Pular para o conteúdo principal

Foto: Benjamin Abras
Foto: Ladan

11ª edição do Festival de Arte Negra de BH lança data, conceito e abre inscrição

criado em 19/11/2021 - atualizado em 19/11/2021 | 17:02

A Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Centro de Intercâmbio e Referência Cultural (CIRC), anuncia data, conceito e identidade visual do Festival de Arte Negra de Belo Horizonte (FAN BH). O evento acontecerá entre os dias 4 e 12 de dezembro, em diferentes espaços da capital, com atividades presenciais e virtuais. O FAN BH 2021 tem o tema “Muvuca de Pretuntu” e apresentará, como novidade, a união de artistas, de linguagens diversas, nas “Muvucas Artísticas”, espaços de criação colaborativa e apresentação de espetáculos inéditos, criados especialmente para o festival. Toda a programação é gratuita. O FAN BH 2021 será realizado observando todos os protocolos de combate à Covid-19 vigentes na capital mineira. 

No sábado, dia 20, Dia da Consciência Negra, o FAN BH abre as inscrições para a Residência Artística Afro Butoh Nzila ti N’gombe, ministrada por Benjamin Abras, com participação de Cátia Costa e Mukanya. Para se inscrever, é necessário preencher o formulário disponível no endereço pbh.gov.br/fanbh até 28 de novembro.  

O público-alvo são adultos, artistas da dança e teatro. A residência é gratuita e serão oferecidas 20 vagas. A seleção das pessoas participantes será realizada pelo ministrante e o resultado divulgado pelo site e redes sociais do FAN BH no dia 1º de dezembro. A aula magna, no dia 6 de dezembro, será realizada de forma virtual, com transmissão pelo canal de Youtube da Fundação Municipal de Cultura, e aberta ao público geral, sem necessidade de inscrição. Já as aulas seguintes, entre os dias 7 e 10, acontecem de forma presencial, durante a programação do festival, no Centro de Referência da Dança de Belo Horizonte. 

Sobre a residência Afro Butoh Nzila Ti N’gombe de Benjamin Abras 

Afro Butoh, tema dessa residência artística, é um campo de pesquisa performativo e filosófico contemporâneo, em que a arte atua na descolonização, através de técnicas advindas da ritualística e filosofias afro-diaspóricas brasileiras. Os fundadores são Tatsumi Hijikata e Kazuo Ohno e Yoshito Ohno, com o qual Benjamin Abras teve oportunidade de dançar e dialogar. 

Ao longo de 10 anos, o Afro Butoh foi utilizado pelo artista no Brasil, em espetáculos como Madame Satã e ZUMBI, e vivenciado na Europa, Ásia e África. Para isso, Benjamin Abras vale-se da ritualidade como ação política, reescrita da memória e desconstrução do corpo institucionalizado, colonizado pelas identidades eurocêntricas. 

O trabalho oferece aos participantes uma imersão prática filosófica nas danças de Kalunga, na filosofia do Catimbó de preto velho, trabalhando imersivamente em três técnicas: ressonância de Umbanda, educação afro-somática e transe da presença. 

Sobre o conceito e identidade visual do FAN BH 2021

Buscando transmitir tema “Muvuca de Pretuntu”     e as relações da cultura Bantu com as tradições negras de Minas Gerais, o FAN BH convidou, para criar a identidade visual dessa edição, o coletivo Minas de Minas Crew, de Belo Horizonte, e o designer Vinícius Costa, de Cataguases (MG). 

As quatro ilustradoras do grupo criaram uma imagem representando a conexão energética dos pés sobre o chão, com a dança e o movimento referentes às tradições negras, representando a abertura de caminhos e a força de permanência da cultura popular. Já o designer convidado, a partir de referências também da física quântica e da partícula filosófica do “Ntu” africano, buscou formas e símbolos que contemplam a energia e os encontros do evento neste ano.   

A curadoria do FAN BH 2021 é composta pela atriz, cantora e compositora Júlia Ribas, pelo artista plástico e pesquisador Froiid e pelo cantor e compositor Sérgio Pererê. A direção artística desta edição é de Aline Vila Real, diretora de Promoção das Artes da Fundação Municipal de Cultura. 

Sobre o Festival de Arte Negra de Belo Horizonte 

O Festival de Arte Negra de Belo Horizonte é parte integrante da política pública de cultura do município e é um dos maiores eventos dedicados à arte e à cultura negra na América Latina. Ao longo de sua trajetória, o Festival tem se consolidado como um importante fórum de encontros entre artistas locais, nacionais e internacionais para compartilhar ideias, procedimentos, perspectivas e técnicas sobre a Arte Negra. 

A edição mais recente do FAN BH aconteceu em novembro de 2019 e teve como eixo de reflexão “Território Memória”, articulado às práticas culturais e artísticas negras. A programação da 10ª edição levou 510 artistas a diversos palcos da cidade, sendo 330 de Minas Gerais e 180 de outros 10 estados e países como Alemanha, Gana e Senegal. Foram realizadas 150 atividades, alcançando um público de mais de 25 mil pessoas. 

Serviço 

Inscrições para a Residência Artística Afro Butoh Nzila ti N’gombe
Período: de 20 a 27 de novembro
Forma de inscrição: A partir de formulário no endereço pbh.gov.br/fanbh