Pular para o conteúdo principal

Mulher senegalesa
Foto: Divulgação

Ativista senegalesa em direitos humanos vem a BH e visita programa da Prefeitura

20/11/2019 | 18:45 | atualizado em 21/11/2019 | 17:49
A programadora e executiva senegalesa Mariéme Jamme estará em Belo Horizonte como palestrante principal da She’s Tech Conference – evento que acontece desta quinta-feira, dia 21, a sábado, dia 23, – e quer conhecer o “Programando os Sonhos Delas” – lançado recentemente pela Prodabel e voltado para o ensino de informática a mulheres em vulnerabilidade social.

 

Mariéme Jamme é fundadora do movimento I Am the Code, que mobiliza governos, empresas e investidores para apoiar meninas e jovens mulheres em ciência, tecnologia, engenharia, artes, matemática e design. Na capital, ela vai saber mais sobre o programa desenvolvido pela Prodabel para ensinar linguagens de programação a mulheres em situação de vulnerabilidade social e, em seguida, inserí-las no mercado de trabalho.

 

O “Programando os Sonhos Delas” se tornou finalista no concurso World Smart Cities Award (Prêmio Mundial de Cidades Inteligentes) na categoria “Cidades Inclusivas e Compartilhadoras”. Mais de 450 projetos de 54 países foram inscritos no concurso. Três deles foram para a final, incluindo o programa da Prefeitura.   

 

 

Mariéme Jamme

É a primeira vez que Mariéme Jamme vem a Belo Horizonte. Ela irá narrar sua experiência à frente do I Am the Code e falar sobre o seu objetivo de empoderar, através da educação e conhecimento, cerca de 1 milhão de mulheres e meninas no mundo todo até 2030.

 

Mariéme já foi premiada pelo Fórum Econômico Mundial, pela UNICEF e pela Melinda Gates Foundation, além de ter sido reconhecida pela Forbes, UK Powerlist, African Business Magazine e BBC como uma das mulheres mais influentes da África e uma das principais lideranças do mundo.

 

A ativista foi abandonada pela mãe e viveu em orfanatos na área rural do Senegal, na África. Aos 13 anos foi traficada para Paris e resgatada pela polícia. Já na adolescência, enquanto realizava trabalhos informais, passou a frequentar bibliotecas e, assim, aprendeu sozinha a ler e a programar em sete idiomas. “Quando você não tem habilidades ou qualificações, faz tantas coisas que, em algum momento, consegue encontrar seu destino Eu me tornei a voz dos sem voz. Não queria me tornar uma mulher negra furiosa, mas queria ajudar estas africanas a entenderem que elas têm a responsabilidade de mudar a sociedade”, disse ela recentemente ao blog Capitu, do jornal O Estado de S. Paulo.  


Últimas Notícias

Agentes da Defesa Civil em atendimento na Vila Biquinhas Prefeitura atende 474 chamados em razão das chuvas nas últimas 36 horas

Assim como no dia anterior, moradores do Barreiro foram os que mais acionaram a Defesa Civil, totalizando 53 chamados nesta sexta-feira.

24/01/2020 | 19:10
Ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, o procurador-geral de Justiça Antônio Sérgio Tonet e o prefeito Alexandre Kalil Ministra Cármen Lúcia visita gabinete do prefeito no COP

O encontro foi realizado no Centro Integrado de Operações de Belo Horizonte (COP-BH), para onde o prefeito transferiu seu gabinete.

24/01/2020 | 14:23