Pular para o conteúdo principal

Unidade de Crimes Ambientais da Guarda Municipal tem intensa atuação na capital
Foto: Divulgação/GCMBH

Unidade de Crimes Ambientais da Guarda Municipal tem intensa atuação

criado em 20/04/2022 - atualizado em 25/04/2022 | 19:03

Manter Belo Horizonte como uma cidade que se preocupa com a qualidade de vida de sua população, a partir de uma constante vigilância voltada para a preservação ambiental, é o objetivo da Secretaria Municipal de Segurança e Prevenção. Para dar ainda mais destaque a essa premissa, foi criada a Unidade de Crimes Ambientais Urbanos (CAMU) da Guarda Municipal, em parceria com a Polícia Civil de Minas.

 

A formalização de um Termo de Cooperação Técnica estabeleceu a mútua cooperação entre a Guarda Municipal e o Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente (DEMA) da Polícia Civil, para atuar no combate a crimes ambientais em todas as regiões da capital, a partir do fortalecimento da articulação e interação entre as duas instituições.

 

Coordenada pelo biólogo, médico veterinário e servidor de carreira da Guarda Municipal, Crislem Martins, a CAMU representa uma estrutura operacional da corporação, especializada na prevenção a crimes ambientais. Ele explica que cabe ao grupo, desta forma, atuar de forma conjunta, sistêmica e integrada com os demais órgãos de segurança pública e de defesa social, no monitoramento, registro, análise e prevenção de crimes ambientais e de outras desordens públicas.

 

Lista de atribuições

 

Consta na lista de tarefas da CAMU trabalhar no combate à perturbação do sossego, contra invasões de propriedades, o descarte de lixo em locais inadequados, os maus-tratos aos animais, as pichações e as depredações do patrimônio e a poluição ambiental, além de coibir os crimes contra a fauna e a flora. “As ações de segurança preventiva do ecossistema da capital, por exemplo, englobam 38 milhões de m² de áreas vegetadas, que estão distribuídas entre 75 parques, mais de 750 praças e jardins, além de outros cerca de 210 espaços livres para uso público, incluídos na categoria de áreas verdes públicas", destaca Crislem.

 

Como responsável pela Unidade de Crimes Ambientais da Guarda Municipal, ele conta que encara com otimismo a missão, por considerá-la uma oportunidade de estabelecer o convívio mais saudável da população com a natureza. “A biologia nos proporciona uma visão sistemática da relação entre o ser humano e o ambiente, a fim de promover o equilíbrio nesse convívio entre os dois. Este conhecimento, somado ao papel do médico veterinário, que é voltado para o cuidado com a fauna, seja ela doméstica ou silvestre, possibilita uma melhor compreensão da nossa conexão com o meio ambiente, destacando a relevância da preservação da natureza nos espaços urbanos”, avalia.

 

Maus-tratos e abandono

 

Com uma população de cerca de 2,5 milhões de habitantes, Belo Horizonte é uma cidade que demanda empenho para estabelecer uma relação de equilíbrio entre o homem e a natureza. Neste contexto, a falta de cuidados adequados por parte dos tutores com os seus animais domésticos resulta em cenas constantes de cavalos soltos em vias públicas, cães e gatos abandonados em praças e parques, ou ainda de pets mantidos em espaços impróprios, submetidos a condições de maus-tratos.

 

Para combater o problema, a Guarda Municipal atua de forma integrada com equipes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde, da Polícia Civil, do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e do IBAMA, formando uma rede articulada de proteção do meio ambiente, que conta também com a parceria de lideranças comunitárias e de ONGs de defesa dos animais.

 

Essa atuação integrada tem permitido à Prefeitura fazer o acionamento da rede de forma imediata, logo que um problema é identificado, garantindo desde a prevenção sanitária, o atendimento e o acolhimento dos animais feridos, até a responsabilização criminal de seus donos pela Polícia Civil, tudo de forma ágil e sem burocracia. Os guardas municipais realizam também rondas preventivas nos espaços públicos e fazem a verificação de denúncias recebidas pelo Portal de Serviços da Prefeitura, em todas as regiões da cidade.  Uma atuação educativa feita com a participação de equipes de jovens do projeto de Escotismo da Guarda, completa o ciclo.