Pular para o conteúdo principal

Agente comunitário de saúde realiza conferência de vasilhas, possíveis focos de reprodução do mosquito da dengue
Foto: Mara Damasceno/PBH

Política de Vigilância em Saúde de BH é referência nacional

06/11/2017 | 18:23 | atualizado em 09/11/2017 | 17:14

O trabalho de Vigilância em Saúde realizado em Belo Horizonte foi reconhecido em âmbito nacional e será apresentado na I Conferência de Vigilância em Saúde, marcada para esta terça-feira, dia 7, em Campo Grande (MS). As ações implantadas em BH no controle da dengue e da leishmaniose, premiadas na Mostra Nacional de Experiências Bem Sucedidas (Expoepi 2017) serão os temas apresentados pelo subsecretário de Vigilância e Atenção à Saúde, Fabiano Pimenta.

 

Belo Horizonte se destaca com a execução de iniciativas pioneiras no que se refere à Vigilância em Saúde, área que tem a função de antecipar medidas preventivas, monitorar indicadores de saúde, programar e executar ações coletivas. Entre as ações preventivas executadas neste ano, destacam-se o monitoramento de primatas, a ampla vacinação contra a febre amarela e interdição de parques que apresentavam risco de contaminação.

 

Por ter um trabalho bem estruturado, Belo Horizonte foi a primeira capital escolhida para o desenvolvimento do projeto Eliminar a Dengue: nosso desafio. Parceria com a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), o projeto conta com financiamento internacional. A partir do ano que vem, a bactéria Wolbachia será introduzida, em laboratório, no mosquito Aedes aegypti, vetor da dengue, zika e chikungunya. Assim, o mosquito que hospeda a bactéria não será capaz de transmitir os vírus dessas doenças. Esses mosquitos, liberados no meio ambiente, irão se reproduzir, inibindo a transmissão.