Pular para o conteúdo principal

Arte sobre a Poesia Virtual.
Foto: Acervos Pessoais

Poesia visual é tema de roda de conversa no Pampulha Território Museus

criado em 17/11/2021 - atualizado em 17/11/2021 | 17:56

A Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Instituto Periférico, apresenta a roda de conversa "Poesia Visual". A atividade integra a programação do Pampulha Território Museus e é um recorte da exposição "Gráficografia", que reúne obras do acervo do Museu de Arte da Pampulha dedicada a pensar a poesia visual.  A roda de conversa conta com a participação do artista e editor Flávio Vignoli (Tipografia do Zé) e os artistas Adriano Nascimento (Aerográfica), Luis Matuto (Prensa Bruta) e Gabriel Nascimento (Coletivo 62), todos com obras no acervo do MAP. A iniciativa acontece no dia 25, às 19h, e as inscrições podem ser feitas pelo site, de forma gratuita, até o dia do evento. Mais informações, clique aqui.

 

Os convidados formam um grupo de pesquisadores com interesse em discutir a produção gráfica e tipográfica, a relação da palavra com a imagem e a interseção entre a literatura, artes gráficas, as artes visuais contemporâneas e o design. Os quatro artistas ainda refletem sobre diálogos e desafios que permeiam a produção gráfica autoral e o desenvolvimento do mercado de arte contemporânea e design em Belo Horizonte.

 

A exposição Gráficografia que reúne obras do acervo do  Museu de Arte da Pampulha integra a programação do Pampulha Território Museus e está em cartaz no Museu Histórico Abílio Barreto, sempre de quarta-feira a domingo, das 11h às 18h, com agendamento prévio de visitas pelo site.

 

A atividade é uma iniciativa do setor educativo do Museu de Arte da Pampulha e acontece respeitando todos os protocolos de combate à Covid-19 vigentes em Belo Horizonte.

 

Exposição “Gráficografia”

 

Destacando o acervo do Museu de Arte da Pampulha e sua missão de fomentar a produção artística contemporânea, a exposição “Gráficografia” apresenta uma seleção de obras gráficas do MAP, ao lado de importantes itens do Museu Histórico Abílio Barreto, espaço que recebe a mostra em um formato itinerante, além de produções de artistas convidados.

 

Em seu conjunto, a exposição irradia grafismos compostos com recursos das artes visuais e do design, e propõe uma reflexão acerca das linguagens e manifestações gráficas contemporâneas e suas influências no tecido urbano e social de Belo Horizonte. A curadoria da mostra é de Carlos M Teixeira e Marconi Drummond.