Pular para o conteúdo principal

Em dia nublado, árvores em primeiro plano e prédios de Belo Horizonte ao fundo
Foto: Carmem Tótaro

Rajadas de vento causaram quedas de árvores no Hipercentro

02/10/2017 | 20:03 | atualizado em 05/10/2017 | 17:41
Uma vistoria realizada por técnicos da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, constatou que a palmeira da espécie Caryota urens que caiu, nesta segunda-feira, 2 de outubro, na Rua dos Timbiras, no Hipercentro de Belo Horizonte, encontrava-se saudável e sem nenhum sintoma que levasse à indicação de sua supressão. A queda da palmeira, que causou a morte de um taxista, aconteceu em decorrência dos fortes ventos que atingiram a capital durante um temporal registrado no início da tarde.
 
De acordo com a Defesa Civil, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, foram registradas rajadas de vento com velocidades entre 60 km/h e 85 km/h. Em geral, ventos a partir de 50 km/h já representam riscos para árvores e outros tipos de elementos urbanos.
 
Também no início da tarde, na Praça Sete, uma árvore da espécie Ficus benjamina caiu em decorrência de fortes ventos. Técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente também constataram que a árvore estava saudável.
 
Atualmente, estima-se que Belo Horizonte tenha 480 mil árvores em seus logradouros públicos. Cerca de 2 mil árvores, distribuídas entre as espécies Munguba e Paineira, estão sendo acompanhadas e monitoradas em função de uma infestação do inseto Euchroma gigantea, conhecido como “besouro metálico”, que pode ocasionar o comprometimento dos sistemas estruturais dessas árvores. Deste montante, 600 unidades já foram suprimidas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e as outras 1.400 estão sendo vistoriadas e, caso seja identificado risco de queda, também serão suprimidas.
 
Vale ressaltar que o trabalho de vistoria e monitoramento das árvores é permanentemente realizado pelo corpo técnico da Prefeitura de Belo Horizonte, que se encontra distribuído por todos os órgãos de gestão regional da cidade. Cada equipe conta, em média, com três profissionais, entre engenheiros florestais e agrônomos, responsáveis pelo monitoramento, além do acompanhamento, orientação e apoio pelo corpo técnico da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. 
 

Inventário das Árvores

O inventário de 300 mil árvores, feito pela Universidade Federal de Lavras nas regiões Leste, Centro-Sul, Noroeste, Oeste, além de parte da Pampulha, já foi concluído. Uma nova contratação deverá ser licitada para a execução do inventário de 180 mil árvores nas regiões Norte, Nordeste, Venda Nova, Barreiro e parte faltante da Pampulha.

Região

Árvores em logradouros públicos

Árvores em afastamentos frontais de imóveis

Total

Leste

22.444

9.329

31.773

Noroeste

40.146

19.014

59.160

Oeste

37.485

16.723

54.208

Centro-Sul

62.131

28.541

90.672

Pampulha

(dado parcial)

42.203

(dado parcial)

21.986

(dado parcial)

64.189

(dado parcial)

Total

204.409

95.593

300.002