Pular para o conteúdo principal

Agricultor familiar, com caixa de plástico, olha terras cultivadas.
Foto: Divulgação PBH

Banco de Alimentos recebe produtos da agricultura familiar

18/12/2017 | 15:11 | atualizado em 22/02/2018 | 17:37

A Prefeitura, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional (SUSAN), mantém o Banco de Alimentos de Belo Horizonte. O trabalho realizado no Banco de Alimentos divide-se em três eixos: Educação Alimentar, Redução do Desperdício e Combate à Fome. 

 

O Banco recebe produtos que perderam o valor para o comércio, mas que ainda estão adequados para o consumo. Os alimentos recebidos são selecionados e distribuídos gratuitamente a instituições cadastradas, sem fins lucrativos, que produzem e distribuem refeições gratuitas a pessoas em situação de vulnerabilidade social. As doações são oriundas de supermercados, sacolões e de agricultores familiares cadastrados no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) na cidade.

 

O PAA é um programa do Governo Federal que busca promover o acesso à alimentação e incentivar a agricultura familiar. Por meio do Programa, o Ministério do Desenvolvimento Social destina recursos para a compra de alimentos produzidos por agricultores familiares. A administração da verba é realizada pelos municípios, que também selecionam os produtores e definem o destino dos alimentos. Em Belo Horizonte, o PAA é gerido pela Gerência de Fomento à Produção da SUSAN.


Atualmente, a cidade conta com 97 agricultores familiares cadastrados, que fornecem alimentos a serem destinados para a preparação de refeições dos Restaurantes Populares, assim como para o consumo em instituições socioassistenciais, tais como creches e abrigos. O edital de seleção de novos agricultores é aberto anualmente, com um orçamento total de aproximadamente R$ 400 mil, aberto para fornecedores de todo o estado. Entre os critérios de seleção, priorizam-se a proximidade com a capital; famílias chefiadas por mulheres; produtores de povos e comunidades tradicionais e de assentamentos populares.


Eni Resende Coelho é produtora de folhosos, integrante da Associação de Hortifrutigranjeiros de São Joaquim de Bicas e fornece couve para os Restaurantes Populares. Ela conta que a participação no Programa melhora a renda e evita o desperdício de alimentos excedentes da produção. “Esse projeto ajuda muito o produtor porque garante o escoamento da produção que o comércio local não absorve. A gente não perde mais nada em épocas de muita produção”, completa.


Eulália de Lima Gomes, coordenadora da Central de Abastecimento da Agricultura Familiar e Urbana e do Banco de Alimentos, relata que o trabalho do Banco fortalece a agricultura familiar, atende quem está em situação de vulnerabilidade social e promove a alimentação saudável. “O Banco de Alimentos é um patrimônio da população de Belo Horizonte. É um programa que possibilita o acesso dos cidadãos à segurança alimentar, além de contribuir para preservar o Meio Ambiente e minimizar o desperdício”, destaca. 

 


Banco de Alimentos

 Rua Tuiuti, 888, Padre Eustáquio

Telefones: 3277-5713 e 3277-4781

Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h

 

 

18/12/2017. Banco de Alimentos. Fotos: Divulgação/PBH