Pular para o conteúdo principal

Zoológico apoia campanha nacional contra atropelamento de animais
Foto: Daniel Alves/Divulgação

Zoológico apoia campanha nacional contra atropelamento de animais

criado em 13/04/2022 - atualizado em 13/04/2022 | 17:04

“Todos pela redução do atropelamento de animais” é o mote da campanha nacional Ajudar é o Bicho, que será lançado no próximo sábado, dia 16, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da responsabilidade no trânsito e como isso afeta o número de animais mortos nas estradas. O Zoológico de Belo Horizonte é uma das instituições parceiras e, nesse dia, irá realizar  atividades em diferentes espaços.

Segundo estimativas do Centro Brasileiro de Ecologia de Estradas (CBEE) da Universidade Federal de Lavras, todos os anos mais de 475 milhões de animais selvagens são atropelados e mortos nas ferrovias e rodovias em todo o país. As ações no Zoo de BH buscam possibilitar que os visitantes entendam um pouco mais sobre o tema e se sensibilizem sobre os impactos desses números para a preservação da fauna brasileira.

Durante a manhã, de 10h às 13h15, equipes da Gerência de Educação Ambiental e da Gerência do Jardim Zoológico estarão mobilizadas promovendo bate-papos e a entrega de materiais informativos e educativos. Além disso, os visitantes poderão conhecer sobre algumas espécies que estão sob os cuidados da instituição e que integram a lista dos mais afetados por atropelamentos nas estradas. Dentre elas, a anta, o lobo-guará, o mico-leão-dourado, a onça-pintada e o tamanduá-bandeira.

O importante papel dos Zoológicos

Os zoológicos desempenham um importante papel junto aos órgãos de fiscalização no acolhimento, tratamento e reabilitação de animais atropelados, que contam com o acompanhamento de especialistas como tratadores, biólogos, médicos veterinários e zootecnistas. Todos trabalham com o intuito de lhes oferecer mais conforto e bem-estar.

Zoo de BH em números

 

  •  235 espécies de animais silvestres
  • 3.800 indivíduos entre peixes, répteis, aves e mamíferos
  • 78% animais da fauna nacional e 22 % da fauna exótica
  •  60% da fauna nacional proveniente de apreensões do IBAMA, IEF, programas de resgate de fauna e crimes ambientais. Os animais também chegam através dos Planos de Conservação, permutas entre outros zoos e dos nascimentos no Zoo
  •  18% são espécies ameaçadas de extinção

 

Foco na conservação

 

  • Plano de manejo e Programa de bem-estar animal
  • Plano de População
  • Atendimento veterinário
  • Programa nutricional
  • Enriquecimento e ambientação de recintos
  • Participação em 19 Planos de Ação Nacional para a Conservação de Espécies Ameaçadas - ICMBio, 9 programas de manejo de espécies ameaçadas – AZAB/ICMBio e 12 studbooks nacionais e internacionais
  • Participação do Programa Europeu de Espécies Ameaçadas de Gorilas (Gorilla EEP).


Sobre a Campanha Ajudar é o Bicho

A campanha Ajudar é o Bicho continuará durante todo o ano de 2022, tendo seu encerramento no Dia Nacional de Urubuzar, em novembro.

Os pilares da Ajudar é o Bicho são os zoológicos, aquários e as universidades. Nos zoológicos parceiros, ao chegar ao recinto de um animal afetado por atropelamento, o visitante terá um banner com informações dos impactos e mapas de áreas com mais atropelamentos. São disponibilizados, ainda, Qr Codes para baixar o aplicativo do Sistema Urubu e acessar a página oficial da campanha.

O aplicativo Sistema Urubu

Lançado em 2014, o Sistema Urubu tem a proposta de mapear as áreas com maior concentração de atropelamentos. Nesses anos de existência, o aplicativo, que é uma rede social de conservação da biodiversidade, reuniu mais de 50 mil pessoas e mais de 40 mil registros de animais atropelados. Em abril de 2021, ele foi relançado com novidades e ainda mais interativo, podendo ser baixado gratuitamente para Android e iOS.

Alguns dados disponibilizados pela campanha Ajudar é o Bicho

Regiões que mais atropelam:

Sudeste: 56%

Sul: 29%

Nordeste: 9%

Centro-Oeste: 5%

Norte: 1%

Quem é mais atropelado:

Pequenos animais: 90%

Animais de médio porte: 9%

Grandes animais: 1%

Algumas espécies mais afetadas:

Lobo-guará

Anta

Seriema

Sapo

Mico-leão-dourado

Onça-pintada

Tatu-canastra

Tamanduá-bandeira