Pular para o conteúdo principal

Ação cultural transforma Praça da Liberdade em galeria de arte a céu aberto

23/07/2018 | 19:44 | atualizado em 05/11/2018 | 09:07

  Uma ação da Prefeitura de Belo Horizonte, em parceria com o Instituto Amado, vai transformar a Praça Liberdade em uma galeria a céu aberto. A atividade, promovida por meio do Movimento Gentileza e que começou nesse domingo, dia 22, deve terminar nesta terça-feira. Os tapumes que cercam a praça, interditada em função de obras de revitalização, serviram de telas para artistas do grafite e muralismo. 
 

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, acompanhou a primeira dama Ana Laender, voluntária social e idealizadora do projeto, durante a execução dos trabalhos e o processo de criação dos artistas que fizeram as intervenções na Praça.
 

“Esse é mais um ato de gentileza! O Instituto Amado nos procurou e acionamos toda operação da Prefeitura que vai alegrar a cidade. Participaram a Sudecap, a Secretaria Municipal de Política Urbana, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania e também do Movimento Gentileza. Isso é amor pela cidade, essa é uma equipe apaixonada” ressalta o prefeito.
 

“Esse é um dia histórico, talvez a gente tenha aqui o maior museu a céu aberto sendo construído por 57 artistas, é um evento que coloca Belo Horizonte na rota do muralismo mundial. Com o apoio da Prefeitura de Belo Horizonte, acredito que conseguimos ser uma referência de arte urbana no mundo” afirma o presidente fundador do Instituto Amado, Gustavo Ziller.
 

Durante a ação, uma parte dos tapumes ficou livre para a população se expressar. Crianças e adultos tiveram a oportunidade de usar as tintas contribuindo para esse momento especial da arte urbana na capital. A professora de educação infantil, Patrícia Chaves, estava acompanhando o trabalho dos artistas com seus dois filhos e aprovou a ação. “É uma possibilidade de as crianças terem contato com a arte, de maneira prática, não só teórica. A manifestação artística amplia os horizontes e traz não só uma experiência lúdica, mas real tanto para os filhos, quanto para os pais”.

 

Chamamento público

O Instituto Amado realizou um chamamento público e selecionou 57 artistas que pintaram os painéis, simultaneamente. Cada artista selecionado recebeu da Prefeitura de Belo Horizonte um kit com materiais de pintura; uma ajuda de custo de R$300 do Instituto Amado, além de um kit alimentação fornecido por outros parceiros.
 

Rodrigo Scalabrini, conhecido como “Kaos” foi um dos artistas selecionados que também já participou do Movimento Gentileza com intervenções artísticas nas Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI). Ele ressalta que o grafite é uma arte que foi muito marginalizada mas agora vem ganhando espaço nas ruas de Belo Horizonte agregando valor cultural para a cidade.

 

Tapume na praça da liberdade
Tela grafitada por Rodrigo Scalabrini, o Kaos
Tapume na praça da liberdade
Tela grafitada por Maria Raquel Bolinho
Fotos: Adão de Souza/PBH

 

Participando pela primeira vez de uma ação do Movimento Gentileza, a artista Maria Raquel Bolinho, conhecida por grafitar bolinhos pela cidade, é um dois artistas selecionados. “Estou fazendo os bolinhos das Meninas Super Poderosas, é um desenho importante que traz uma pitada de feminismo para a cabeça das crianças. Eu queria um lugar especial, movimentado e aqui acredito que seja o lugar ideal”. 
 

Os painéis vão ficar expostos para população da capital mineira até a conclusão das obras da praça, prevista para o final do ano.
 

Mais fotos no Flickr da PBH.