório de água construído na cidade. O Reservatório da Serra, como é conhecido, mantém-se ativo desde 1897, abastecendo os bairros Serra, Anchieta e parte do Cruzeiro, São Lucas e Funcionários. A vegetação predominante é constituída por pinheiros-do-Paraná e árvores frutíferas e ornamentais. Esta área verde é altamente significativa para a região, que é densamente ocupada.
 

 

22/09/2017. CEA Centro Sul -Educação Ambiental. Fotos: Divulgação/PBH