Pular para o conteúdo principal

Os irmãos Joseílson e João Ricardo abrindo uma massa de pão na mesa da Padaria Pão Escola, onde fazem curso profissionalizante.
Foto: Adão de Souza/PBH

BH em Pauta: Cursos da Padaria Pão Escola

05/07/2017 | 21:53 | atualizado em 05/07/2017 | 21:59

Mudar de vida é um desejo que acompanha muita gente nas cidades brasileiras. Em tempos difíceis, de crise econômica e incertezas, essa vontade de mudança geralmente está ligada a questões profissionais e financeiras. E é exatamente a situação dos irmãos Joseílson e João Ricardo dos Santos Moraes. Eles nasceram na cidade de Coruripe, em Alagoas, e hoje moram em Belo Horizonte. Os dois estudam na Escola Municipal Efigênia Vidigal, no bairro Palmeiras, e se matricularam em um projeto profissionalizante mantido pela Prefeitura há 15 anos no Mercado da Lagoinha, na região Noroeste da capital: o Programa Pão Escola.
 


Joseílson e João Ricardo já trabalharam em padaria quando passaram pelo estado do Mato Grosso e estão terminando o curso de Auxiliar de Panificação Industrial. “Eu quero sair daqui um profissional com diploma na mão. Quero mudar a história da minha vida e tenho certeza de que isso é o melhor pra gente. Estou desempregado, por enquanto, pois eu quero sair daqui com um emprego para mim”, afirma Joseílson, de 30 anos.
 


Dez anos mais novo, o irmão João Ricardo também está desempregado, mas crê que tudo vai mudar a partir do trabalho desenvolvido no Pão Escola. “Nós trabalhamos juntos em padaria e eu gosto muito dessa área. O curso aqui é bom demais e eu também quero sair trabalhando, não importa onde. Trabalhando para os outros ou em algo nosso, o importante é trabalhar”, afirma João Ricardo, que chegou com o irmão há cinco anos na capital.


Parceria

O Pão Escola é promovido pela parceria entre três secretarias municipais: Educação, Segurança Alimentar e Assistência Social. Os alunos são prioritariamente integrantes do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), mantido pela Prefeitura nas escolas municipais, que recebem as inscrições dos interessados e repassam para a coordenação do curso, que fica por conta da Secretaria de Segurança Alimentar.
 


Pessoas atendidas em programas da Secretaria Municipal de Assistência Social também são inscritas para a formação, conforme seleção feita pela própria secretaria. São oferecidas 50 vagas por curso, sendo 25 na parte da manhã e outras 25 no período da tarde.
 


Atualmente, o Pão Escola oferece os cursos de Bolos Decorados, Auxiliar de Cozinha, Salgadeiro, Pizzaiolo, Confeitaria Caseira e Quitanda, Auxiliar de Confeitaria Industrial e Auxiliar de Panificação Industrial. Segundo o coordenador da Qualificação Programa Pão Escola, Elair Sanches Dias, os alunos saem do curso com possibilidade de atuação em vários locais de trabalho.
 


“O curso forma o auxiliar, mas com a intenção de que ele chegue com firmeza no local de trabalho. São cursos de panificação e confeitaria industrial porque formamos pessoas para trabalhar tanto em uma padaria que tem um balcão aberto ao comércio quanto uma padaria que atende a uma demanda maior, como hospitais, escolas, shows. Aquele tipo de padaria com equipamento industrial”, explica Elair, que diz encaminhar os alunos para empregos com muita tranquilidade, devido ao zelo na formação e certeza da boa qualificação.


Respeito e aprendizado

O Programa Pão Escola é realizado na Padaria Escola Nicola Calicchio, que fica no Mercado da Lagoinha (Avenida Antônio Carlos, 821, São Cristóvão) e oferece estrutura, equipamentos e utensílios, ampliando as oportunidades de aprendizado dos alunos que frequentam os cursos com o objetivo de obter ou aprimorar a qualificação profissional.
 


Sérgio Antônio da Silva é instrutor de formação profissional do Pão Escola há três anos. Segundo ele, além da formação profissional, a convivência com pessoas diferentes em outro ambiente é fator primordial para a mudança real na vida de muitos alunos. Porém, o que chama mais atenção de Sérgio é o cuidado com aquilo que é de todos, com o que é público.
 


“Eu trabalhei no Senac, no Senai, em empresas e outros estados, e tenho 14 anos como instrutor. Esse público, especificamente, dá uma resposta que parece até meio contraditória. Aqui é um curso oferecido pelo poder público e obviamente gratuito, as pessoas têm mais acesso ao material, à massa, pois são elas que pegam e fazem tudo, do peso dos produtos à limpeza. Isso faz com que sejam mais profissionais. Aqui, eles aprendem fazendo e acabam dando muito mais valor a tudo que existe aqui dentro”, salienta o instrutor.
 


Os alunos interessados em participar do Programa Pão Escola devem procurar a direção da própria escola municipal e manifestar a vontade de participar dos cursos.

 

05/07/2017. Padaria Pão Escola. Fotos: Adão de Souza/PBH