Pular para o conteúdo principal

Cerca de sete crianças e um adulto fazem piquenique no gramado do Museu Histórico Abílio Barreto; ao fundo, casarão do museu.
Foto: Ricardo Laf/PBH

Museu Histórico Abílio Barreto é aberto a visitas mediadas

13/12/2017 | 15:32 | atualizado em 26/12/2017 | 15:50
O Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB) é responsável pela guarda de parte significativa da história da capital mineira. O seu conjunto arquitetônico compreende o casarão secular, sede da antiga Fazenda do Leitão e o moderno edifício-sede, primeiro local concebido e edificado para abrigar um museu na capital. Na área externa, estão os abrigos para o bonde elétrico e a locomotiva a vapor; o palco ao ar livre e os jardins onde se realizam atividades de educação e lazer. Entre as várias atividades oferecidas pelo MHAB, como exposições, oficinas, encontros, publicações e apresentações de espetáculos, está o programa “Descobrindo o Museu”.


O “Descobrindo o Museu” é um programa de visitação agendada, com mediação, para grupos de diversas naturezas que procuram o Setor Educativo do Museu Histórico Abílio Barreto, equipamento mantido pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura. 


Segundo a Arte-Educadora do MHAB, Jakeline Lins, o programa surgiu em 1998 na retomada das atividades pelo setor educativo do museu, após o período de restauração do casarão. Jakeline explica que a proposta é atender grupos escolares e estimular os alunos a assumirem uma postura mais crítica e reflexiva sobre o museu por meio de jogos, materiais educativos e encontros com professores. “O programa passou por diversas fases ao longo dos anos e, desde 2014, se caracteriza por um trabalho de mediação destinado a diversos grupos, não somente os escolares, atendendo também às pessoas com deficiência, idosos e crianças na primeira infância”, ressalta.


A arte-educadora explica ainda que o trabalho consiste em visitas mediadas de temas variados, estruturadas por uma prática inicial de acolhimento, que estabelece um processo de escuta e diálogo, iniciadas a partir de diferentes elementos disparadores (objetos diversos, itens do acervo, imagens, textos, músicas, os jardins, entre outros). Esses elementos, segundo Jakeline, variam de acordo com o aspecto da dinâmica social, cultural e urbana de BH que se pretende abordar. 

 

As visitas mediadas podem seguir linhas temáticas variadas, estando ou não diretamente ligadas às exposições em cartaz. Um exemplo da linha temática praticada atualmente é a “Comissão Construtora”, na qual se trabalha detalhadamente aspectos do planejamento da capital. Já em “Museu da Cidade”, são abordados aspectos da museologia, tematizando os bastidores do Museu. Também se destaca a “Cidade Viva”, pautada em temas caros à vida da cidade trazidos pelo grupo, como a mobilidade urbana, direito à cidade, movimentos sociais. Além destes recortes, de acordo com Jakeline, existem também as mediações específicas relativas às exposições em cartaz.


Durante as visitas, os mediadores constroem com os visitantes as narrativas sobre Belo Horizonte, por meio de ações que consideram as experiências e vivências anteriores dos participantes, convidando-os a interagir usando o corpo e todos os sentidos.


O “Descobrindo o Museu” tem o objetivo de democratizar o acesso aos bens culturais salvaguardados pelo museu, além de estruturar um relacionamento com a comunidade escolar de Belo Horizonte, estendido também a outros grupos, como casas de apoio, organizações não-governamentais e grupos comunitários. “O programa visa propiciar situações de sensibilização e de reflexão sobre as dinâmicas da cidade por parte do visitante, utilizando, para isto, recursos pedagógicos diversos, bem como a infraestrutura disponível”, informa Jakeline Lins. 

 

Perfil do público

Considerando-se os grupos escolares, as visitas do “Descobrindo o Museu” são, em sua maioria, procuradas para atender as demandas de alunos do terceiro ano do ensino fundamental, etapa em que tradicionalmente estuda-se a história da própria cidade. Segundo Jakeline Lins, grupos de ensino médio e de Educação de Jovens e Adultos (EJA) também são atendidos pelo programa. “Além disso, iniciamos, em 2014, o atendimento a turmas de educação infantil, recebendo turmas de UMEIS, creches e outras instituições. Entre organizações de outras naturezas atendidas pelo programa, situamos as instituições de cuidado e permanências para idosos, organizações não governamentais, entre outras”.


Em 2018, O “Descobrindo o Museu” completará 20 anos atendendo às escolas públicas de todas as regionais de Belo Horizonte e a diversas escolas privadas e instituições interessadas. 

 

Aprovação da comunidade

Para ter um diálogo aberto com a comunidade e aperfeiçoar o programa, o MHAB registra depoimentos das escolas participantes em fichas de avaliação. Segundo depoimento de professores da Escola Municipal Helena Antipoff, “a visita trouxe relação entre teoria e prática, indo além dos livros e internet e interatividade, propiciando contato com as fontes históricas”. Já para os profissionais da Escola Municipal Senador Levindo Coelho, “as crianças puderam conhecer mais sobre a história de Belo Horizonte, as diferenças entre o passado e o presente. Tiveram uma visão diferente das coisas que elas já conheciam”. De acordo com professores da Escola Municipal Magalhães Pinto, “essa visita trouxe, de forma lúdica, um melhor entendimento sobre a história de Belo Horizonte”.


Para Natercia Pons, gestora do Museu Histórico Abílio Barreto, o “Descobrindo o Museu” é uma atividade de muita importância para o MHAB, pois dinamiza a prática de pertencimento, percepção e atuação dos diversos públicos com o museu e com a cidade. “São 20 anos de boas conversas, ressignificados e apropriações, através de releituras do passado e vivências do presente”, finaliza.
 


Visitação

O Museu realiza o agendamento de grupos de terça a sexta-feira, de 10h às 17h, pelo telefone: 3277-8668 ou 3277-8835. A procura pela atividade ofertada pelo Educativo do Museu Histórico Abílio Barreto tem grande procura de grupos e escolas e as vagas se esgotam nos primeiros meses de cada semestre letivo. 


O Museu Histórico Abílio Barreto está localizado na avenida Prudente de Morais, 202, bairro Cidade Jardim. Funcionamento: terça, sexta, sábado e domingo, das 10h às 17h; quarta e quinta-feira, das 10h às 18h30h. 

 

 

13/12/2017. Descobrindo o Museu. Fotos: Ricardo Laf/PBH