Pular para o conteúdo principal

Arte feita pela PBH
Foto: Arte/PBH

BH é a 3ª grande cidade do país com a menor taxa de mortalidade por Covid-19

criado em 14/02/2022 - atualizado em 15/02/2022 | 07:56

A Prefeitura de Belo Horizonte se preparou desde o início da pandemia para garantir assistência a toda a população. As decisões tomadas pela administração, como a flexibilização das atividades e dos serviços, além das recomendações sanitárias, tiveram o objetivo de preservar vidas. 

De acordo com dados fornecidos pelo Ministério da Saúde e consolidados pela Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (ver gráfico), Belo Horizonte é a terceira cidade com mais de 1 milhão de habitantes que possui a menor taxa de mortalidade do país por Covid-19. 

O cálculo considera o número de mortes a cada 100 mil habitantes, para que a análise se dê de maneira proporcional e não por número absoluto. Além disso, as cidades de grande porte possuem maior proporção de idosos.Mesmo fazendo o cálculo dessa maneira, percebe-se que as cidades que estão à frente de Belo Horizonte com menor taxa de mortalidade possuem apenas 1/3 da população da capital mineira.

São Luiz possui 1,1 milhão de habitantes (237 mortes a cada 100 mil habitantes) e Maceió 1 milhão de habitantes (282 mortes a cada 100 mil habitantes). Belo Horizonte possui quase 3 milhões de habitantes e tem taxa de mortalidade de 287,9 habitantes, conforme os últimos dados apurados no Ministério da Saúde.

A cidade com maior de taxa de mortalidade do Brasil é o Rio de Janeiro (531,8), seguida da Goiânia, com 469,5.

Por meio dos dados é possível verificar que a pandemia está mais concentrada nas capitais por essas localidades possuírem maior adensamento populacional. Além disso, as cidades de maior porte possuem estrutura etária mais envelhecida. Diante desse cenário, é importante destacar que os riscos de morte por Covid-19 tendem a ser maiores nas capitais. 

“A maior parte da população e os setores de atividades econômicas se comprometeram adotando as medidas preventivas e sanitárias vigentes. Esse trabalho em conjunto nos trouxe um resultado que demonstra que todo esforço valeu a pena. A vida é e sempre será prioridade em Belo Horizonte”, disse o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto. 


Reconhecimento internacional 

As estratégias definidas no combate à pandemia fizeram com que Belo Horizonte fosse destacada em estudo internacional, indicando que se as 14 capitais avaliadas tivessem a mesma condução adotada pelo município, cerca de 328 mil mortes teriam sido evitadas no país. Para obter tais resultados, o Imperial College London comparou o controle da pandemia de Covid-19 e demonstrou que fatores como os investimentos nos recursos de saúde, a otimização da atenção à saúde e a preparação adequada para o enfrentamento foram medidas essenciais. 

O município apresentou índices inferiores às demais capitais quando avaliados os indicadores de casos, severidade e óbitos por Covid-19. A avaliação considerou a estrutura hospitalar, o número de médicos e o manejo de pacientes. 

Acompanhamento permanente 

Atualmente, os índices têm apresentado estabilidade, mas é necessário que a população siga adotando as medidas preventivas, como o uso correto da máscara, distanciamento social, higienização das mãos e etiqueta respiratória, além do esquema vacinal completo. É importante reforçar que quem não se vacina fica mais vulnerável à infecção pelo Sars-CoV-2. A orientação é de que todas as pessoas, incluindo as crianças de 5 a 11 anos, sejam imunizadas para garantir a proteção contra a Covid-19. 

A Secretaria Municipal de Saúde e o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 monitoram diariamente os números epidemiológicos e assistenciais da doença e qualquer agravamento que comprometa a capacidade de atendimento na Rede SUS-BH será tratado como forma de garantir a segurança da população.