Pular para o conteúdo principal

Campanha de trânsito é realizada em faixa de pedestre. Dois personagens: um mímico segurando um guarda chuvas escrito "Obrigado por me respeitar" e uma mão verde, que representa o "pare" do semáforo. Além de um guarda municipal de costas.
Foto: Divulgação/PBH

BH em Pauta: Após medidas, acidentes de trânsito diminuem

25/09/2017 | 17:02 | atualizado em 02/10/2017 | 11:31

 

Apesar do aumento significativo da frota de veículos em Belo Horizonte nos últimos anos, os acidentes de trânsito têm diminuído significativamente. A frota, que era de 655.227 veículos em 1999, passou para 1.714.233 em 2015. Dados estatísticos mostram que, em 2000, foram registradas 4,37 mortes para cada dez mil veículos e, em 2015, a taxa caiu para 0,89 morte. Nesse mesmo período, a taxa de atropelamentos por 10 mil veículos passou de 61,02 mortes para 11,48.
 

O excesso de velocidade está ligado ao aumento do número de acidentes. Em Belo Horizonte, cidade escolhida pelo Ministério da Saúde para desenvolvimento do programa Vida no Trânsito, desde 2010, foram identificados dois fatores e dois grupos de vítimas prioritários que nortearam as medidas de prevenção, com base na análise dos cruzamentos das diversas fontes de dados da área do trânsito e da saúde: excesso de velocidade, dirigir após ingerir bebida alcoólica, pedestres e motociclistas.
 

De acordo com a assessora da diretoria de Ação Regional e Operação da BHTrans, Mônica Mendes, o desenvolvimento de ações integradas pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), com equipes intersetoriais de saúde, educação e trânsito, é fundamental na elaboração e execução de um plano de ações para a cidade, a fim de mitigar os riscos de acidentes.
 

Em 1999, a BHTrans começou a implantar os equipamentos de fiscalização eletrônica na capital. Desde então, as estatísticas de acidentes vêm diminuindo significativamente. A utilização de dispositivos de controle de velocidade, conjuntamente com outras ações voltadas para o aumento da segurança de circulação viária, como campanhas e ações educativas, projetos e a revitalização de travessias e cruzamentos, que foram implantados pela BHTrans, têm contribuído para que os índices de acidentes venham caindo a cada ano.
 

Outra ação que tem contribuído para a redução de acidentes são as blitze da Lei Seca, planejadas semanalmente e executadas pelo BPTran, Polícia Militar, Detran, Polícia Civil e BHTrans. Os locais e as metas são estabelecidos conjuntamente entre os parceiros estratégicos desta ação.
 

Para aumentar a segurança dos motociclistas, em 2016 a BHTrans deu início à implantação dos motoboxes, uma área de acomodação para as motos, entre a faixa de pedestres e a faixa de retenção para veículos. O objetivo é diminuir o conflito com os demais veículos no momento da abertura do semáforo, aumentar o respeito das motos à linha de retenção e à faixa de pedestres e dar mais visibilidade às travessias dos pedestres. 

 

Foco nos pedestre

Outra ação que merece destaque é o aumento do tempo dos semáforos para pedestres. Com as intervenções da Operação Trânsito Melhor (Mobicentro), da BHTrans, o tempo de sinal aberto para os pedestres foi triplicado em várias travessias, como no cruzamento das Avenidas Afonso Pena e Amazonas, passando, em média, de 17 para 60 segundos. 
 

Em outros cruzamentos, os tempos para travessia dos pedestres tiveram um ganho de aproximadamente 50%, passando de, em média, 16 segundos para 30. Estes locais ainda receberam obras que ampliaram as condições de segurança, com criação de ilhas de refúgio para os pedestres e redução de três para dois tempos nos semáforos em vários locais. 

Atualmente, Belo Horizonte tem 1.010 interseções semaforizadas, das quais 867, ou seja, 86%, com foco para pedestre. 


A BHTrans vem realizando também pinturas especiais de faixas para travessia de pedestres em vias próximas a escolas. O objetivo é conscientizar motoristas e motociclistas que naquele trecho da via há uma escola/instituição infantil e, por sua vez, a constante travessia de crianças e adolescentes. “O intuito dessa faixa personalizada, com signos que remetem à escola, é chamar a atenção do condutor e criar uma cultura em Belo Horizonte que diz: se tem essa faixa na via, tem uma escola, portanto, devo reduzir a velocidade e dar preferência aos pedestres”, pontua o diretor de sistema viário José Carlos Ladeira.
 

Belo Horizonte já possui 40 locais com novas faixas personalizadas nas proximidades de escolas.


 Durante as ações na Semana Nacional de Trânsito e na Semana da Mobilidade Urbana, a BHTrans participou de várias ações para incentivar a reflexão e a adoção de comportamentos mais responsáveis no trânsito entre motoristas, pedestres, ciclistas e motociclistas.